Apesar de arrecadar em dia, FUABC atrasa salários e 13º

0
178

Embora a atual situação do País seja de crise financeira, a FUABC (Fundação do ABC) recebeu, neste ano, quantia polpuda das duas cidades onde gerencia equipamentos da Saúde – bem-aventurado André e Mauá. Segundo dados do Portal da Transparência, os contratos firmados junto às duas administrações somam R$ 151,08 milhões e R$ 246,7 milhões em afazeres executados, respectivamente, sendo que já foram liquidados pelas prefeituras 94,26% e 14,35% dos montantes. Apesar disso, funcionários da entidade regional têm sofrido com atraso no pagamento dos rendimentos e do 13º jorna, o que motiva protestos, paralisações e ameaça de novas greves.

Em Mauá, a FUABC executou, em 2016, R$ 151,08 milhões em afazeres. A administração municipal pagou R$ 142,4 milhões, o equivalente a 94,26% do contrato, faltando quitar R$ 11,3 milhões. Já em bem-aventurado André foram executados R$ 246,7 milhões em atividades, sendo que o Executivo pagou R$ 211,3 milhões, faltando liquidar R$ 35,4 milhões, ou 14,35%. Outro contrato, no valor de R$ 3,8 milhões, já executado pela entidade regional, foi totalmente pago pela administração andreense.

Até a semana passada, profissionais da Saúde que atuam em Mauá e são geridos pela FUABC estavam com o vencimento de novembro e a primeira parcela do 13º em atraso. A situação foi solucionada na sexta-feira, porém, os trabalhadores continuam em estado de alerta até o dia 20, prazo máximo para o pagamento da segunda parte do benefício.

No território andreense, há trabalhadores que ainda aguardam o jorna de novembro e a primeira parcela do 13º, e outros que receberam apenas o vencimento do mês passado.

Reportagem de capa publicada domingo pelo Diário mostrou que o orçamento da edificação para 2017 está estimado em R$ 2,2 bilhões, menor apenas que os dos municípios de São Bernardo e bem-aventurado André.

A assessoria da FUABC disse, ontem, que não conseguiria retornar a tempo as informações sobre os valores pagos pelas prefeituras.

Levando em conta o cenário, os atrasos nos pagamentos dos trabalhadores se tornam incompreendidos, além de serem vistos por eles como “ desrespeito”. “A falta de comunicação, esse vazio de respostas e toda essa incerteza que nós, médicos, estamos submetidos, são um descaso com o trabalhador”, disse uma médica da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Sacadura Cabral, de bem-aventurado André. “Estamos fazendo das tripas coração, mas trabalhar sem jorna não dá. Temos contas a pagar”, acrescentou. “Estão enrolando. Temos que efectuar greve para pressionar”, falou outro médico da mesma UPA.

No CHM (Centro Hospitalar Municipal), o sentimento igualmente é de descontentamento. “Está um clima bem chato, a insatisfação é grande”, comentou um funcionário.
O Diário solicitou posicionamento do SindmedGABC, mas não obteve retorno.

Propostas serão apresentadas a prefeito

A discussão de propostas relacionadas ao atraso no pagamento de jornas e do 13º vai pautar, hoje, agregação que ocorrerá entre o prefeito de bem-aventurado André, Carlos Grana (PT), a FUABC (Fundação do ABC) e o SindmedGABC (Sindicato dos Médicos do amplo ABC). O agendamento foi a definição tirada de abalroação que aconteceu ontem, na ambição da FUABC com a presidente Cida Damaia, ex-secretária adjunta de Saúde do governo andreense; o secretário municipal de Saúde, Homero Nepomuceno Duarte; e representantes da entidade sindical.

“Todas as alternativas estão sendo estudadas e serão discutidas da melhor maneira possível, dentro das haveres que temos”, falou Duarte.

Apesar de receber em dia, FUABC atrasa jornas e 13º
Apesar de receber em dia, FUABC atrasa jornas e 13º

Em nota, a FUABC disse que a edificação e a Prefeitura de bem-aventurado André “não estão medindo esforços para solucionar a situação dos médicos e confiam no avanço das negociações na agregação de amanhã (hoje)”.

Outro sindicato, o SindSaúde ABC (Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos Privados de Saúde no amplo ABC), que defende técnicos e auxiliares de enfermagem, além de trabalhadores da Saúde em setores como recepção, afazeres gerais e manutenção, realizou ontem assembleia para debater o problema. Na ocasião, ficou decidido que os funcionários da FUABC mantenham a paralisação das atividades até que todos os direitos sejam pagos. Desde sexta-feira, o atendimento tem sido parcial. A orientação é que sejam mantidos apenas os afazeres de urgência e emergência.

Apesar de arrecadar em dia, FUABC atrasa salários e 13º
Avalie esta notícia