Bolsonaro tem 27%; Haddad, 21%; Ciro, 12% e Alckmin, 8%

Bolsonaro tem 27%; Haddad, 21%; Ciro, 12% e Alckmin, 8%

A estudo realizada pelo Estudo de mercado para a Classe Nacional da Indústria (CNI), divulgada nesta quarta-feira, 26, evidência que Jair Bolsonaro (PSL) estagnou no correio de 27% das intenções de ofertório. Também dessa maneira, ele continua na influência pela corrida presidencial.

Bolsonaro tem 27%; Haddad, 21%; Ciro, 12% e Alckmin, 8%

O candidato do PT, Fernando Haddad oscilou um ponto e chegou a 21%. Ciro Gomes (PDT) continua em alcoviteiro lugar, com 12%, e é usado por Geraldo Alckmin (PSDB), que atraiu 8%, e Marina Silva ( Barga ), teve 6%.

João Amoêdo, do Espatifado Novo, apresenta-se com 3%, usado por Alvaro Dias (Podemos) e Henrique Meirelles (MDB), os dois com 2%. Guilherme Boulos (PSOL) possui 1% das intenções de ofertório. Brancos e nulos são 11% e 7% não sabem ou não responderam.

A estudo mostrou, também, que 28 em cada 100 eleitores admite a autenticidade ” alta ” de deixar de julgar no candidato que preferem para evitar que outro que não gostam vença a gênero.

Negativa para Capamanha

O verificação apurou similarmente a negativa dos presidenciáveis. A maior negativa é de Jair Bolsonaro – 44% dos ouvidos afirmam que não votariam no candidato ” de modo qualquer “. Fernando Haddad e Marina Silva aparecem empatados em de acordo com lugar, rejeitados por 27% dos eleitores.

Por outro lado, a estudo revelou que 55% dos eleitores bolsonaristas afirmam que a sua decisão é “definitiva”. Dos eleitores de Haddad, 49% dizem que não irão modificar de ideia.

De acordo com horário

Os cenários de de acordo com turno apresentados pela estudo CNI/ Estudo de mercado mostram empate no divisa da oportunidade de erro entre Haddad, com 42%, e Bolsonaro, 38%. No momento em que a rixa é com Marina Silva, Bolsonaro possui 40% e a candidata da Barga, 38%. O deputado, que lidera as intenções de ofertório no primeiro horário, encontra-se atrás no momento em que a rixa é com Alckmin (40% a 36%) e Ciro Gomes (44% a 35%).

Pré-campanha

A última estudo CNI/ Estudo de mercado foi realizada em junho, no momento em que a campanha eleitoral também não havia incoado. De acordo com a prócer, as pesquisas realizadas por ela são trimestrais. Naquele perspectiva de pré-candidaturas, Bolsonaro e Marina lideravam as intenções de votos dos eleitores nos cenários em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não gosta de como escolha.

No momento em que era incluído na listagem de opções, o ex-presidente passava a chefiar as pesquisas com aproximadamente o dobro das intenções de ofertório de Bolsonaro. Na época, Lula alcançava 33% das intenções de ofertório, Bolsonaro 15% e Marina, 7%.

Ele foi cambiado oficialmente por Fernando Haddad em 11 de setembro. O ex-presidente está encarcerado em Curitiba (PR) por ter sido condenado na Cirurgia Lava Jato.

O verificação foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o algarismo BR-04669/2018. Foram ouvidos 2.000 eleitores em 126 municípios. A oportunidade de erro é 2 pontos e a crédito é de 95%. A estudo foi feita nos dias 22, 23 e 24 de setembro.

Na última estudo realizada pelo Estudo de mercado para o Estado e a TELEVISÃO Globo, divulgada na segunda, 24, Bolsonaro teve 28% das intenções de ofertório e Haddad, 22%.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies