Análise: as 10 melhores contratações em 2017 (até agora!)

0
98

Felipe Melo seria titular em todos os clubes
brasileiros. É um atleta muito melhor do que aquele que deixou
o Brasil como meia. Aporta tudo que o Palmeiras precisa para a
Libertadores. E algo mais – que pode até fazer o time ficar com
jogador a menos. No 4-1-4-1, é o cabeça e coração da
área. 

 

Cesar Greco/Fotoarena

Felipe Melo em ação pelo
Palmeiras no amistoso contra a Chapecoense

Conca só deverá somar ao Flamengo em maio. Mas
o custo-benefício, mais uma vez, promete ser ótimo negócio.
Pelo lado do 4-2-3-1 rubro-negro, vai dar liga com Diego, ainda
que no meio de temporada, e fim do RJ-17. Fora o fato de evitar
que reforce rival.

Vinicius Castro/ UOL

Conca deve começar a
jogar no final do Carioca ou começo do Brasileiro

Montillo só não entregou o prometido no
Santos. Mas variando na armação com Camilo, no repaginado
Botafogo de Jair Ventura, deve armar uma equipe ainda mais
interessante, embora menos veloz no ataque. Melhor se utilizado
em um 4-3-2-1, como prometido.

Vitor Silva/SSPress/Botafogo.

Montillo domina a bola
em treino do Botafogo

Guerra tem tido um histórico de lesões. Mas o
que fez no primeiro semestre pelo Atlético Nacional, e o que
pode fazer em várias funções pelo Palmeiras, justificam o
investimento. Aberto pela direita no 4-1-4-1, trocando de
funções com Tchê Tchê, ou mesmo até como referência na frente,
é excelente aposta do Palmeiras.

Agência Palmeiras

O venezuelano Guerra faz
treino físico no Palmeiras

Thiago Neves tem bola, idade e vontade para
render muito. Se aberto pela direita ou centralizado, cabe a
Mano e também a Arrascaeta os ajustes. Com Sóbis e Ábila,
formam das mais poderosas linhas de frente do Brasil. Treinador
mantido de uma temporada a outra, o Cruzeiro volta a se
candidatar a voos maiores.

Washington Alves/Light
Press/Cruzeiro

Thiago Neves em treino
do Cruzeiro

Cícero é o melhor cabeceador do Brasil. Pode
ser meia, volante e até centroavante – posição carente no São
Paulo. Em elenco jovem, com conhecimento de casa e de causa, e
confiança de Rogério, é o melhor exemplo da versatilidade que
pretende o novo treinador.

Reprodução

Cícero voltou ao São
Paulo e já jogou na Flórida Cup

Wellington Nem é outro que deve crescer no São
Paulo, time que deve adotar a velocidade e métodos mais
modernos de preparação e execução. Acostumado ao futebol
europeu, a transição deve ser rápida como promete ser a equipe
de Rogério.

Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Wellington Nem em ação
pelo São Paulo na Flórida Cup

Rômulo é outro volante que chegaria para ser
titular na maioria das equipes brasileiras. Mas, falando sério,
terá Márcio Araújo concorrendo pela mesma função. Complica… É
mais jogador. Mas MA é uma das referências de Zé
Ricardo…  Não será fácil arrumar um lugar, mesmo com
eventual mudança para um 4-3-2-1 para eventual ajuste de Conca
com Diego.

Gilvan de Souza/Flamengo

Rômulo, reforço do
Flamengo para a temporada

Quando deixou o Palmeiras lesionado em 2015, o clube se perdeu.
Mas com Tchê Tchê e Moisés perdeu espaço em 2016. Algo que
fechará na entrada da área alvinegra. Gabriel
dá sustentação e também qualidade à saída de bola alvinegra
saudosa de Ralf. Com outra dinâmica, deverá ajustar a equipe
que Carille tem condições de melhorar. Ainda mais com Gabriel
entre os titulares.

Daniel Augusto Jr./Agência
Corinthians

O volante Gabriel em
ação pelo Corinthians na Flórida Cup

Raphael Veiga talvez não seja a estrela
palmeirense em elenco tão recheado. Mas promete. Sabe jogar.
Gosta da bola e é correspondido. Amadurecendo com tamanha
concorrência, jogando mais rápido, candidata-se em 2018 para
ser uma possível referência.

Cesar Greco/Fotoarena

Raphael Veiga estreou no
Palmeiras com um gol contra a Chapecoense

Análise: as 10 melhores contratações em 2017 (até agora!)
Avalie esta notícia