Firma de reparos mira material de construção

0
188

Criada para executar reformas e reparos residenciais, a término de
suprir premência pessoal na procura por profissionais
comprometidos, a Profissional do Lar nasceu em 2015 na Vila
Alzira, em Santo André. De lá para cá, desviou o caminho
inicialmente projetado e abriu seu leque de atuação para
prestar serviço também a empresas. Mal o ano começou, selou
contrato com gigante varejista do ramo de materiais de
construção, setor que vê potencial significativo. Com isso, a
expectativa é flectir seu faturamento e terminar 2017 com zero
de R$ 10 milhões, além de contratar 200 profissionais.

Dentre os serviços oferecidos estão desde a troca de lustre, o
ajuste em vitrine e a montagem de um móvel, até a reforma
efetiva. “Começamos a entrar em contato com empresas e lojas
para fechar contrato de manutenção”, conta Luciano Lugli, 35
anos, sócio da Profissional do Lar com Laércio Aro, 50. Hoje,
esse tipo de trabalho é responsável por 25% da receita da
firma.

“Temos três grandes contratos em curso neste ano, o que nos
permite projetar significativo desenvolvimento”, diz o empresário. Em
2015, a Profissional do Lar faturou R$ 2,5 milhões, zero que
dobrou no ano pretérito, para R$ 5 milhões – assim porquê o quadro
de funcionários, que passou de 15 para os 40 atuais (subida de
166%).

Há dois anos, 70% do faturamento provinha de serviços
residenciais e 30%, empresariais – fatia que saltou para 60% do
totalidade no ano pretérito. Em 2017, o objetivo é que as pessoas
jurídicas respondam por 70% e, físicas, 30%.

Dentre os clientes, destacam-se Adcos, Siberian, L’Occitane,
Mundo Virente, Banco do Brasil, Lopes e Grupo Avenida, sem racontar
a realização de manutenção em shoppings e condomínios
residenciais. As demandas, neste caso, variam de limpeza de
ar-condicionado, troca de porta e restauro do revestimento ou do
gesso.

“Fizemos um planejamento de três anos antes de furar o negócio,
e estamos apostando em um nicho de parceria com lojas de
material de construção que está dando evidente. Se conseguirmos
crescer durante a crise, quando houver a retomada da economia
conseguiremos crescer ainda mais”, aposta Lugli.

EMPREGO – A Profissional do Lar possui 30
empregados que executam os serviços, e outros dez que cuidam da
segmento administrativa e do atendimento. No entanto, ao selar
contrato de dois anos com companhia do ramo de materiais de
construção, de quem nome ainda não pode ser revelado, a
expectativa de geração de ocupação é mais 200 profissionais até
o término do ano. O objetivo é que eles atuem nas nove lojas da
rede parceira localizadas na Grande São Paulo. Portanto, quem
comprar itens de banheiro, por exemplo, da varejista, terão a
montagem feita pelos funcionários da empresa andreense. “Até
dezembro queremos atender mais de 50 lojas da rede. Se isso
suceder, possuirá muito mais oportunidades de ocupação”,
assinala.

Para se inscrever no processo seletivo basta entrar no site
www.especialistadolar.com.br e clicar em ‘trabalhe conosco’.

A teoria do negócio surgiu de premência pessoal, a partir da
dificuldade para fazer a reforma de um imóvel próprio,
principalmente por conta da falta de comprometimento, ponto
crucial para a satisfação do trabalho. “Geralmente, esse tipo
de serviço é terceirizado, e o profissional contratado não é
divulgado pela companhia, portanto, ele não segue padrão de
atendimento. Quando o consumidor reclama, inclusive, não sabe
para quem deve fazer isso, se para a empresa da qual comprou o
resultado, para o funcionário que executou o serviço, ou para a
firma da qual ele é funcionário. Isso ocorre com frequência
nesse mercado, e é o que queremos evitar.”

De convenção com Lugli, ele não treina seus colaboradores para
estreitar parafuso. “Para entrar nas casas das pessoas é preciso
ter postura e simbolizar a empresa. Nos preocupamos tanto com
isso que enviamos pesquisa de satisfação após a realização do
serviço. E isso se reflete no salário, pois remuneramos valor
suplementar a cada trimestre conforme a produtividade e a
qualidade do trabalho”, explica.

Segundo ele, a estratégia permite lucrar até um contracheque
suplementar a cada três meses – que varia de R$ 1.240 para
prestador de serviço universal a R$ 3.500 para eletricista.

CAMINHO DAS PEDRAS – Donos da Profissional do
Lar, Luciano Lugli e Laércio Aro atuavam na área de análise de
sistemas. Aro chegou a ser diretor de Lugli. Com experiência
também no gerenciamento de projetos, Lugli teve um negócio
próprio antes, um cybercafé, que vendeu em 2010. “Com uma loja
eu não vislumbrava a possibilidade de crescer e expandir os
negócios, por isso vendi. E fui estudar para empreender”,
conta.

Em 2014, ele começou a riscar projeto do Grupo e-lar (fundado
em 2015), que reúne a EPPM (Enterprise Projects Process
Management), empresa de consultoria estratégica de implantação
de projetos e processos, e a Profissional do Lar. “Para começar
usamos capital próprio e apostamos em estrutura enxuta. Depois
fizemos investimento em ERP (sistema de gestão empresarial),
sites, aplicativos e assessoria de prelo. Quem quer crescer,
mesmo na crise, precisa investir.”

Meta é lançar 20 franquias até dezembro

Em virtude da parceria com a grande rede varejista de materiais
de construção, a marca procura por franqueados em Santo André e
Diadema, além de Alphaville, Barueri, Ribeirão Preto e São José
dos Campos.

A meta é ter 20 franquias até o término de 2017. Em abril, uma será
oportunidade em São Caetano. E existem negociações avançadas para
unidades em Brasília e no Rio de Janeiro. Para 2018, o projecto é
levar a marca Profissional do Lar para fora do País, começando
pelo bairro de Palermo, em Buenos Aires, na Argentina. Panamá
também está nos planos.

O sócio Luciano Lugli diz que analisa com cautela o perfil dos
interessados, já que o objetivo é manter o padrão de
atendimento e não desabar justamente no que condenou quando
decidiu furar o negócio, que é a falta de comprometimento e
qualidade no serviço executado.

A empresa utiliza ferramentas de geomarketing para conceder as
franquias, com isso, é permitido uma unidade a cada 300 milénio
habitantes. “Oferecemos a sugestão da melhor esquina para o
negócio, onde se tem maior potencial da oferta dos serviços de
obra, manutenção e limpeza”, conta o empreendedor.

A promessa da Profissional do Lar é de faturamento mensal na
vivenda de R$ 60 milénio, contando com cinco funcionários e retorno do
investimento entre 12 e 18 meses. A taxa de royalties é de 8%
e, de marketing, 5%. Portanto, 13% da receita vai para a
manutenção dos direitos de uso da marca.

A franquia custa R$ 120 milénio, sendo que, do montante, R$ 40 milénio
são usados para sinceridade do escritório e composição do layout,
que pode ser instalado em espaço de 30 metros quadrados. 

Firma de reparos mira material de construção
Avalie esta notícia
Compartilhar