Paulo Serra congela o pagamento de dívidas por 90 dias

0
171

O prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), anunciou dois
decretos que visam a recuperação orçamentária da cidade. O
primeiro deles é trinchar gastos com funcionários comissionados.
O segundo é o frigoríficação das dívidas da Prefeitura com
prestadores de serviços gerais pelos próximos 90 dias de
gestão.

No golpe de servidores, além dos comissionados, as funções
gratificadas serão afetadas. Segundo o prefeito, todos os
comissionados diretos já foram demitidos, com exceção de 14
pessoas, por estarem de licença.

A proposta da gestão de Paulo Serra é reduzir o valor gasto com
os cargos de confiança em 40%. Também há projeção de economia
de 30% com a diminuição de gratificados. A previsão é que a
folha salarial com apadrinhados seja enxugada em R$ 1,1 milhão
ao mês – passando de R$ 2,7 milhões para R$ 1,6 milhão. Ao término
de 2017, a expectativa de economia será de murado de R$ 13
milhões. Para os gratificados, nas contas da Prefeitura, a
economia com a medida de austeridade será de R$ 1,5 milhão por
mês, retendo, ao término do ano, murado de R$ 18 milhões.

“Nós tínhamos, inicialmente, proposto a redução de 40% do
número de comissionados, mas porquê a gente está buscando a
economia, preferimos reduzir o valor que é gasto”, afirmou
Paulo Serra, adiantando que diversos cargos apadrinhados não
serão repostos.

De concordância com o governo tucano, a administração de Carlos Grana
(PT) deixou R$ 308 milhões em sobras a remunerar, para um caixa de
R$ 380 milénio, mais R$ 139 milhões em fundos de suplente. “A cidade
de Santo André se encontra, do ponto de vista orçamentário,
falida e requer medidas duras, inovadoras e inéditas, para a
gente contornar esta situação”, projetou o prefeito.

O frigoríficação da quitação dos sobras a remunerar de R$ 308 milhões
vale para todos os serviços prestados até o dia 31 de dezembro
de 2016 – não serão depositados aos fornecedores até o término de
março. Nesse período, uma comissão irá examinar as dívidas e
porquê responsabilidadeão ser pagas, em quantas parcelas, além de examinar a
possibilidade de renegociação do valor.

Os serviços executados a partir de 1º de janeiro serão
honrados, de concordância com Paulo Serra. “Em fevereiro, nós já
queremos remunerar as contas de janeiro”, disse o prefeito. “A
partir de fevereiro, nós já queremos fazer a cidade funcionar.”

A dívida pode aumentar, já que os valores dos contratos de
prestação de serviço ainda estão sendo analisados, conforme
informações da Prefeitura. As secretarias de Saúde e Educação,
de concordância com o prefeito, serão áreas menos afetadas, pois não
estão inchadas e têm bastante demanda. 

Paulo Serra congela o pagamento de dívidas por 90 dias
Avalie esta notícia