Riscos Elétricos NEXANS e Abracopel Realizam Roadshow
5 99.38% 32 voto[s]

Riscos Elétricos e a utilizar e fazer o uso da eletricidade você tem que ter vários tipos de cuidados que não só são exigidos por norma, mas por que uma vez que se deixa passar ou quando se negligencia esses devidos procedimentos de certa forma obrigatório de segurança para a sua saúde e da sua família esta origem de energia pode provocar não só danos patrimoniais, como também ser fatal ou causar lesões irrecuperáveis.

Riscos Elétricos

Em outras palavras pode te levar a MORTE ou um ente querido seu a MORTE!

Normalmente a principal causa da maioria dos acidentes que envolvem energia elétrica está diretamente relacionada a falta de informação, ou até a imprudência, de quem trabalha e também de quem utiliza recursos elétricos.

Causas de Acidentes Elétricos

Desconhecimento ou falta de formação para lidar com os riscos elétricos;
Aparelhos e instalações em condições deficientes;
Subestimação dos riscos.

Regras Técnicas das Instalações Elétricas de Baixa Tensão

As Regras Técnicas das Instalações Elétricas de Baixa Tensão (RTIEBT), estabelecidas pela Portaria nº 949-A/2006, definem as normas pelas quais o estabelecimento e a exploração das instalações elétricas, assim como a utilização de energia, devem ser regidas.

Estas regras visam garantir a segurança de todos os utilizadores mas também assegurar que há condições para que as atividades econômicas se desenvolvam, reduzindo ao máximo os danos materiais.
 



Principais Perigos Elétricos

Os principais perigos elétricos resultam do contacto entre pessoas com a corrente elétrica. Estes podem acontecer de forma direta, ou indireta, sendo que as consequências do contacto com a energia elétrica podem resultar em queimaduras graves e mesmo morte.

Contato Direto: Acontece quando um indivíduo entra em contacto com uma parte ativa de um circuito que está sob tensão. É o tipo de contacto que acontece quando alguém toca num elemento condutor de um circuito. Ex: Quando ao furarmos uma parede o berbequim atinge uma ligação elétrica.

Contato Indireto: Acontece quando um indivíduo entra em contacto com massas (partes metálicas) acidentalmente sob tensão. Ocorre, por exemplo, quando se toca na cobertura metálica de uma máquina elétrica que por deficiência no isolamento está sob tensão elétrica. Este tipo de contacto resulta de falhas no isolamento dos equipamentos elétricos, geralmente causados pelo envelhecimento dos materiais dos mesmos.

Instalações e Materiais das Instalações

Para evitar estes contatos com a eletricidade, as RTIEBT definem os procedimentos que têm de ser adotados quando se realiza a instalação e utilização dos sistemas elétricos.

Segundo as RTIEBT a concessão das instalações deve ter como objetivos garantir a segurança de pessoas, animais e bens, e a compatibilidade entre sistemas. Os materiais utilizados na instalação devem, por isso, estar preparados para conservarem eficazmente as características elétricas, mecânicas, físicas e químicas para que os aparelhos funcionem em condições de segurança.

Além disso, os invólucros das canalizações e aparelhos devem ser de material isolante, sendo que as RTIEBT definem que os materiais utilizados nas instalações devem ser coerentes entre si.

Outras características a considerar a quando da escolha dos materiais para as instalações elétricas são:

A adequação à temperatura ambiente do espaço onde os materiais vão estar;
Proteção contra contactos com peças sob tensão e contra a penetração de corpos estranhos e líquidos nas mesmas;

Proteção contra ações mecânicas e contra a corrosão;

Proteção contra o risco de incêndio e risco de explosão.


O local onde as instalações são estabelecidas é uma preocupação que também está regulamentada. As instalações devem ser, sempre que possível, colocadas nos locais que apresentem condições mais favoráveis a estas. O objetivo é situar as instalações em locais onde estão resguardadas das ações mecânicas e dos agentes físicos e químicos, como o calor, o frio, a umidade ou outros agentes corrosivos.

