fbpx
Início Sete Cidades Santo André Basquete feminino de Franca vence Assis nos Jogos Abertos

Basquete feminino de Franca vence Assis nos Jogos Abertos

Basquete feminino de Franca vence Assis nos Jogos Abertos

Crédito: Alex Cavanha/PSA
A estreia do basquete feminino de Franca nos Jogos Abertos do Interior no ABC foi digna de placar elástico, relembrando a força que o masculino já mostrou na sua história. Nesta terça-feira (21), a equipe bateu Assis por 77 a 49, no ginásio do Parque Celso Daniel, em Santo André. A cidade que fica a mais de 400 km de distância da região das sete cidades é conhecida na modalidade pelo número expressivo de títulos nacionais, estaduais e internacionais, como sul-americanos e pan-americanos. Isso tudo entre os homens, onde recebe investimento alto e jogadores de renome. Entre as meninas a realidade é diferente, mas o peso da camisa também é notado.“A diferença de investimento entre masculino e feminino é grande na cidade, mas eles nunca nos atrapalharam, pelo contrário, sempre ajudam no que podem. Temos um bom relacionamento. Somos um time com ajuda apenas da Prefeitura, mas carregamos o nome da cidade nas costas e isso pesa. Fazemos de tudo para usar o masculino como exemplo e fazer com que levemos da melhor forma o nome de capital nacional do basquete”, explicou o técnico Alexandre Borges, nascido em Franca e que milita no basquete feminino há 32 anos.Com um grupo jovem, e que conta com todas as jogadoras naturais de Franca, o treinador confia no trabalho realizado e que a força da base da cidade traga bons frutos. “Temos projetos sociais nos ajudando em garimpar novos talentos e vamos seguir lutando, sem desistir. Sabemos de todos os problemas do basquete feminino atualmente, mas vamos manter a mesma energia e lutar pelo basquete.”Enumerando as dificuldades encontradas pela modalidade hoje em dia, Borges crê que uma revolução logo acontecerá e o feminino voltará a ter sucesso como a época de Magic Paula e Hortência. Ou algo perto disso, ao menos. “Atingir aquele patamar é difícil, mas a questão é continuar em frente. Há 12 anos o feminino era melhor que o masculino, entre as melhores seleções do mundo, e por falta de responsabilidade e seriedade tivemos essa queda brusca. Porém, acredito que uma nova geração de talentos entre atletas e treinadores está surgindo, e que se for feito da forma correta dará frutos. Basta olhar com carinho para quem se dedica com seriedade ao trabalho e investir nisso.”Franca quase se inscreveu na Liga de Basquete Feminino, que começa em janeiro, e só não o fez pela falta de alguns detalhes financeiros. Porém, o trabalho segue nos Jogos Abertos e com foco para o próximo ano. “Já estamos em final de temporada, falta um pouco de pique, mas vamos seguir firmes nos Abertos jogando o nosso jogo para as coisas fluírem naturalmente”, finalizou Alexandre.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here