PT tem de modificar sua organização interna, diz Siraque

0
103

Fora dos holofotes depois da itinerário no pleito de 2014, o
ex-deputado federalista e ex-prefeiturável Vanderlei Siraque (PT),
que tem reduto eleitoral em Santo André, defendeu que o
partido, com raízes no Grande ABC e diante do poderoso desgaste
institucional que respingou em diversas lideranças políticas do
petismo, necessita realizar de forma transparente mudanças em
sua estrutura e de posicionamento, iniciando-se assim processo
de reestruturação da legenda, criada em 1980 e que teve seu
ápice no começo dos anos 2000. “O PT precisa provar para a
sua militância e para a sociedade uma vez que um todo que fará
modificações em sua organização interna.”

Na lista de alterações, Siraque sugeriu “controle das ações de
seus dirigentes, governos e parlamentares para evitar desvios
de conduta e dos princípios do PT”. Três vezes deputado
estadual e parlamentar federalista na legislatura 2011-2014, o
petista indicou ainda o “estabelecimento de mecanismos de
compliance”, termo usado no meio corporativo, sobretudo em
instituições bancárias, que significa estar em risca com normas
e testificar que todos filiados estejam cumprindo à risca regras
impostas pelos órgãos de regulamentação. Jurista, ele foi
bancário do extinto Banespa e assessorou o Sindicato dos
Bancários do ABC.

Siraque foi pouco utilizado na campanha de reeleição do atual
prefeito Carlos Grana (PT), derrotado nas urnas para o
ex-vereador Paulo Serra (PSDB), ficando fora da maioria das
atividades de rua do então candidato governista. A sua mulher,
Bete Siraque, por outro lado, foi reeleita para segundo procuração
na Câmara, obtendo 3.456 votos. Com o cenário pós-revés
eleitoral, cogita-se que quadro ligado ao ex-deputado, a
exemplo da própria vereadora, possa lançar-se uma vez que postulante à
presidência da no PED (Processo de Eleição Direta),
antecipado para março. “Neste momento não tenho pretensões de
disputar a direção do PT, porque estou me dedicando à vida
acadêmica.”

O deputado estadual Luiz Turco está no segundo procuração à frente
do diretório petista em Santo André, sem condições de
reeleição, e já coloca uma vez que escopo entrar na discussão macro de
reestruturação – ele fez secção da executiva vernáculo no
pretérito. Existem conversas para que o ex-secretário de Obras
Carlos Sanches, o Carlão, possa ser o quadro indicado pelo
grupo majoritário. Há resistência, principalmente da maior
secção da bancada de parlamentares – o PT manteve cinco cadeiras
no Legislativo. Outros nomes, no entanto, aparecem, nos
bastidores, para contrapor a candidatura. A teoria seria
emplacar quadro que representasse renovação. Isso porque
surgiram série de críticas quanto à condução da empreitada de
Grana no município. O atual prefeito não descarta internamente
colocar-se à disposição na disputa em procura de eventual
consenso. 

PT tem de modificar sua organização interna, diz Siraque
Avalie esta notícia