Verificação das Instalações Elétricas

Para comprovar que as instalações estão em conformidade com as RTIEBT, as instalações têm de ser sempre verificadas quando entram em serviço pela primeira vez ou quando sofrem alterações significantes. As verificações são feitas através de uma inspeção visual e de ensaios.

Na inspeção visual verifica-se se os equipamentos elétricos ligados em permanência:

Satisfazem as regras de segurança e as normas que lhes são aplicáveis;
Foram corretamente selecionados e instalados de acordo com as regras indicadas nas Regras Técnicas e com as indicações fornecidas pelos fabricantes;
Não apresentam danos visíveis que possam afetar a segurança;


No caso dos ensaios estes devem incidir sobre os seguintes aspetos:

  • Continuidade dos condutores de proteção e das ligações equipotenciais principais e suplementares;
  • Resistência de isolamento da instalação elétrica;
  • Proteção por meio da separação dos circuitos relativa à:
  • Tensão reduzida de segurança TRS ou TRP;
  • Separação Elétrica;
  • Resistência de isolamento dos elementos da construção;
  • Corte automático da alimentação;
  • Ensaio da polaridade;
  • Ensaio dielétrico;
  • Ensaios funcionais;
  • Proteção contra os efeitos térmicos;
  • Quedas de tensão.

“No momento, foi uma sensação de desespero. Só senti um tremor e apaguei”. Assim descreve o aposentado Gabriel Rosa Neto, morador de Tatuí (SP), sobre um choque há 18 anos. Ele levou uma descarga elétrica de 13.800 volts enquanto trabalhava em um poste de energia elétrica. O acidente ocorreu em 5 de abril de 1996 em uma estrada rural da cidade. O que contribui para o choque foi a falta de equipamentos de segurança necessários. Ele havia deixado de usá-los por opção.

Trabalhos nas Instalações

Quando se realizam trabalhos nas instalações, há vários cuidados que se devem ter porque qualquer descuido pode ter consequências graves.

Os trabalhos nas instalações elétricas devem ser sempre realizados quando estas não têm tensão elétrica. Nestes casos, o responsável, que deve ser um profissional qualificado, deve realizar o corte da corrente e certificar-se que as instalações estão sem tensão elétrica.

No caso de os trabalhos terem de ser realizados quando as instalações estão sob tensão, estes devem ser realizados seguindo a técnica adequada ao trabalho e usando o equipamento conveniente. Uma das principais preocupações durante estas situações passa por tomar todas as precauções durante o manuseamento de objetos que possam provocar contatos diretos com os elementos sob tensão.

Manutenção das Instalações

As instalações devem ser sempre mantidas em bom estado de conservação e em conformidade com as RTIEBT. Para garantir a conformidade das instalações com estas regras, estas devem ser inspecionadas periodicamente.

Inspeções

As inspeções têm como objetivo garantir que as instalações elétricas são mantidas em conformidade com as RTIEBT, devendo ser efetuadas por pessoal qualificado.

Nas inspeções devem ser verificados os seguintes aspectos:

Estado do isolamento dos condutores isolados ou cabos, e da bainha exterior destes, em especial dos cabos flexíveis;
Estado dos aparelhos de corte ou de comando;
Estado dos aparelhos de utilização, em especial dos móveis e portáteis;
Condições de arranque imediato das fontes de alimentação das instalações de emergência.

“Não se deve comprar qualquer produto que não tenha garantia. Procure sempre ver se há um selo de certificação e nunca se esqueça de verificar se a instalação está de acordo”, explica.


As RTIEBT chamam a atenção para que sejam especificamente vigiados os seguintes aspetos:

Manutenção dos dispositivos que coloquem as partes ativas fora do alcance das pessoas;
As ligações e o estado dos condutores de proteção;
O estado dos cabos flexíveis que alimentem aparelhos móveis, bem como os seus dispositivos de ligação;


A regulação correta dos dispositivos de proteção;Além de verificados estes aspectos, as inspeções devem ser realizadas com a seguinte periodicidade:

1 ano – casas de espetáculo e diversão em recinto fechado, locais com risco de incêndio ou com risco de explosão de estabelecimentos industriais e instalações provisórias;
5 anos – estabelecimentos que recebem público e estabelecimentos industriais, não abrangidos pela alínea anterior, estabelecimentos agrícolas ou pecuário e locais afetos a serviços técnicos;
10 anos – outros locais.

