Fundo de Solidariedade de Santo André é reaberto com expectativa de expansão

C19c41d66a11e039b47886db3d17d96d.jpeg

 Depois cinco anos, o Fundo Social de Solidariedade andreense voltou à ativa. Em cerimônia realizada ontem na Craisa (Companhia Regional de Provisão Integrado de Santo André), a Prefeitura de Santo André, por meio do Núcleo de Inovação Social, apresentou a novidade sede do equipamento. A expectativa é a de que o programa de capacitação, que atende em média 90 pessoas em seis cursos, possa ser ampliado.

“O intuito é a capacitação profissional para quem mais precisa de formação, serviço, e que consequentemente precisa gerar renda”, discursou a primeira-dama do município e presidente do Núcleo de Inovação Social, Ana Carolina Barreto Serra. Segundo ela, o programa é realizado em parceria com o governo do Estado. “Tanto em número de cursos quanto de pessoas atendidas (pretendemos ampliar), mas para isso, precisaremos de ainda mais espaço”, complementa. 

A expectativa inicial de reinauguração do equipamento era agosto. Porém, conforme Ana Carolina, a burocracia causada pela prospecção de locais possíveis para receberem o programa, porquê as unidades do Cras (Núcleo de Referência de Assistência Social) Alzira Franco e a situada no Núcleo da cidade, aliadas à exigência dos técnicos estaduais acabaram adiando a reabertura.

As atividades do Fundo Social de Solidariedade foram interrompidas na cidade em 2012, quando a portanto primeira-dama Denise Ravin deixou o posto de presidente do Núcleo de Inovação Social, posteriormente o seu marido, o ex-prefeito Aidan Ravin (PSB), perder o pleito municipal para Carlos Grana (PT). Entre os anos de 2013 e 2016, a portanto primeira-dama Fátima Grana atuou porquê secretária de Inclusão e Assistência social. 

MODALIDADES
De convénio com a primeira-dama andreense, a preferência das vagas para capacitação é para quem possui cadastro no Cras e, caso todas as chances não forem preenchidas, o restante das oportunidades é sincero ao público em universal. Dentre os cursos que serão oferecidos no lugar estão o de panificação artesanal, no qual o aluno acaba aprendendo a confeccionar pães, salgados e doces, além de assistente de cabeleireiro, maquiagem, golpe e costura, assistente de pedreiro, além da horto educativa, que visa levar a cultura de plantação de mudas até escolas do Ensino Fundamental. “Entregar o fundo faz secção do processo de recuperação da nossa cidade”, considera o prefeito Paulo Serra (PSDB). 

Aguardando palavras...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais