Santo André faz 50 anos e mostra novo projeto para categoria de base

São 50 anos de história e com fôlego para completar um século.
O EC Santo André comemora hoje o jubileu de ouro, em festa para
convidados na sede poliesportiva do Jaçatuba, que vai reunir
personalidades importantes da história, entre eles abnegados
dirigentes como o presidente em exercício Sidney Riquetto –
Jairo Livolis passa por problemas de saúde – e o presidente do
conselho deliberativo, Celso Luiz de Almeida.

“Vivo mistura de orgulho e tristeza por estar presidente neste
momento tão importante. Mas, independentemente de quem está à
frente do clube, uma coisa é certa: o Santo André não pode
parar e por isso vamos tocar”, comenta Sidney, que fez parte da
diretoria de cinco ex-presidentes: Lourival Passarelli, Germano
Schmidt, Breno Manoel Gonçalves, Jairo Livolis e Celso Luiz de
Almeida.

Poucas pessoas têm identificação tão grande com o clube quanto
Celso Luiz de Almeida, que completa 40 anos no quadro diretivo
da agremiação desde sua entrada para o conselho deliberativo,
em 1977. “Com muita alegria que comemoro esses 50 anos do Santo
André. Agradecer às pessoas que fizeram e fazem parte do clube,
como Celso Lara, Germano (ex-presidentes, Duílio Pisaneschi, o
Jairo, o Sidney, todos que mantiveram o clube em pé, o Wigand
(Rodrigues dos Santos, fundador), o Acyr (de Souza Lopes,
ex-presidente)…”, enumera.

Um dos pontos altos da festa de hoje deve ser o anúncio da nova
versão do projeto Jovem Santo André, que visa revelar talentos
para o clube.

DA CASA

Sérgio do Prado, que por pelo menos 20 anos desempenhou as mais
diversas funções nos bastidores do Ramalhão – de coordenador de
Esportes no Jaçatuba a gerente de futebol –, faz questão de
parabenizar o clube. “Devo tudo ao Santo André”, diz. “Meio
centenário de um clube que conquistou tantas coisas e tem a
meta de voltar a esse patamar. E que certamente merece estar no
mais alto degrau do futebol brasileiro.”

Adversários, não inimigos, presidentes dão os parabéns

Apesar da rivalidade dentro dos gramados, a relação do Santo
André com os outros clubes da região é de amizade.
Principalmente com o São Caetano, equipe com a qual o Ramalhão
dividiu o protagonismo e as conquistas do futebol do Grande ABC
nas últimas décadas.

“Sempre fomos parceiros, é um prazer muito grande ver o Santo
André chegar a essa marca de meio século de história, isso é
para poucos”, declara o presidente do Azulão, Nairo Ferreira de
Souza.

O dirigente azulino afirma ter muito respeito pelo Santo André
e reconhece a coragem dos envolvidos com o clube para manter a
história ao longo destes 50 anos. “Temos de prestigiar isso,
ver um clube que realmente une a cidade”, diz o mandatário do
São Caetano.

Ao longo dos anos de rivalidade entre as equipes, Nairo não tem
uma partida favorita em especial, mas o último encontro entre
as equipes deixou o presidente do Azulão decepcionado. No ano
passado, o Ramalhão eliminou o São Caetano nas quartas de final
da Série A-2 do Campeonato Paulista, segurando empate sem gols
no Estádio Anacleto Campanella após vencer por 2 a 1 no Estádio
Bruno Daniel. Em 2018, as equipes poderão ter ao menos mais uma
oportunidade de se enfrentar, já que estarão juntas na Série
A-1 – caso não estejam no mesmo grupo.

A amizade também existe com o São Bernardo FC. Apesar de mais
novo, o Tigre deve muito ao Santo André, segundo o presidente
do Edinho Montemor.

“O sucesso do Santo André foi um dos motivos para o São
Bernardo ser fundado”, conta Edinho, que considera as duas
equipes “co-irmãs”. “Temos laços bem fortes, é só ver o grande
número de atletas que passaram por ambos os times, como o
Everton Santos, Léo Costa, Bady, Raul e Renato Peixe”, conclui
o presidente do Tigre.

Prefeito relembra momentos na torcida pelo Ramalhão

O prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), também
parabeniza o Ramalhão por alcançar 50 anos de história.

“Este número mostra a concretização de um clube que deu certo,
que é da nossa terra e da nossa gente. Desejo longevidade, que
permaneça fazendo história, como já fez, e com certeza voltará
a fazer”, destaca.

Paulo Serra ressalta a importância do Santo André para a cidade
e relembrou memórias de seu lado torcedor.

“Sou nascido na cidade e meu pai sempre me levava aos jogos.
Isso tudo marca bastante. Tenho imenso carinho e amor pelo
clube”, declara o prefeito andreense.  

Aguardando palavras...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais