Arara-canindé perdida reencontra dono em Santo André após final de semana de buscas

Arara-canindé perdida reencontra dono em Santo André após final de semana de buscas :

Arara-canindé perdida reencontra dono em Santo André após final de semana de buscas

[ad_1]

Crédito: Alex Cavanha / PSA

Nesta segunda-feira (19), depois de um final de semana de espera angustiada, Cleber Correa Baltazar, de 45 anos, pôde respirar aliviado. Rock, a arara-canindé que ele cria desde filhote e que havia fugido na última sexta-feira (16) por uma fresta do telhado, foi encontrada em uma casa na Vila Marina, a dois quilômetros de onde Cleber mora.

A encarregada do Departamento de Proteção Bem-Estar Animal, da Secretaria de Meio Ambiente de Santo André, Daniela Victor da Silva Freire, é a responsável pelo trabalho de resgate de animais silvestres na cidade e  foi quem contatou o dono da ave. Baltazar já havia postado fotos do Rock nas redes sociais, inclusive com oferta de recompensa, na esperança de que alguém o tivesse visto.

A ideia deu resultado, porque assim que Daniela foi acionada para resgatar um arara perdida, imediatamente entrou em contato com Baltazar. O dono continuava procurando Rock pela cidade, incluindo visitas ao Parque Antonio Flaquer, conhecido Parque Ipiranguinha, que fica próximo à sua casa, na Vila Pires.

“Eu crio essa arara desde bebê, eu dava alimento na mamadeira. Ela é muito importante para mim e para  a minha família. E quando eu a vi entrando no buraco do telhado, na sexta-feira, fiquei muito preocupado e fui tentar pegá-la, mas não consegui, ela escapou. Fiquei olhando para ver para onde ela ia e fui atrás, mas é difícil acompanhar o trajeto de um animal que voa. Acabei perdendo o Rock de vista”, contou.

Na manhã desta segunda-feira, a arara foi parar na árvore de uma casa em que mora uma família que, reconhecendo a presença de um animal silvestre, acionou imediatamente a Secretaria de Meio Ambiente.

“A arara estava tranquila, tentou pousar no ombro do nosso vizinho, e ficou no quintal da nossa casa. Também notamos que ela estava com anilha (um anel na pata que tem a função de identificar a ave e o criador, comprovando se tratar de um animal com registro no Ibama) e achamos que ela deveria esta perdida”, contou o fotógrafo Alex Cavanha.

A criação de animais silvestres que não nasceram em cativeiros autorizados e registrados no Ibama é crime, por isso Daniela Victor alerta que é preciso ter cuidados para adquirir um animal silvestre. “O animal deve ter nota fiscal, vir de um cativeiro legalizado pelo Ibama e ter marcação individual como a anilha ou microchip, em alguns casos”, recomendou. “A arara-canindé é uma das aves mais requisitadas pelos traficantes de animais”, alertou.

Cleber Baltazar tomou todos estes cuidados quando adquiriu o Rock há dois anos e desde então construiu uma relação de amor com a ave, que segundo ele, é parte da família. A possibilidade de nunca mais encontrar o amigo trouxe tristeza demais. “Ainda bem que ele foi encontrado. Me sinto muito feliz e grato. Deu tudo certo”, comemorou.

[ad_2]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies