Santo André cria primeira Suplente Privado de Patrimônio Proveniente do ABC

165

Prefeitura de Santo André assinou na
tarde desta terça-feira (20) o termo para a criação da primeira
Suplente Privado de Patrimônio Proveniente (RPPN) do ABC

Crédito: Ricardo Trida/PSA

A Prefeitura de Santo André assinou na tarde desta terça-feira
(20) o termo para a criação da primeira Suplente Privado de
Patrimônio Proveniente (RPPN) do ABC, que será feita em
Paranapiacaba em parceria com a empresa Cesari. A assinatura do
termo, que promoverá a guardação da fauna e da flora do
sítio, faz segmento do Junho Virente, programação do mês do meio
envolvente promovida pela administração.

A RPPN Nascentes do Rio Mogi, de propriedade da empresa CEMULTI
– Cesari Empresa Multimodal de Movimentação de Materiais Ltda,
tem uma área totalidade de 48.042,47 hectares em Santo André e ocupa
aproximadamente 500 milénio m² próximos à segmento baixa da vila de
Paranapiacaba. O sítio traz porquê atributo a presença da
vegetação nativa, porquê da Mata Atlântica e do obstruído, além das
nascentes e da variação da fauna e da flora.

A RPPN é uma categoria de Unidade de Vigiação (UC) de
domínio privado e perpétuo e traz porquê objetivo a guardação
da biodiversidade sem que haja desapropriação ou alteração dos
direitos de uso da propriedade. Atualmente existem 87 RPPNs
instituídas no território paulista, mas essa é a primeira do
ABC.

Segundo o prefeito Paulo Serra, a criação da suplente é um
exemplo da importância dada pela Prefeitura para as questões de
sustentabilidade. “Temos buscado fazer com que a cidade dê bons
exemplos e essa parceria com a Cesari, além de resgatar o
noção de empresa cidadã, também tem aspectos de estímulos
ambientais. Estamos muito felizes de poder assinar esse termo,
é um motivo de grande alegria esse grande exemplo que Santo
André está sendo. Tenho certeza que a criação dessa primeira
RPPN irá fazer com que a cidade continue se desenvolvendo, mas
sem olvidar a sustentabilidade”, afirma.

Uma vez instituída pelo Poder Público, a RPPN passa a integrar
o Sistema Pátrio de Unidades de Vigiação – SNUC, conforme
previsto na Lei Federalista nº 9.985/2000. O pedido de
reconhecimento da RPPN é iniciativa do proprietário,
formalizado mediante requerimento e análise da Fundíbuloção
Florestal.

De convénio com o gerente de engenharia da Cesari, Ruben Armando
Espinoza Munoz, a empresa tem área totalidade de aproximadamente 1
milhão de m² em Santo André e cedeu quase metade para a criação
da suplente. “É um grande prazer ter conseguido constituir essa
primeira RPPN da região. Fizemos uma parceria muito grande com
a Prefeitura e isso nos incentivou a fabricar essa suplente na
cidade”, contou o representante da Cesari.

A atual administração possui meta de incrementar em 10% a
quantidade de m² por habitante de área virente dentro do
perímetro urbano até 2020 e, face a outras metas, estabelecerá
uma Política Municipal de Mudanças Climáticas e uma Política
Municipal de Arborização Urbana.

Santo André cria primeira Suplente Privado de Patrimônio Proveniente do ABC
Avalie esta notícia