“Toda instalação elétrica é projetada para uma certa carga e, muitas vezes, as pessoas por falta de informação ou desconhecimento colocam vários acessórios. Isso provoca uma sobrecarga, um superaquecimento na energia elétrica, o que pode provocar um curto-circuito, um incêndio ou um acidente mais grave ainda”.

Alterar o botão que permite a mudança de estação no chuveiro é outra preocupação segundo o técnico. “A pessoa deve fazer sempre com o chuveiro desligado e nunca ligado. Jamais usar cabo de vassoura ou embalagens de xampus. Isso pode quebrar o cano e a pessoa leva um choque”, explica.

Sistemas de Proteção

Um dos deveres legais, no que diz respeito às instalações de utilização, é a obrigação de utilizar mecanismos destinados a assegurar a proteção das pessoas contra os choques elétricos. As disposições de proteção devem ser selecionadas e instaladas de forma a garantir a longevidade das mesmas, assim como a segurança dos utilizadores.

Proteção contra Contacto Diretos

A proteção contra contacto diretos consiste em defender as pessoas contra os riscos de contacto com as partes ativas dos materiais ou aparelhos elétricos. Esta forma de proteção é essencialmente preventiva e consiste em garantir que as partes ativas dispõem de proteção contra os contacto diretos.

Proteção contra Contacto Indiretos

Deve existir um dispositivo de proteção que separe automaticamente da alimentação o circuito ou o equipamento quando surgir um defeito entre uma parte ativa e uma massa.

Esta medida de proteção contra os contacto indiretos destina-se a impedir que, entre partes condutoras simultaneamente acessíveis, possam manter-se, durante um tempo suficiente para criar riscos de efeitos fisiopatológicos perigosos para as pessoas, tensões de contacto presumidas superiores às tensões limites convencionais (U(índice L)) seguintes:

a) 50 V em corrente alternada (valor eficaz);

b) 120 V em corrente contínua lisa.

Para tempos de corte não superiores a 5 s, podem-se admitir, em certas circunstâncias dependentes do esquema das ligações à terra, outros valores para a tensão de contacto.

As proteções contra contacto indiretos devem ser realizadas por um dos seguintes métodos:

Medidas que impeçam a corrente de defeito de percorrer o corpo humano ou o corpo de um animal;
Limitação da corrente de defeito que possa percorrer o corpo a um valor inferior ao da corrente de choque;
Corte automático, num tempo determinado, após o aparecimento de um defeito suscetível de, em caso de contacto com as massas, ocasionar a passagem através do corpo de uma corrente de valor não inferior ao da corrente de choque.

Em parceria com a Abracopel-Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade, a Nexans, apoiadora global dos esforços de conscientização para com a importância da adoção e obediência às normas técnicas, em projetos e instalações de geração e distribuição de energia, como a elétrica, promove o primeiro de uma serie de roadshows pelo Brasil, no próximo dia 22 e 23 de fevereiro, em Santo André, São Paulo.O roadshow é realizado das 8:30 às 18 horas tem como tema Segurança e Qualidade dos sistemas elétricos e fotovoltaicos e é aberto aos profissionais do setor e contará com várias palestras sobre temas que envolvem aspectos como Normas regulamentadoras e técnicas, requisitos de segurança m sistemas fotovoltaicos; gerenciamento de risco elétricos nos mais diversos ambientes, entre outros.O seminário será realizado em Santo André, região do ABC, São Paulo, no auditório da ETEC-Julio de Mesquita, localizado à Rua Prefeito Justino Paixão, 150 – Centro – Santo André. Inscrições podem ser feitas por meio do link https://oquefazumneurologista.wordpress.com/ Nexans apresenta palestra sobre o tema Normas, regulamentos e legislação, o que temos a nosso favor,proferida pelo consultor da empresa, engenheiro  João Cunha.Aos participantes, a Abracopel e a Nexans oferecerão certificados.