Cesta Básica termina ano 5,24% mais cara

Em 2017, a Cesta Básica ficou 5,24% mais cara do que 2016. A variação foi calculada pela Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André), que comparou a média anual dos preços do ano passado com a média dos preços desse ano. A pesquisa, feita mensalmente pela Craisa, analisa o comportamento de 34 produtos de 17 supermercados da região do grande ABC. Apesar da alta, o aumento é a metade do registrado em 2016, na comparação com 2015, quando a Cesta Básica subiu 12,54%.“A crise econômica deste ano fez o consumidor se retrair e gastar menos, o que costuma afetar o desempenho dos preços. Além disso, em 2016, no meio do ano houve muitas altas expressivas, principalmente em produtos afetados pelo clima, que puxaram o preço da Cesta Básica para cima”, explicou o engenheiro agrônomo da Craisa, responsável pela análise da pesquisa, Fábio de Benedetto. Em 2017, o valor médio da cesta foi de R$ R$576,51 reais frente aos R$547,83 de 2016. A alta foi de R$ 28,69.O aumento mais importante, na análise de Benedetto, foi o arroz, que subiu 20,39% no ano. “As reservas mundiais do arroz diminuíram 1% em 2017, justamente quando o comércio mundial foi reativado, principalmente na Ásia, onde, além de grandes consumidores do alimento, muitos países tiveram de reconstruir seus estoques para limitar tendências inflacionárias”, observou.  Assim como o arroz, o trigo é um produto cujo preço no Brasil sofre muita influência dos valores cobrados no mercado internacional. Por isso, os produtos derivados de trigo foram responsáveis pelas principais altas do período. A bolacha maisena ficou 26,85% mais cara, o espaguete subiu 22,49% e o pacote de 1 kg de farinha de trigo teve um aumento de 19,96%. “Precisamos considerar que houve desvalorização do Real, o que torna o produto mais caro”, destacou.A maior queda do período, por outro lado, foi verificada no preço da batata, que ficou 46,27% mais em conta neste ano, assim como a cebola, que teve o preço 31,33% menor, e o feijão, com queda de 12,48%. Benedetto lembra, no entanto, que esses três produtos sofreram grandes altas de preço em 2016, por causa do clima ruim para a plantação, e esses novos preços estimularam os fornecedores a produzir mais. “Mas com o aumento da oferta, o preço tende a cair, e foi o que aconteceu este ano”, disse.O litro de leite longa vida, que ficou 7,20% mais em conta este ano, é uma das principais quedas do período, enquanto as carnes de boi e de frango permaneceram com preço praticamente estável ou pequena queda. A carne bovina de 1ª (coxão mole) quase não sofreu alteração (0,33%) e a carne de 2ª (acém) ficou 2,01% mais barata, já o quilo de frango resfriado, apresentou queda de 2,03%. “Em um momento de crise econômica e demanda enfraquecida, como em 2017, a boa notícia ficou por conta dos preços das carnes e do leite, que ajudaram o consumidor nestes momentos”, concluiu.

Aguardando palavras...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais