Parque Escola ganha novos espaços pedagógicos

Sala das Aves e da Árvore, Sala das Abelhas e Lar dos Anfíbios vão proporcionar aos estudantes contato com a parte prática
Crédito: Alex Cavanha/PSA
A Escola de Educação Ambiental Parque Tangará – Parque Escola, no bairro Valparaíso, ganhou nesta quinta-feira (10), três novos espaços pedagógicos para visitação de estudantes. A cerimônia de entrega oficial da Sala das Aves, que é conjugada à Sala da Árvore, a Sala das Abelhas e o Lar dos Anfíbios contou com a presença do prefeito Paulo Serra e da primeira-dama Ana Carolina Barreto Serra.“O dia de hoje é muito importante, pois marca a retomada de mais um símbolo da nossa cidade, de mais uma referência que é o Parque Escola e que, assim como ocorreu na Sabina, estava abandonado”, destacou o prefeito, que adiantou o plano de, em breve, entregar nova iluminação para trazer mais segurança ao local.Segundo a coordenadora de projetos educacionais do Parque Escola, Sílvia Morisco, todos esses espaços foram criados para proporcionar às crianças uma experiência diferente da vivenciada em sala de aula. “Na classe, o professor consegue passar toda a teoria para as crianças, mas quando chegam aqui, os alunos podem ter contato com a prática, fazer associações e aprender de forma lúdica. Isso faz toda a diferença no aprendizado”, destacou.De acordo com a bióloga Ariane Marcelino, devido à forma como as informações são apresentadas em ilustrações, fotos e objetos, muitas vezes as crianças já vão descobrindo as informações por associação, antes mesmo de o monitor começar a falar. Na Sala das Aves, por exemplo, o que mais surpreende as crianças são os ovos. “Aqui temos os quatro maiores ovos do mundo, que são do emu, da ema, do avestruz e do casuar, a ave mais perigosa do mundo. E elas ficam muito impressionadas com a diferença de tamanho, por exemplo, em comparação aos ovos da galinha”, contou.Na Sala das Abelhas, a atenção das crianças fica concentrada na televisão, que transmite ao vivo a movimentação das abelhas dentro de uma colméia localizada dentro da sala. As moradoras da colméia, que são de uma espécie nativa sem ferrão, a mandaçaia, entram e saem desta colméia por meio de um orifício na parede.Já o Lar dos Anfíbios fica ao ar livre. Segundo Sílvia Morisco, o espaço foi pensado para facilitar a explicação dos monitores e professores sobre como vivem e se reproduzem os anfíbios. Por isso o espaço tem um pequeno lago e muitas bromélias que retém água, necessária para a respiração dos sapos. “Eles precisam estar com a pele úmida”, explicou a bióloga Ariane Marcelino.Os novos espaços podem ser visitados por crianças de 4 a 10 anos da rede municipal de ensino de Santo André. A visita, no entanto, precisa ser agendada antecipadamente. Os professores podem direcionar suas visitas para uma só sala, ou fazer todo o circuito.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies