Dívida da SPMar com a região chega a R$ 14,3 mi

Dívida da SPMar com a região chega a R$ 14,3 mi
Avalie esta notícia

 Responsável pela construção e gerenciamento dos trechos
Sul e Leste do Rodoanel Mário Covas, a concessionária SPMar
acumula dívida de R$ 14,3 milhões com quatro prefeituras da
região. O montante do deficit, referente aos atrasos no
pagamento de ISS (Imposto Sobre Serviços) retraído nas praças
de pedágio da rodovia, é escopo de cobrança conjunta feita pelas
administrações por meio do Consórcio Intermunicipal do Grande
ABC.

Segundo a entidade regional, a dívida foi atualizada em junho e
tem uma vez que base dados repassados pelas prefeituras de Santo
André, de São Bernardo, de Mauá e de Ribeirão Pires. O valor
devido a cada município, porém, não foi divulgado pelo
Consórcio.

Com o objetivo de facilitar a intermediação da cobrança, desde
maio prefeitos do Grande ABC têm pautado o tema em encontros
promovidos na entidade regional.

À época, conforme noticiado pelo Diário, a concessionária SPMar
devia murado de R$ 10 milhões, sendo R$ 5 milhões com o governo
de São Bernardo e mesmo valor com o Paço de Ribeirão Pires –
demais municípios não forneceram seus dados naquele mês. O
índice representava praticamente um terço de todo montante
arrecadado nos últimos 13 meses pelo Grande ABC com a devolução
do ISS obtido pelas empresas que exploram as rodovias que
cortam a região

Após tratativas com a concessionária, as administrações de
Santo André e de São Bernardo conseguiram convencionar parcelamento
da dívida e aguardam receber nos próximos meses o montante
pendurado pela SPMar, segundo a entidade.

Ribeirão Pires, que não forneceu detalhes de possível
negociação, diz que a SPMar possui deficit de murado de R$ 4,5
milhões em dívidas com o poder público, referente aos repasses
deste ano, do ano anterior e de parcelamentos que estão em
curso. Mauá não retornou aos contatos.

Procurada pela equipe de reportagem do Diário, a SPMar não
respondeu os questionamento sobre a dívida até o fechamento
desta edição. Porém, em maio, a concessionária havia
reconhecido o problema, justificando tal cenário “em função da
crise econômica porque passa o País – com redução do volume de
tráfego nas rodovias e menor arrecadação de pedágio”.

Considerado importante utensílio de arrecadação a municípios
em período de dificuldades orçamentárias, o ISS sobre pedágio
rendeu no primeiro semestre deste ano ao Grande ABC R$ 13,7
milhões. O montante tem origem em valores recolhidos pela SPMar
e pela Ecovias, responsável pelo Sistema Anchieta-Imigrantes.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here