EAOSA tem outro ônibus ilegal apreendido no ABC

199

Veículo não tinha autorização de
circunvalar e estava registro em nome de empresa que não opera desde
2010

Crédito: Henrique Cavalcante

A EAOSA – Empresa Auto Ônibus Santo André teve mais um veículo
ilegal mira de determinação de apreensão por segmento da
Secretaria de Transportes Metropolitanos do Estado de São
Paulo. A decisão foi publicada no Diário Solene do Estado
desta quarta-feira, 19 de julho de 2017. O veículo foi flagrado
circulando no último dia 13 de julho.

A companhia pertence a Baltazar José de Sousa que, segundo a
Receita Federalista ED mpf – Ministério Público Federalista, é o maior
devedor individual da União com mais de R$ 1 bilhão em débitos.
A resguardo do empresário nega levante valor, mas admite pendências
tributárias.

A EAOSA, uma das 33 empresas do Grupo BJS (Grupo Baltazar José
de Sousa), opera na chamada Área 5, correspondente ao ABC
Paulista.

A EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos,
responsável pelas concessões de linhas intermunicipais na
região metropolitana, não consegue fazer desde 2006 a licitação
nesta região, que hoje opera com autorizações, muitas firmadas
nos anos de 1980, reúne linhas desatualizadas e tem a maior
idade média da frota de todo o Estado de São Paulo: 8,5 anos.

Foram seis tentativas de licitação. Em cinco delas, os
empresários da região esvaziaram a concorrência, contestando
valores de remuneração e exigências da EMTU. Já na sexta
tentativa, a licitação foi barrada judicialmente pelo
empresário Baltazar José de Sousa, que alegou que a
concorrência prejudicaria a recuperação judicial de suas
empresas.

Em setembro do ano pretérito, a EMTU realizou uma audiência
pública para licitar toda a região metropolitana de São Paulo,
cujos contratos venceram em 2016, incluindo ABC Paulista. A
promessa inicial era de que o torneio seria iniciado entre
janeiro e março, entretanto não há mais uma data confirmada
porque a EMTU alega estar analisando as sugestões recebidas
durante o processo de consulta pública.

O ônibus mira da determinação de apreensão operava pela EAOSA,
mas estava registrado em nome da Viação Januária Ltda, outra
empresa de Baltazar em recuperação judicial, porém que não
opera desde 2010, quando foi retirada do sistema municipal de
Mauá, também no ABC.

Segundo a determinação, o veículo fazia serviço de transporte
coletivo regular de passageiros sem ser autorizado pela
Secretaria dos Transportes Metropolitanos. Apesar da infração
ser deste ano, o ônibus circula ao menos desde 2010. No site
Ônibus Brasil, que reúne fotos de “busólogos”, que são fãs de
ônibus, há imagens de mais de cinco anos com o veículo nas
ruas. Ônibus em ponto final, em Mauá, fotografado em 2012, ao
lado de veículo de outra empresa de Baltazar, que já nem opera
mais

O problema de ônibus clandestinos, não autorizados, piratas ou
não vistoriados por segmento das empresas de Baltazar José de
Sousa é vetusto no ABC Paulista. No último dia 3 de julho, o
Diário do Transporte e a Rádio ABC fizeram uma reportagem
realizando uma viagem em outro ônibus da empresa. Na ocasião,
de contrato com a EMTU, o ônibus não constava no cadastro do
governo e teve apreensão determinada também. Em um ano e meio,
mais de 100 ônibus do empresário foram apreendidos, segundo
ainda a EMTU

EAOSA tem outro ônibus ilegal apreendido no ABC
Avalie esta notícia