Ciclone Idai em Moçambique: Perspectivas da Tragédia

No dia 14 de março (quinta-feira), o ciclone tropical Idai passou por Moçambique, deixando como rastro uma grande tragédia. Até o momento, ele atingiu cerca de 2 milhões de pessoas, deixando quase mil mortos. Os países vizinhos Zimbabwe e Malawi também foram significativamente afetados.

O ciclone tinha ventos com uma velocidade maior do que 170 km/h, que fizeram com que a água dos rios Búzi e Pungue se alastrasse. Além disso, o desastre foi seguido por tempestades devastadoras.

As regiões mais afetadas pelas inundações foram as planícies costeiras, localizadas entre o planalto superior e as áreas montanhosas a oeste, perto da fronteira com o Zimbabwe, e o Canal de Moçambique, ao leste.

Este fenômeno destruiu casas e cidades, que ficaram soterrados em meio à inundação e aos destroços. A inundação foi tamanha, que os sobreviventes tiveram que arrastar-se em busca de refúgio, enquanto outros estão utilizando canoas rústicas para locomover-se em meio ao caos.

Com esses ocorridos, há também uma ameaça iminente de doenças nesses países, como indica um recente risco de surto de cólera. As condições precárias de higiene e a água contaminada abrem caminho para a propagação de doenças como a cólera, o tifo e a malária.

Além das centenas de mortos, milhares de pessoas estão desaparecidas, enquanto os sobreviventes refugiados encontram-se sem teto. Uma grande parcela das pessoas atingidas era composta por crianças.

No momento, o que a população mais precisa é água potável, alimento, roupas e abrigo. Toda ajuda humanitária é bem vinda e deve ocorrer o mais rápido possível, com o intuito de prevenir o surto dessas doenças e não aumentar ainda mais o número de vítimas.

A OMS, a ONU, a UNICEF e outras entidades já estão se mobilizando para oferecer ajuda, mas ela ainda não é suficiente, devido à proporção da tragédia e à lentidão do esforço de resgate.

As águas estão baixando aos poucos, revelando o que restou das estradas, plantações, cidades e moradias. A contabilidade dos mortos só poderá ser divulgada com certeza no momento em que as inundações recuarem.

Você pode ajudar as vítimas desse desastre!

Listamos a seguir algumas das organizações e entidades que estão arrecadando doações para a população dos locais afetados.

  • ONU: A ONU está aceitando ajuda humanitária através de doações, para oferecer alimentos, medicamentos e abrigo para os países afetados pelo ciclone;
  • Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas: O programa busca auxiliar as vítimas do desastre. Os brasileiros podem fazer doações em dinheiro, sendo que o valor mínimo para doar é de R$ 24;
  • UNICEF: Esta entidade da ONU está realizando campanha emergencial para arrecadar doações;
  • Caritas: Esta entidade internacional também está aceitando doações de dinheiro pela internet para fornecer alimento, medicamento, abrigo e outros produtos para ajudar a população;
  • Médicos sem Fronteiras: Esta organização humanitária está recolhendo doações em dinheiro para financiar equipamentos como soros, filtros de transfusão e purificadores de água;
  • Save the Children: Entidade que se dedica a ajudar crianças por todo o mundo aceita ajuda para esta tragédia e outros desastres humanitários;
  • Centro de Excelência Contra a Fome nos EUA: A organização tem o intuito de fornecer alimentos em áreas afetadas por desastres;
  • SOS Children’s Villages: Esta organização que auxilia crianças e comunidades atingidas por desastre humanitários está fazendo campanha para receber doações para vítimas do ciclone Idai;
  • Comitê Judaico-Americano de Distribuição Conjunta: Esta entidade dos EUA aceita doações em reais brasileiros para conceder itens médicos aos países afetados pela tragédia;
  • Oxfam: Esta organização com enfoque no combate à pobreza se encontra na região atingida, com o intuito de fornecer água potável e comida às vítimas;
  • Catholic Relief Services (CRS): Entidade católica norte-americana que recebe auxílio de vários países para desastres humanitários está fazendo campanha para arrecadar doações para os países vítimas do ciclone;
  • Humanity & Inclusion: Há membros dessa organização em Moçambique clamando por doações para custear alimentos, água e abrigo aos sobreviventes do ciclone;
  • ASEM Mozambique: Organização filantrópica localizada em Moçambique que foi afetada pelo ciclone pede ajuda;
  • ActionAid: Este fundo emergencial aceita doações em dinheiro, com o valor mínimo de R$ 35. Este dinheiro será usado para financiar as necessidades mais urgentes como água limpa, alimento, combustível, kits de higiene, barracas, entre outros suprimentos.
Áfricaajuda humanitáiracicloneciclone Idaiciclone tropicaldesastredesastre ambientaldesastre em moçambiquedoaçãodoençasfenômeno da naturezafuracãoIdaiMalawiMoçambiquemortesaúdesobreviventestragédiatragédia ambientalvítimasZimbabwe