O Que É Síndrome da Tensão Cervical?

26693

A síndrome da tensão cervical é uma condição que gera fadiga, rigidez, dor no pescoço ou dor de cabeça. Existem pelo menos duas áreas sensíveis.

Síndrome da Tensão Cervical?

A Distonia Cervical ou síndrome da tensão cervical é caracterizada por contrações involuntárias (espasmos) de longa duração (contínua crônica) ou contrações periódicas e intermitentes dos músculos do pescoço, fazendo com que o pescoço vire em formas diferentes.

A causa da distonia cervical é geralmente desconhecida.

Os médicos baseiam o diagnóstico nos sintomas e nos resultados do exame físico.

As injeções com toxina botulínica são usadas em primeiro, mas se elas forem ineficazes, podem ser usados medicamentos, tomados por via oral.

  • A fisioterapia pode ajudar a aliviar alguns sintomas.

A distonia também pode ocorrer em músculos que não sejam aqueles no pescoço.

O pescoço pode se movimentar em uma ou mais das seguintes formas:

  • Girar (chamado torcicolo)
  • Inclinar (chamado laterocolo)
  • Inclinar para frente (chamado anterocolo)
  • Inclinar para trás (chamado retrocolo)

Uma forma (chamada distonia cervical de início adulto) se inicia na idade adulta. Uma vez que ela provoca rotação ao pescoço, por vezes, ela é denominada torcicolo espasmódico. É mais comum a distonia que afeta apenas uma parte do corpo. Geralmente, a causa é desconhecida, mas em algumas pessoas, o torcicolo espasmódico é causado por uma mutação genética. Estresse e problemas emocionais podem piorar o torcicolo espasmódico.

Distonia Cervical pode

Estar presente no nascimento

Ocorrer posteriormente, causado por diversas doenças neurológicas

Resultar do uso de medicamentos que bloqueiam a dopamina (como haloperidol e outros medicamentos antipsicóticos)

Raramente, pensa-se que um problema emocional possa contribuir.
Sintomas

Os sintomas de distonia cervical podem iniciar-se a qualquer idade mas geralmente se iniciam entre as idades de 20 e 60 anos, mais frequentemente entre as idades de 30 e 50 anos.

Os sintomas geralmente iniciam-se gradualmente e raramente iniciam-se repentinamente.

Alguns sintomas se iniciam com o chacoalhar a cabeça de lado a lado, como se a pessoa estivesse chacoalhando sua cabeça para dizer “não”. Alguns dos músculos da cabeça podem contrair-se e permanecer contraídos, ou eles podem contrair-se intermitentemente, torcendo o pescoço. As contrações podem ser dolorosas. A cabeça pode ser virada para um lado ou puxada para frente e para trás. Por vezes, um dos ombros está elevado.

Os sintomas variam de leves a graves. Geralmente, os espasmos pioram lentamente por 1 a 5 anos e, depois, estabilizam. Em cerca de 10 a 20% das pessoas, eles desaparecem por si só, num prazo de 5 anos desde que os sintomas se iniciaram. Os espasmos são mais prováveis de desaparecerem quando eles são leves e se iniciam numa idade jovem. No entanto, eles podem persistir por toda a vida, restringindo movimentos e permanentemente mantendo a cabeça, o pescoço e os ombros em uma posição distorcida.

Diagnóstico

Avaliação de um Médico Especialista Neurologista ou Neurocirurgião

O diagnóstico da distonia cervical é baseado em sintomas e um Exame Neurológico.

Tratamento Síndrome da Tensão Cervical

Técnicas físicas

Injeções de toxina botulínica

Algumas vezes, medicamentos tomados por via oral

Algumas técnicas físicas podem, às vezes, aliviar temporariamente os espasmos. A fisioterapia pode ajudar aumentando a flexibilidade. Os terapeutas também podem ajudar a pessoa a identificar que movimentos pioram os espasmos e quais os aliviam. O biofeedback (fazendo uso de técnicas de relaxamento para controlar os processos inconscientes do corpo, como frequência cardíaca e tensão muscular) ou massagens pode ajudar algumas pessoas.

As pessoas acham determinados truques que podem brevemente aliviar os espasmos. Eles podem incluir toque leve no queixo, bochecha, testa ou parte posterior da cabeça. Esses truques são geralmente mais eficazes se realizados no mesmo lado dos espasmos.

Quando um problema emocional contribui, o tratamento é mais bem controlado por uma equipe de médicos, incluindo um psiquiatra, um psicólogo e um neurologista.
Medicamentos

As injeções de toxina botulínica nos músculos afetados podem reduzir os espasmos dolorosos em cerca de 70% das pessoas e permitem que a cabeça retorne a uma posição mais normal. No entanto, para alívio contínuo, as injeções têm que ser repetidas a cada 3 a 4 meses.

Analgésicos, tomados por via oral, podem diminuir a dor mas não controlam os espasmos. Os medicamentos com efeitos anticolinérgicos, como triexifenidilo, podem ajudar a aliviar os espasmos, mas os efeitos colaterais incômodos (como confusão, sonolência e boca seca) podem limitar seu uso. Uma benzodiazepina (um sedativo), particularmente clonazepam, baclofeno (um relaxante muscular) e carbamazepina (um anticonvulsivante) podem ajudar.
Cirurgia

O papel da cirurgia é controverso. A cirurgia envolve fazer um corte nos nervos para os músculos afetados, de tal forma que os nervos não possam mais estimular o músculo a se contrair. Quando o procedimento é realizado por cirurgiões experientes, os benefícios superam as complicações potenciais.

Se os sintomas são graves e todos os tratamentos usuais não foram eficazes, uma estimulação profunda do cérebro pode ser realizada. Para este procedimento, pequenos eletrodos são cirurgicamente implantados em parte dos gânglios basais (conjunto de células nervosas que ajudam a suavizar os movimentos musculares). Os eletrodos enviam pequenas quantidades de eletricidade a uma área específica dos gânglios basais que causam distonia cervical e, então, ajudam a aliviar os sintomas.

Neurocirurgião Moema
Neurocirurgião: Dr Victor Barboza