Ovários policísticos – Passo a passo sobre tratamentos, causas e sintomas

Avalie esta notícia

Ovários policísticos é um distúrbio endócrino mais publicado uma vez que a Síndrome do Ovário Policístico. Esse distúrbio tem uma vez que principal propriedade a razão de alterações nos níveis hormonais, o que leva à formação de cisto nos ovários e ao aumento deles.É um problema não muito generalidade, mas que atinge milhares de mulheres ao volta do mundo. Para te ajudar a entender um pouco mais sobre a síndrome, a seguir falaremos sobre sua razão, principais sintomas e o tratamento mais recomendado.Qual é a razão da Síndrome Ovários policísticos?Esse distúrbio geralmente é caracterizado por uma mênstruo irregular, pela subida produção do hormônio masculino no organização e também pela presença de micro cistos nos ovários. Ou seja, se você possui essas características, é quase certeza de que possui a síndrome.A razão real do distúrbio ainda não foi encontrada, mas a hipótese é que ela seja de origem genética. Alguns estudos mostram que talvez haja uma relação entre o distúrbio e a resistência à insulina no organização, que possivelmente geraria um aumento do hormônio dando origem ao desequilíbrio hormonal. Até 20% das mulheres em um período fértil podem ser atingidas pela doença.Ovários policísticos – Quais os sintomas da SíndromeA síndrome possui alguns sintomas, sendo que o principal deles é a falta crônica da ovulação. Juntamente com isso, há outros sintomas que podem ajudar você a identificar o problema, uma vez que acne, obesidade, atrasos na mênstruo e até mesmo o aumento de pelos no rosto, no abdômen e nos seios.Quando o caso é mais grave, a paciente pode até desenvolver diabetes e permanecer mais propensa ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares, infertilidade e cancro do endométrio. O diagnóstico da doença é feito por meio de exames clínicos, laboratoriais e também pelo ultrassom ginecológico.Qual é o tratamento para a Síndrome?Há várias opções de tratamentos para a síndrome e a escolha do tipo evidente irá depender dos sintomas que a paciente sente. Para definir o melhor tratamento a paciente deve conversar com seu médico, e os dois devem calcular a situação.Se a mulher não quiser engravidar, uma das melhores opções de tratamento são os anticoncepcionais orais. A pílula irá ajudar a controlar os sintomas da síndrome, irá diminuir a irregularidade dos ciclos menstruais, além de também diminuir o surgimento dos cistos. Entretanto, se a mulher não puder tomar a pílula ou não quiser, há outras opções.Por exemplo, a cirurgia pode ser uma boa solução, mas ela tem sido feita cada vez menos devido à eficiência do tratamento com as pílulas. Se a síndrome estiver relacionada com a resistência à insulina, o melhor tratamento é usar medicamentos para diabetes. Se a mulher desejar engravidar em alguma idade de sua vida, o tratamento mais indicado é a indução da ovulação.Porquê conviver com a síndrome?O tratamento da síndrome deve ser feito de conformidade com a urgência da mulher, mas também deve combinar uma alimento saudável e a prática de atividades físicas regulares. Isso é fundamental para que a mulher consiga conviver muito com a síndrome e manter sua saúde. Curtiu as dicas? Veja mais dicas interessantes na página inicial do Passo a passo.