Carga Viral – O que é? Qual o seu Risco para Nossa Saúde?

O que é Carga Viral? Qual o seu Risco para Nossa Saúde? Carga viral refere-se à quantidade de vírus no sangue de uma pessoa infectada. Isto é expresso como o número de partículas virais em cada mililitro de sangue. Carga viral maior pode ter diferentes implicações para diferentes vírus, mas normalmente significa que a infecção está progredindo.

Carga viral e Como ela é Medida

Os testes de carga viral medem a quantidade de material genético, comumente RNA, de um vírus presente no sangue. Vários testes são normalmente feitos durante um período prolongado, com medições iniciais servindo como linha de base e medições subsequentes comparadas a esta.

As medições de carga viral podem diferir diariamente e, portanto, as tendências de longo prazo são usadas para avaliar a progressão da doença.

Há três testes principais usados para medir a Carga Viral. Estes são

  • Testes de transcrição reversa-polimerase em cadeia (RT-PCR),
  • Testes de DNA ramificado (bDNA) e
  • Testes de amplificação baseada em seqüência de ácidos nucléicos (NASBA).

Estes testes relatam resultados de carga viral diferentes, o que significa que é crucial ser consistente no teste usado durante todo o monitoramento.

Carga Viral – O que é? Qual o seu Risco para Nossa Saúde?

Independentemente disso, os testes devem ser capazes de medir de forma consistente os níveis de vírus até 50 cópias por 1 mL. Eles também precisam ter alta especificidade para o vírus alvo e ter resultados reprodutíveis e, portanto, comparáveis.

Como interpretar as medições de Carga Viral

À medida que a carga viral aumenta, a doença é vista como um progresso. Entretanto, se as medidas mostrarem que a carga diminui em várias ocasiões de testes individuais, a infecção é interpretada como sendo reprimida. O monitoramento da carga viral ao longo de uma infecção também pode mostrar como um paciente está respondendo bem ao tratamento, se é que está.

As medições da carga viral podem ser extremamente importantes para o tratamento de certas doenças.

AIDS: Aids é uma doença crônica causada pelo vírus HIV, que danifica o sistema imunológico e interfere na habilidade do organismo lutar contra outras infecções (tuberculose, pneumocistose, neurotoxoplasmose, entre outras).

Por exemplo, uma alta carga viral de partículas virais do HIV-1 está associada a uma maior taxa de destruição de células T CD4+ e, portanto, a uma progressão mais rápida em direção à AIDS. O objetivo do tratamento das infecções pelo HIV é manter a contagem de células T CD4+ alta e a carga viral baixa, e como tal, a carga viral é crucial quando se decide iniciar o tratamento anti-viral.

HIV: HIV é a sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana. Causador da aids, ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. As células mais atingidas são os linfócitos T CD4+. E é alterando o DNA dessa célula que o HIV faz cópias de si mesmo.

A carga viral tem, e ainda pode ser, uma forma comum na qual outros parâmetros virais são determinados. O número reprodutivo (R0) e o tempo de vida de uma célula infectada pode ser difícil de medir diretamente, mas pode ser estimado ajustando diferentes modelos matemáticos aos dados sobre a carga viral. No entanto, alguns inconvenientes graves foram identificados com estes métodos.

Por exemplo, o número reprodutivo pode ser subestimado com base em suposições de modelos, tais como negligenciar o processo de decomposição intracelular que ocorre antes da reprodução do virião. Para a duração da vida celular, muitos desses modelos assumem que qualquer tratamento que ocorra é perfeito e pára completamente a replicação viral, o que não é um reflexo exato da realidade.

Estes modelos superestimam o tempo de vida de uma célula infectada. Os modelos também tendem a assumir modelos básicos que podem descrever parâmetros virais em qualquer ponto da infecção, enquanto parâmetros como o tempo de vida celular podem diferir drasticamente no início de uma infecção e uma vez alcançado um equilíbrio.

COVID-19

A maioria das pesquisas anteriores sobre cargas virais se concentrou no HIV, em parte porque ele é uma ligação estreita com a progressão da doença e porque o HIV é uma das infecções virais de maior perfil. Os esforços recentes de pesquisa se concentraram na COVID-19 e na carga viral do SARS-CoV-2, mas esta pesquisa ainda é nova.

O vírus causador da COVID-19 está intimamente relacionado ao SARS-CoV, que causou uma epidemia no início dos anos 2000. A carga viral do SRA-CoV cresceu a partir de cargas virais inicialmente modestas nas vias respiratórias. Ao contrário disso, as cargas virais do SRA-CoV-2 parecem ser mais altas no nariz do que na garganta.

Pesquisas sobre o vírus SRA-CoV também mostraram que as cargas virais atingiram um pico 10 (dez) dias após o aparecimento dos sintomas. No SRA-CoV-2, a maior carga viral parece ser mais cedo, entre 1 (um) e 3 (três) dias após o início dos sintomas.

Isto é mais consistente com o padrão visto na gripe, em vez do SARS-CoV. Isto também implica que o potencial de transmissão é alto no início da infecção do SRA-CoV-2, o que tem sérias implicações para o manejo desta pandemia.

Coronavírus

Cargas virais em pacientes com COVID-19 também foram encontradas em pacientes assintomáticos. Estas têm sido semelhantes às dos pacientes sintomáticos, o que sugere que eles têm uma possibilidade semelhante de transmitir a infecção.

Entretanto, mais dados e uma melhor compreensão de como a carga viral se correlaciona com um vírus de cultura viável é necessária para determinar a dinâmica de transmissão e aconselhar práticas de triagem.

Sources

  • Thompson, E., Husney, A., and Shalit, P., 2020. HIV Viral Load Measurement. [online] Uofmhealth.org. Available at: <https://www.uofmhealth.org/health-library/tu6396>.
  • Who.int. 2020. Viral Load Testing. [online] Available at: <https://www.who.int/diagnostics_laboratory/faq/viral_load/en/>.
  • Zou, L., Ruan, F., Huang, M., Liang, L., Huang, H., Hong, Z., Yu, J., Kang, M., Song, Y., Xia, J., Guo, Q., Song, T., He, J., Yen, H., Peiris, M. and Wu, J., 2020. SARS-CoV-2 Viral Load in Upper Respiratory Specimens of Infected Patients. New England Journal of Medicine, 382(12), pp.1177-1179.
  • Lloyd, A., 2001. The dependence of viral parameter estimates on the assumed viral life cycle: limitations of studies of viral load data. Proceedings of the Royal Society of London. Series B: Biological Sciences, 268(1469), pp.847-854.
Mais Informações sobre o Coronavírus na Internet

 

AIDSCoronavírusCoronavírus de 2019diagnóstico de AIDSDoenças InfecciosasHIVinfectologista moemainfectologista spMeningite ViralVirus ChinesVírus Influenza