Curso de Direitos Humanos aborda minorias e grupos vulneráveis no Consórcio

207

Lição principiante do Curso de Direitos
Humanos, Cultura de Silêncio e Mediação de Conflitos

Crédito: Divulgação/Consórcio ABC

Apesar de não serem expressões sinônimas, minorias e grupos
vulneráveis enfrentam situações semelhantes de preconceito,
discriminação e intolerância. O tema foi trabalhado na lição
principiante do Curso de Direitos Humanos, Cultura de Silêncio e
Mediação de Conflitos, realizada nesta quinta-feira (14) no
Consórcio Intermunicipal Grande ABC.

Ao iniciar a formação, o coordenador do Grupo Temático Gênero e
Masculinidades do Consórcio, Reginaldo Bombini, propôs um
exercício para indagar os rótulos e estereótipos impostos pela
sociedade. “Com a empatia podemos nos colocamos no lugar das
outras pessoas. Além disso, quando identifico os meus
sentimentos eu consigo trabalhá-los em vez de culpabilizar o
outro, desenvolvendo uma atitude mais proativa e não violenta”,
explicou.

Ao abordar a distinção entre minorias e grupos vulneráveis,
Bombini ressaltou que entender estes conceitos contribui para a
promoção de políticas públicas mais eficazes.

O termo minoria se refere a um grupo que esteja em
inferioridade numérica e em situação de subordinação
socioeconômica, política ou cultural, em relação a outro grupo,
que é majoritário ou dominante em uma determinada sociedade. Já
os grupos vulneráveis representam um conjunto de pessoas de uma
minoria com aproximação dificultado a bens e serviços universais
disponíveis para a população.

Organizada pelo Grupo Temático Gênero e Masculinidades, a
formação regional estimula servidores públicos da região a
refletir sobre aspectos relacionados a temas uma vez que volubilidade e
conflito, cultura de silêncio e justiça restaurativa. O conteúdo do
curso é trabalhado por meio de ciclo de palestras e oficinas
realizadas em oito encontros semanais, até dezembro, na sede do
Consórcio.

Curso de Direitos Humanos aborda minorias e grupos vulneráveis no Consórcio
Avalie esta notícia