Drones reforçam o setor de investigação da Polícia Civil

 Os drones, veículos aéreos não tripulados e controlados remotamente, podem realizar inúmeras tarefas, razão pela qual os equipamentos se tornaram comuns entre aparatos militares e de vigilância. Na região, a Polícia Civil de Santo André, Mauá e Ribeirão Pires tem nos aparelhos aliados para reforçar o trabalho de investigação. Em julho do ano passado, a Delegacia Seccional andreense (que abrange os três municípios acima, além de Rio Grande da Serra) adquiriu nove drones, no valor de R$ 6.444 cada, investimento total de R$ 57,9 mil.
Os aparelhos são usados na Dise (Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes), Dicma (Delegacia de Investigação de Crimes contra o Meio Ambiente), CIP (Centro de Inteligência Policial), e nos DPs do Centro (1º), Camilópolis (2º) e Vila Mazzei (6º), em Santo André; na Delegacia Sede e 1º DP (Centro) de Mauá; e na delegacia de Ribeirão Pires.

A norma que regulamenta as operações de drones, da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), completou um ano de vigência no dia 3 de maio. Até abril, 41.338 drones foram cadastrados no País. A estimativa, segundo a Aeronáutica, é a de que operações com esse tipo de tecnologia já sejam utilizadas em pelo menos 36 órgãos de Segurança pública e Defesa Civil brasileiros.

Devido à situação orçamentária limitada da Polícia Civil, que sofre com falta de profissionais e estrutura aquém da considerada ideal, a compra dos drones foi possível graças a recurso do Fisp (Fundo de Incentivo à Segurança Pública), convênio existente entre a SSP (Secretaria da Segurança Pública) e governo federal.

O veículo aéreo é capaz de sobrevoar a altura de até 120 metros e alcança um raio de aproximadamente cinco quilômetros de distância. “Usamos os drones em diversas oportunidades, como crimes ambientais, tráfico de drogas, crimes contra a vida e crimes contra o patrimônio. Todos os colegas me afirmaram que têm feito uso do equipamento e que o auxílio é grande”, fala o delegado titular da Seccional de Santo André, Helio Bresan. “Eles facilitaram nossos serviços no que tange a identificação de área, carros, pessoas, lugares. Nos permitiram instruir inquéritos com fotos que demonstram a existência ou não de irregularidade/crime e em casos onde precisamos entrar com força policial para cumprir”, acrescenta.

Bressan ressalta ainda que há projeto para novos investimentos e que “eles acontecerão ainda neste ano”. “Os planos são elaborados por nós e mandados à análise superior para a liberação dos recursos financeiros. Recursos existem, precisamos mostrar onde e quando pretendemos usá-los, para que sejam muito bem aproveitados”, salienta.

SEM NECESSIDADE
Ao contrário do cenário da Seccional andreense, as delegacias de São Bernardo, São Caetano e Diadema não contam com a tecnologia via drones.

O titular da Seccional de São Bernardo, Aldo Galiano Júnior, diz que não vê nos drones ferramenta de tanta valia. “Não vejo necessidade, porque é preciso voar baixo e é facilmente detectável. Avalio o fator custo-beneficio”, fala.

No entanto, ele ressalta que a adoção de outras tecnologias pode auxiliar na atuação da entidade. “Mas a otimização do setor de inteligência é primordial. Já está otimizada, mas precisa ser ampliada por meio de tablets ou acesso por celulares na rua e uma integração entre as várias unidades”, analisa. “O policial na rua teria acesso imediato ao que ele precisa, tais como placas, antecedentes e endereços de suspeito, possibilitando um início de investigação no próprio local do crime de forma mais célere”, conclui.

O delegado seccional de Diadema, Oswaldo Arcas Filho, preferiu não se pronunciar a respeito do tema. A SSP não retornou aos questionamentos até o fechamento desta edição.

Tecnologia é primordial, avaliam especialistas
Com a criminalidade cada vez mais especializada, o uso de tecnologia pela polícia no trabalho de investigação se torna ainda mais imprescindível para a elucidação dos casos. “O crime deixa rastros e, hoje em dia, os criminosos cada vez mais se utilizam de aparatos, principalmente tecnologia de informação, então, quanto mais bem aparelhada estiver a Polícia Civil, ela vai ter mais condições de rastrear e conseguir elucidar crimes”, pontua o coordenador do Observatório de Segurança Pública da USCS (Universidade Municipal de São Caetano) David Siena.

Na avaliação do especialista, a utilização de veículos aéreos não tripulados tem resultado significativo na produtividade policial. “A Polícia Civil precisa fazer o que a gente chama de campana, que é um monitoramento prévio à intervenção policial, então, o drone é uma ferramenta que pode ser utilizada para levantamento do local, sem que o policial seja percebido pelos criminosos, pode proporcionar maior eficiência para o trabalho.”

Siena ressalta que não faltam tecnologias atualmente no setor de Segurança para a polícia poder investir. O que falta, no entanto, é empenho por parte do Estado. “Temos ferramentas no mercado que podem atender muito bem a polícia, o que falta é vontade política. Esperamos do atual governador (Márcio França, PSB) que mude esse paradigma e comece a investir na polícia Judiciária de São Paulo.”

“Investe- se em carros, armas e coletes ao invés de se investir em inteligência. Somente com inteligência e planejamento você vai conseguir, de fato, ter redução nos índices de criminalidade”, destaca o especialista em gestão e Segurança pública Newton de Oliveira, docente da Mackenzie Rio de Janeiro.

DETECTA
Projeto implantado pelo Estado em 2014, o Detecta auxilia a polícia a recuperar veículos produtos de roubo e prender os criminosos. A iniciativa consiste na instalação de software que realiza cruzamento de informações a partir de câmeras de trânsito com o banco de dados das polícias Militar e Civil. Na região, Santo André, São Caetano e Mauá contam com a tecnologia. São Bernardo e Ribeirão Pires afirmaram estar em tratativas com o Estado.  

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies