Por reajuste, Sindserv convoca paralisação hoje em Santo André

3fda969615ea09865f63d05884a05fd6.jpeg

Sem consenso em torno de índice de aumento salarial do funcionalismo, o Sindserv (Sindicato dos Servidores Públicos) convocou para hoje paralisação da categoria em série de departamentos da Prefeitura de Santo André, chefiada por Paulo Serra (PSDB), com sinalização de que o setor da Educação deve ter a principal adesão. Marcou ainda grande ato no vão do Paço, a partir das 17h, com a proposta de sair em passeata para reivindicar valorização dos salários e pagamento do retroativo acertado no ano passado.
Foram cinco rodadas de negociação entre as partes. A falta de acordo, principalmente quanto à campanha de reajuste, gerou esse impasse. “Não dá para quantificar a dimensão neste momento, mas em alguns setores a adesão será grande. Os profissionais da Educação, professores, creche, por exemplo. Algumas unidades devem ter adesão de 100%, outros, 30%, 20%”, afirmou o representante legal do sindicato, Durval Ludovico Silva. Há indicações de mobilização também em unidades de Saúde, Paço, Sosp (Secretaria de Obras e Serviços Públicos), Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) e Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André).

A proposta oferecida pela gestão tucana ficou em 3%, sendo 2,68% correspondentes à inflação do período, mais o percentual de 0,32% a título de reposição salarial. A Prefeitura avaliou que “as conversas prosperaram para um entendimento”. “A reunião agendada para o dia 24 (ontem) ocorreu e no entendimento da administração seria para finalizar as negociações com a assinatura da minuta do projeto de lei. Porém, fomos surpreendidos com o ofício protocolado pelo Sindserv na quarta-feira, informando sobre a paralisação desta sexta-feira (hoje), não respeitando o prazo legal de 72 horas de antecedência”. A categoria sustenta que enviou o ofício à Prefeitura na terça-feira.
Na reunião de ontem, no Paço, com a participação dos secretários Fernando Gomes (PSDB, de Administração) e Leandro Petrin (Gestão Financeira), o sindicato informou sobre a rejeição da oferta do governo em assembleia e apresentou uma nova proposta de R$ 100 de aumento incorporado ao salário para todos os servidores, valor este que inclui o percentual de inflação do período – de 2,68% –, mais o acréscimo retroativo.
“As decisões da atual administração são sempre pautadas pelo planejamento e uso responsável do dinheiro público. A Prefeitura vai avaliar o impacto da proposta e responderá ao sindicato assim que finalizar a projeção”, citou o governo. “Reforçamos que o sindicato não seguiu prazos legais para legitimar o direito constitucional de greve, portanto, a Prefeitura seguirá a lei.”
EXPEDIENTE
A Secretaria de Educação reforçou que não ordenou o fechamento das unidades escolares em razão da paralisação proposta pelo sindicato, ficando mantidas as atividades nas escolas municipais. 

Aguardando palavras...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais