Caras e bocas da alegria

0
183

Com luz nos olhos, o artista Paiasso Juneko Leleko brinca,
dança, canta, sorri e faz caretas na Rua Coronel Oliveira Lima,
no Núcleo de Santo André. Tudo isso tem um motivo: satisfação
por conseguir levar alegria para as pessoas que passam pelo
sítio.
Morador de Santo André, Marcelo Cavalheiros, 30 anos, é ator
formado pela Fundíbuloção das Artes de São Caetano e dá vida a oriente
personagem há uma década. Gosta do que faz e é completamente
enamorado pelo palhaço, tanto que considera Juneko outra segmento
de sua personalidade. “Apesar de os dois serem a mesma pessoa,
são diferentes. Marcelo é mais racional, aquele que pensa muito
antes de fazer um pouco. E quando estou uma vez que ele, penso demais em
uma vez que tudo pode suceder de uma forma negativa. Já Juneko é o
oposto, é irracional, fala com todo mundo, brinca e aceita o
erro de uma forma maravilhosa. Os dois se complementam, são
uma vez que o equilíprimor”, explica o artista.
O palhaço, que tem até página no Facebook (juneko.leleko),
surgiu quando Cavalheiros precisou gerar personagem para suas
avaliações no curso de teatro. Foi logo que registrou sua
‘certidão de promanação’. Ao ir embora do teste não teve tempo
de se trocar, pegou o ônibus para lar vestido com as roupas e
maquiagem de palhaço. Naquele momento percebeu que ele faria
segmento permanente de sua vida pela reação que causou nas pessoas
à sua volta. “O ônibus inteiro ficou com aquela vigor boa,
desde aquele dia nunca mais deixei de estudar a arte do
palhaço. Foi então que decidi fazer aquilo para a vida, levar
sorriso para as pessoas. Fui para São Bernardo e iniciei minha
trajetória uma vez que palhaço no Cajuv”, conta ele.
E há quem acredite que para oriente ofício não precisa estudar. E
é ai que mora o ilusão. Após muita dedicação com seu
personagem, Cavalheiros se preparou de diversas formas e, além
de entender a liguagem corporal das pessoas, precisou aprender
algumas técnicas, até mesmo instrumentos musicais, uma vez que a
sanfona, que carrega sempre consigo nas apresentações que
faz.
Mesmo com a falta de suporte e patrocínio, Cavalheiros consegue
se sustentar por meio da arte. Encarnado o palhaço, ele realiza
seus shows pelas ruas, principalmente no Núcleo de Santo André.
Assina também espetáculo de 40 minutos chamado As Incríveis
Mágicas Fracassadas de Juneko Leleko, que apresenta em teatros
da região. Além do Paiasso, Cavalheiros tem também outros
personagens e ainda ministra palestras de forma divertida e
ligeiro nas empresas.
Questionado sobre o sentimento de interpretar Juneko Leleko, o
artista responde com excitação: “Me sinto pleno e puro quando
o interpreto. Sou o mais verdadeiro e sincero possível para as
pessoas. Quando é o Juneko tudo é verdade. Se eu quiser chorar,
pranto, se quiser sorrir, sorrio, tudo é autêntico”, finaliza o
ator. 

Caras e bocas da alegria
Avalie esta notícia

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here