Ele preservou Paranapiacaba

0
176

 Prezado leitor, sabe aquela vegetação superabundante da Serra
do Mar no entorno da vila ferroviária de Paranapiacaba? Você
tem teoria de quando aquela floresta atlântica começou a ser
defendida, oficialmente? Memória não tinha essa informação.
Agora temos.

 

A Semana Santo André 2017 retorna um século no tempo e constata
uma ligação direta do presidente do Estado, Altino Arantes, com
a região. Há exatamente 100 anos ontem completados, 3 de abril
de 1917, o presidente Altino (hoje seria governador) baixou
dois decretos beneficiando Paranapiacaba.

1 – Declarava suplente, para o Serviço Florestal do Estado, uma
secção das terras devolutas de Paranapiacaba.

2 – Uma segunda secção das terras devolutas, também de
Paranapiacaba, era incorporada ao Município de São Bernardo,
hoje Santo André.

Ou seja: assumindo as terras e sua vegetação, Estado e
Município garantiam a preservação do meio envolvente, mesmo que
leste termo ainda não fosse utilizado.

Em 1917, Paranapiacaba já havia sido proeminente a província de silêncio.
E porquê secção integrante do Município de São Bernardo,
pertencia, juridicamente, à Comarca da Capital.

No mesmo dia 3 de abril de 1917, Altino Arantes, despachando
com os secretários do Interno, Oscar Rodrigues Alves, e da
Lavradio, Cândido Motta, declarava de utilidade pública, num
terceiro decreto, terras para a formação de um mata em Cotia,
porquê o Grande ABC, hoje integrante da região metropolitana de
São Paulo.

 

ALTINO ARANTES

Na qualidade de presidente do Estado, Altino Arantes (Batatais,
SP, 1876 – São Paulo, SP, 1965) usava porquê marca quatro “gês”
que marcam o período: 1) “g” de guerra, em alusão ao primeiro
conflito mundial que se desenrolava; “g” de greve, das grandes
manifestações proletárias do período em que governou
(1916-1920); “g” de geada, que se abatia, ferindo o cafezal
paulista; e “g” de gripe, a terrível gripe espanhola do ano
básico de 1918, com sequelas nos anos seguintes.

A questão ambiental não aparece, ou aparece modestamente, nas
resenhas sobre o governo Altino Arantes. Mas os três decretos
que ele assinou há 100 anos muito mostram uma preocupação da
época para com o horizonte que é hoje.

 

UM LIVRO

“O Diário Íntimo de Altino Arantes”, livro dos professores
goianos Robson Mendonça Pereira e Sônia Maria de Magalhães
(Paco Editorial, 2015), traz para os dias atuais muito da
trajetória política do biografado.

Escreve o jornalista Ademir Luiz (Jornal Opção): “A obra é, ao
mesmo tempo, um saboroso relato literário do cotidiano de um
varão sofisticado, um revelador retrato da política brasileira
de meados do século 20 e, principalmente, um documento
histórico de valor inestimável.”

E agora que nos deparamos com esses decretos centenários em
resguardo do paisagismo e território de Paranapiacaba, entendemos
que Altino Arantes deve ser mais estudado por nós do Grande
ABC. Um bom começo: buscar os estudos que resultaram nos
decretos de 1917. Foram preservados aqueles estudos? Quem os
elaborou? Que despachos foram dados? Por que Paranapiacaba?

 

SOS Vila Euclides

 

Li, porquê sempre, ”Memória” e a matéria sobre o Cemitério de
Vila Euclides (“Vila Euclides: os ataques voltaram, 30-3-2017).
Semana passada passei secção da noite no sítio, velando uma
pessoa querida. Verifiquei a falta de segurança no sítio.
Preocupante.

Sob o velório estão os sanitários e uma recepção muito escondida,
onde pelo tempo que tive verifiquei um rádio ligado e mais
ninguém. O correto seria a pessoa designada permanecer no lado de
cima nos velórios, exposta.

Não vi naquela noite uma viatura circulando. Preocupante. No
ano pretérito tive o mesmo problema no Cemitério da Paulicéia.
Pior ainda, polícia muito longe do sítio. O que fiz: busquei
recursos de pessoas do ramo para suportar o momento e propor
segurança ao sítio. Senti nos dois locais uma insegurança onde
o rádio ligado substitui o sono do suposto guarda. Sem expor
que o IML com luzes acesas atrai os desinformados e continua os
roubos aos túmulos. Sabemos que é uma constância porquê aconteceu
o ano pretérito com a tradicional família dos Bonicio, roubo ao
túmulo.

José Quáglio Netto, jornalista

 

Diário há 30 anos

Sábado, 4 de abril de 1987 – ano 29, edição 6408

Manchete – Invenção maior bacia de petróleo. Localizada na
Amazônia, é maior que a de Campos, segundo o presidente da
República, José Sarney.

Postos vão terebrar aos domingos e feriados, de conformidade com decreto
assinado por Sarney.

Automobilismo – Montadoras produzem menos e já demitem
(reportagem: Suzete Davi).

Movimento sindical – Metalúrgicos do Grande ABC aceitam
proposta da Fiesp. Será firmado conformidade coletivo.

 

Em 4 de abril de…

1917 – Inaugurado novo serviço de tráfego telegráfico entre São
Paulo e Santos. A transmissão é feita pelos aparelhos da
Western Telegraph Co, que estendeu um volta entre as duas
cidades, cobrindo o território do Grande ABC.

A guerra. Do noticiário do Estadão: o presidente Wilson (EUA)
no Capitólio; o pedido de autorização para a declaração de
guerra à Alemanha.

1927 – Narcizo Scartezzini nasce em Salto (SP). Músico. Veio
jovem para Santo André. Cá criou a orquestra de danças Ritz.

1967 – International Harvester Máquinas, montadora de
caminhões, encerra atividades. Suas instalações de Santo André
eram repassadas à Chrysler do Brasil. O espaço, hoje, é ocupado
pelo Carrefour, entre a Firestone e a Pirelli.

1972 – São Caetano conclui a execução de galeria no Córrego do
Moinho.

1977 – Estado anuncia construção de estação de tratamento de
esgotos na confluência do Rio Tamanduateí com o Ribeirão dos
Meninos.

 

Santos do Dia

Isidoro de Sevilha (560 – 636). Considerado o Pai dos Concílios
e rabino da Igreja da Idade Média.

Casimiro

Pedro de Poitiers

Platão (monge)

 

Municípios Paulistas

Hoje é o aniversário de:

Alfredo Marcondes

Aramina

Cruzália

Itajobi

Jaci

Marília

São José do Rio Pardo

Marília começou a ser formada em 1926 e seu nome inspirado no
poema “Marília de Dirceu”, de Thomaz Antônio Gonzaga. Instalada
porquê município em 4 de abril de 1929, quando se separa de
Cafelândia.

 

Municípios Brasileiros

Celebram seus aniversários em 4 de abril:

Em Sergipe, Aquidabã

Na Paraíba, Coremas

Na Bahia, Dom Macedo Costa

No Rio Grande do Setentrião, Extremoz e Governador Dix-Sept Rosado

No Espírito Santo, Presidente Kennedy

No Rio Grande do Sul, São Gabriel

Nascente: IBGE

Ele preservou Paranapiacaba
Avalie esta notícia
Compartilhar