Etec de Santo André é premiada na Febrace

Projeto conquistou o terceiro lugar na Categoria Ciências Exatas e da Terra
Crédito: divulgação
A Escola Técnica Estadual (Etec) Júlio de Mesquita, de Santo André, ganhou dois prêmios na última sexta-feira, na 16º edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), com o trabalho Biopolímero a partir da farinha de arroz e sua aplicação como revestimento protetor de frutos. O projeto é de autoria das estudantes Letícia do Carmo Melo, Eyshila Bitencourt Lucio e Ariane Oliveira Rodrigues, orientadas pelas professoras Magali Canhamero e Fatima Chagas Silva.Ao todo, sete Etecs receberam 18 prêmios oficiais e paralelos. A Etec Trajano Camargo, de Limeira, ganhou o primeiro lugar na Categoria Engenharia. Com isso, os estudantes envolvidos no trabalho vão para os Estados Unidos representar o Brasil na Feira Internacional de Ciências e Engenharia (Intel ISEF). O projeto Recuperação de níquel e cobre do lodo das indústrias de joias para a produção de sais e estudo das aplicações foi a estrela da premiação, levando, além do credenciamento para a ISEF, os prêmios Professor Destaque para a docente Gislaine Delbianco; da Associação dos Engenheiros Politécnicos da USP; Destaque Unidades da Federação; Fetec MS (credenciamento para feira e capacitação para professor – Gislaine Delbianco); e o 3º lugar do Destaque SBPC. A Etec de Monte Mor ficou em primeiro lugar na votação popular da Febrace com o trabalho Película impermeabilizadora a base de materiais de difícil reutilização.A Etec Prof. Carmelino Corrêa Junior, de Franca, ganhou três reconhecimentos pelo projeto Cimento ósseo a partir da reciclagem de resíduos das indústrias coureira e pesqueira. Heliópolis, na Capital, foi agraciada duas vezes por Biofibra: telha ecológica de fibra de coco;  Bento Quirino, de Campinas, foi premiada com Robô hexápode de resgate; e Cônego José Bento, de Jacareí, com Produção de biofertilizante e análises cromatográficas do solo.“Devemos muito às capacitações do Centro Paula Souza, que há muito tempo nos voltam para a pedagogia de projetos e nos incentivam a fazer coisas fora da caixinha”, afirma a professora Gislaine Delbianco, da Etec de Limeira. “Com isso, nossos alunos chegam sabendo que terão essa oportunidade de criar projetos, participar de feiras, concorrer a prêmios e realizar sonhos.”A Febrace é organizada anualmente pelo Laboratório de Sistemas Integráveis da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) e reuniu neste ano 300 trabalhos de estudantes de todo o Brasil ao longo de três dias. A solenidade de premiação ocorreu na tarde desta sexta-feira, 16, no Anfiteatro do Centro de Difusão Internacional (CDI), na Cidade Universitária, na Capital. Os vencedores da mostra recebem credenciais para outras feiras nacionais e internacionais e apoio para continuar desenvolvendo suas pesquisas.

Aguardando palavras...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais