Enfim, Santo André conquista o acesso para a elite paulista

Enfim, Santo André conquista o acesso para a elite paulista
Avalie esta notícia

Só os mais de 14 mil andreenses que estavam no antigo Parque
Antártica – hoje Arena Palmeiras –, em São Paulo, na
terça-feira, dia 1º de dezembro de 1981, podem explicar a
emoção de ver o Santo André classificado pela primeira vez à
elite do futebol paulista. Neste dia, o clube derrotou o XV de
Piracicaba no terceiro jogo da final da Segunda Divisão, por 3
a 1, e assegurou o acesso.

O estádio recebeu 16.225 pagantes, mas pela proximidade do
Grande ABC, a maioria vestiu azul e branco. Todos ávidos pelo
acesso, perseguido desde a fundação. Era o desejo dos
dirigentes: pôr o Santo André entre os grandes do Estado.

O time tinha o inesquecível goleiro Tonho, sólido sistema
defensivo com Zé Carlos, Tutu, Rubão e Dodô, a genialidade de
Arnaldinho, que era protegido pelos incansáveis Soni e Piorra,
além do trio ofensivo com Paulo Borges, Da Silva e Lance.

Houve empate por 1 a 1 nos dois primeiros jogos da decisão, o
que aumentou a adrenalina para o derradeiro duelo. Quem não
pôde ir ao estádio se reuniu no Largo da Estátua, no Centro de
Santo André. A euforia tomava conta da cidade. Fatos curiosos
só vieram à tona depois. Lance, uma das estrelas do time, atuou
no sacrifício, com muitas dores no pé direito. Ninguém queria
ficar de fora do jogo histórico.

O Santo André abriu o placar com Paulo Borges no primeiro tempo
e ampliou com Rubão, de falta, no início da etapa final. Radar
fez o terceiro, enquanto Vadinho descontou para o XV. A torcida
já ecoava o “Tá chegando a hora…” quando o apito final de
Oscar Scolfaro deu início à festa gigantesca na arquibancada e
dentro de campo. Torcedores se misturaram a jogadores,
tremulando bandeiras. O tão sonhado acesso havia se tornado
realidade.

A conquista consolidou o apelido de Ramalhão e o chargista
Juarez Correa, do Diário, a pedido do editor de Esportes
Donizeti Raddi e do proprietário do jornal Fausto Polesi – que
mais tarde seria presidente do clube – criou a mascote (em
destaque), inspirada na estátua de João Ramalho que ocupa lugar
no Paço.

Seleção Brasileira cruza o caminho

Ao longo de seus 50 anos de história, adversários não faltaram
para medir forças com o Santo André. Em 1984, o Ramalhão
enfrentou nada menos que a Seleção Brasileira que disputou os
Jogos Olímpicos em Los Angeles, no mesmo ano.

Não bastasse a honra de servir de teste para a Seleção medalha
de prata em Los Angeles, o Ramalhão ainda provou ser uma parada
dura, empatando em 3 a 3 no Estádio do Morumbi.

Além do reconhecimento pelo bom desempenho da equipe, outro
motivo para a escolha do Santo André como adversário foi o
treinador da Seleção, Jair Picerni, que havia deixado
justamente a equipe do Grande ABC, após 21 meses, para dividir
as funções de treinador entre o Corinthians e a Seleção
Brasileira Olímpica.

JOGOS INTERNACIONAIS
Primeiro de maio de 1968. Antes mesmo de completar um ano de
idade, o Santo André já teve seu primeiro compromisso
internacional, jogando contra a seleção do Congo. O Ramalhão
venceu por 1 a 0.

Em 1976, foi a vez da seleção da Bulgária visitar o Estádio
Bruno José Daniel para disputar um amistoso, que terminou em
empate sem gols.
No mesmo ano, o Independiente, da Argentina, veio a Santo André
e voltou para casa com gosto amargo: vitória do Ramalhão por 4
a 0.

Na Copa Libertadores de 2005, o sorteio colocou o Santo André
na briga com o Cerro Porteño, do Paraguai, e o Deportivo
Táchira, da Venezuela, além do Palmeiras.

Jogando em casa, o time ficou invicto: 6 a 0 nos venezuelanos e
2 a 2 contra o Cerro. Fora do País, foram duas derrotas por 1 a
0.

Ramalhão surpreende Grêmio na estreia pelo
Brasileirão

O Santo André disputou a Primeira Divisão do Brasileiro em
apenas duas oportunidades. A primeira delas foi em 1984, e a
estreia não poderia ter sido melhor. O Ramalhão caiu no grupo
de Grêmio, Coritiba, Náutico e Catuense-BA. O primeiro jogo foi
em casa, logo contra o Tricolor gaúcho, campeão mundial em
1983.

Na época, o então jogador Renato Gaúcho teria declarado que
apenas uma equipe “de outro mundo” poderia parar o Grêmio. No
fim o Ramalhão surpreendeu os campeões mundiais ao vencer por 1
a 0.

A campanha do Santo André seguiu brilhante. O time avançou em
primeiro lugar no grupo. Na segunda fase, outra classificação,
desta vez em chave com Atlético-PR, Operário-MS e ABC-RN.

Na terceira fase, a vaga escapou aos 42 do segundo tempo do
jogo final, quando o Santo André empatou com o Fluminense, foi
eliminado e acabou o Brasileiro em décimo lugar.

O Ramalhão voltou a disputar a elite nacional em 2009, após ser
vice da Série B em 2008, mas acabou rebaixado ao ficar em 18º
lugar. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here