Câmara andreense contratará laudo técnico para verificação das reformas na estrutura do prédio

159

A mesa diretora da Câmara de Santo André, presidida por Almir Cicote (PSB), lançou processo licitatório, na modalidade tomada de preços (nº 1/2017), do tipo menor preço global, para contratar empresa especializada que possa emitir laudo técnico sobre as condições estruturais do prédio legislativo. A previsão de gastos com o acerto é de R$ 72,5 mil, segundo informações oficiais. O vínculo, de acordo com o socialista, visa a elaboração de testes da conservação do espaço que verifiquem se as reformas realizadas desde 2013, quando vigas apresentaram fissuras, foram apropriadas.
“Engenheiros que acompanharam o projeto consideram necessário constatar se a reforma ficou a contento, se precisa de alguma adequação, se comporta outros planos relacionados a obras, se há risco de desabamento”, alegou Cicote. “Precisamos de empresa que faça essa avaliação”, emendou, ao acrescentar que, mesmo depois de a Casa passar por longo período de intervenções, ainda falta promover obras em todo o primeiro andar. Então presidente à época, Donizeti Pereira (PV) identificou os primeiros problemas nas colunas e tocou ações no piso superior. Já o último dirigente, Ronaldo de Castro (PRB), encaminhou trabalhos para impermeabilização da laje.

Ronaldo chegou a despender, com aditivos, aproximadamente R$ 860 mil nas obras do telhado da Câmara, que se encerraram no início deste ano. A ideia era evitar infiltrações. Ontem, durante a chuva à tarde, a reportagem do Diário identificou goteira dentro do plenário. Na ocasião das rachaduras nas paredes, Donizeti contratou, em regime emergencial, a empresa Falcão Bauer para elaboração de laudo técnico da estrutura. O acordo foi fechado em R$ 98,1 mil. O prédio foi inaugurado em 1968. O local não tem AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros). “Precisamos nos adequar. Faz parte deixar que haja condição e confiança para tocar qualquer obra (na edificação)”, disse Cicote.
EXTRAORDINÁRIA
Os parlamentares oficializaram sessão extraordinária na terça-feira para votação, em duas análises, do projeto de reajuste salarial ao funcionalismo público, tanto do Executivo quanto da Câmara. A proposta aos servidores do Paço será de 4,57% em duas prestações (uma de 2% em janeiro e outra de 2,57% em 2019), enquanto que os trabalhadores da Casa receberão o índice da inflação em uma parcela, retroativa. Por outro lado, as matérias que tratam do PPA (Plano Plurianual) e da LOA (Lei Orçamentária Anual), embora constem na pauta, tendem a ser adiadas.  

Câmara andreense contratará laudo técnico para verificação das reformas na estrutura do prédio
Avalie esta notícia