Região passa a integrar grupo de estudos sobre meteoros

Já olhou para o céu e se perguntou como tudo começou? A nova estação de captura de imagens de meteoros instalada no Planetário e Cinedome de Santo André, localizado na Sabina Escola Parque do Conhecimento, ajuda a responder a essa pergunta. O equipamento, inédito na região, detectou que cerca de 20 objetos passam pelo céu da região por semana.
A estação da Sabina passa a integrar as mais de 120 espalhadas pelo País que aderiram ao Bramon (Brazilian Meteore Observation Network), organização sem fins lucrativos que desenvolve e opera rede de monitoramento de meteoros, com o objetivo de produzir e fornecer dados científicos à comunidade.

As imagens, captadas por câmera de vigilância adaptada, são enviadas para a Bramon e cruzadas com as imagens detectadas em outras estações do País, principalmente as de Rio Claro e Campinas, que têm câmeras que fazem triangulação com Santo André. Nessa região, a incidência é de três a cinco meteoros por hora. São 19 estações no Estado.
Com a parceria, o Grande ABC se insere na pesquisa de campo na área de astronomia, podendo impactar até mesmo o turismo. “É a porta de entrada para que a região seja mais relevante na produção de ciência de ponta no País”, afirma o coordenador técnico do Planetário Luiz Claudio Pereira Silva.
Com os dados coletados semanalmente, é possível avançar nos conhecimentos sobre a história de formação do nosso sistema solar, como os elementos se agregaram para formar os asteróides, planetas e luas, e como esses corpos vêm evoluindo. “Com esses objetos é possível determinar uma séries de fatores que nos ajudam a determinar de que maneira esses materiais (rochas, metais etc..) estavam organizados no início da formação do sistema (solar)”, explica Silva.

Aguardando palavras...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais