Brumadinho – As Perspectivas da Tragédia

Três anos após o rompimento da barragem em Mariana (MG), outra barragem se rompeu em uma sexta-feira, no dia do aniversário de São Paulo. O desastre aconteceu em Brumadinho, que também se encontra no estado de Minas Gerais.

O desastre ambiental, para alguns, deveria ser considerado um crime ambiental, e as opiniões sobre o acontecido divergem. Neste artigo, analisaremos as possíveis perspectivas.

Brumadinho – O ocorrido

A catástrofe aconteceu no dia 25 de janeiro, em Brumadinho – cidade que fica na região metropolitana de Belo Horizonte (MG). A barragem é da Vale, a maior mineradora do Brasil e terceira companhia na indústria global de mineração de metais. A Vale S.A. possui um vasto histórico de desastres ambientais e tragédias.

A lama com dejetos atingiu a cidade e moradores precisaram deixar seus lares. Equipes de bombeiros e da Defesa Civil foram até a área em busca de vítimas.

Até o momento, não se sabe com precisão o número de pessoas desaparecidas. Algumas pessoas foram resgatadas com vida, muito feridas, e há vítimas fatais. A mais recente apuração revelou 99 mortos e 259 pessoas desaparecidas até agora. 192 pessoas foram resgatadas, mas a essa altura do campeonato, é quase impossível encontrar pessoas com vida.

Mas apesar de tantos dias passados, o porta-voz do Corpo de Bombeiros afirma que ainda existe a possibilidade de encontrar pessoas vivas, mesmo que seja muito pequena. A operação tem sido realizada com cajados e arrastamento pela lama para buscar sobreviventes e corpos. A estimativa é que essa busca dure mais ou menos até julho deste ano, o trabalho está sendo feito em etapas.

Brumadinho – A Perspectiva de Crime Ambiental

Algumas pessoas possuem uma opinião de que o ocorrido em Brumadinho não foi simplesmente um desastre ambiental, e sim um crime ambiental.

Para o relator da ONU, as autoridades brasileiras não aprenderam a lição com o último rompimento de barragem que aconteceu em Mariana. Segundo ele, o controle ambiental deveria ter sido aumentado e o que ocorreu foi exatamente o contrário, desrespeitando assim os direitos humanos.

Ele disse que era um dever ter implementado medidas para evitar novos rompimentos de barragens mortais e perigosas após o primeiro ocorrido.

Brumadinho – Posicionamento da Vale

A vale afirmou que as sirenes de alerta em Brumadinho não puderam ser acionadas depois que a barragem principal se rompeu, porque a velocidade do ocorrido foi muito grande.

Brumadinho – A visão do exterior

Muitos jornais respeitáveis do exterior publicaram matérias sobre a tragédia ocorrida, e as opiniões sobre o tema não variam muito.

O jornal National Geographic publicou que “O rompimento das duas barragens, operadas respectivamente por Samarco (Vale S.A e Bhp Billiton Metais S.a) e Vale, poderiam ser evitadas segundo especialistas ambientais”.

O jornal The New York Times em sua matéria alerta: “O problema, de acordo com especialistas como Milanez e Luiz Jardim, professor de geografia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, é que as mineradoras escolhem e contratam os auditores e fornecem toda a documentação que analisam”.

Outros jornais como The Guardian e The Telegraph.uk também publicaram sobre este desastre.

Aguardando palavras...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais