Em Sto.André, reformas da Saúde custarão R$ 4 mi

176

O projeto de reforma e modernização de unidades de Saúde de
Santo André custará R$ 4 milhões, detalhou ontem o prefeito
Paulo Serra (PSDB) ao Diário. O programa, intitulado
QualiSaúde, resultou no fechamento temporário de sete postos no
mês pretérito.

O director do Executivo negou que o fecho das atividades
das unidades tenha ocorrido sem planejamento e anunciou que,
paralelamente às melhorias nas sete unidades, entregará mais
quatro equipamentos, totalizando 11 postos revitalizados, até o
primeiro semestre de 2018.

Além da reabertura das sete fechadas para reforma, o Paço
incluirá a reinauguração da UPA (Unidade de Pronto Atendimento
24 horas) Bangu – velho PA (Pronto Atendimento), fechado em
dezembro – , da UBS (Unidade Básica de Saúde) do Meio, a
entrega das obras do CER (Meio de Especializado de
Reabilitação) do Campestre, que começaram em 2015, e USF
(Unidade Saúde da Família) dos jardins Cipreste e Irene.

No sábado, o Diário mostrou que a Secretaria de Saúde, chefiada
por Ana Paula Peña Dias, iniciou o processo de fechamento das
sete unidades sem concluir estudos para as obras nem mesmo
realizar licitações para a execução dos serviços. O prefeito
rebateu, salientando que a modernização das unidades não se
resume às intervenções físicas dos prédios. “O QualiSaúde não é
um programa unicamente de obras, mas de qualificação e
modernização dos serviços públicos da Saúde. Não é só reformar
e pintar parede. Se fosse só isso, seria fácil, mas é muito
mais extenso”, explicou Paulo Serra, que mostrou ontem à noite ao
Diário planilha com cronograma de entrega e valores das obras.

O tucano citou, porquê exemplo de que as mudanças no setor já
iniciaram, a licitação para contratação de empresa que fará a
informatização do sistema de prontuários e controle de
medicamentos. “Já estamos em tempo de introdução de propostas (das
empresas) e devemos homologar a concorrência em setembro.
Então, é completamente equivocado examinar o programa com base
somente nas reformas, pois a modernização também inclui
capacitação dos profissionais”, frisou.

SEM OBSTÁCULOS
O fechamento das sete unidades foi meta da oposição na Câmara,
que cogitou introdução de CPI para apurar a decisão. A comissão
foi idealizada pela bancada do PT.

Paulo Serra garantiu não possuir indisposição por secção do Paço
para que Ana Paula fosse convidada a esclarecer o programa aos
parlamentares. “Ela está à disposição para falar”,
assegurou. 

Em Sto.André, reformas da Saúde custarão R$ 4 mi
Avalie esta notícia