Santo André reduz alíquotas do IPTU

As alíquotas de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) de Santo André ficarão menores no ano que vem. O anúncio foi feito na tarde desta quinta-feira (23), durante entrevista coletiva em que foram apresentadas mudanças na cobrança do tributo a partir de 2018. O pacote de alterações inclui atualização da Planta Genérica de Valores, que não era atualizada desde 2002. O objetivo das mudanças é corrigir distorções. No ano passado, por exemplo, os munícipes de Santo André pagaram mais IPVA do que IPTU.A redução das alíquotas vai beneficiar diversas faixas. Residências que valiam entre R$ 96.590,88 e R$ 160.483,68 antes pagavam 0,30% de alíquota, com R$ 289,40 de parcela a deduzir. Com as novas taxas de 0,15% e 0,25%  – as duas menores da história – uma casa que tem valor venal entre R$ 71.409,60 e R$ 142.819,20 passará a pagar 0,15% de alíquota, com dedução de R$ 107,11; enquanto uma residência que vale entre R$ 142.819,20 e R$ 214.228,80 pagará 0,25% de alíquota e R$ 249,93 de parcela a deduzir.ATUALIZAÇÃO DA PGVO valor do metro quadrado previsto na Planta Genérica de Valores em Santo André encontra-se desatualizado. O IPTU pago atualmente segue legislação de 2002 e desde então não passava por revisão. Para se ter uma ideia, o valor pago por munícipe em IPVA nos últimos dez anos foi maior do que o cobrado em IPTU.De acordo com o secretário de Gestão Financeira, José Grecco, melhorar a grade de alíquotas era uma necessidade do município. “A grade anterior tinha menos faixas do que achávamos o ideal, então criamos uma tabela menos progressiva. Desse jeito conseguimos equalizar melhor a aplicação da planta genérica, que estava com progressividade maior. Além disso, para também amenizar o impacto, decidimos ampliar os descontos”, contou o secretário.LIMITADORAtualmente Santo André tem o metro quadrado mais caro do ABC. O valor do IPTU, se corrigido corretamente, poderia ocasionar em aumentos que chegariam a até 1500% em alguns casos. Para tanto, foi apresentado na Câmara pela atual gestão um projeto de lei para que seja estabelecido um teto.A proposta do limitador é para que, com as novas medições dos valores dos terrenos, residências não sofram reajustes no IPTU superiores a 50%. Apartamentos, garagens e comércios, teriam no máximo aumento de 60%. Indústrias e terrenos, caso a proposta seja aprovada na Câmara, terão aumentos máximos de 70% e 80%, respectivamente.Segundo Grecco, a atualização na Planta Genérica de Valores já deveria ter sido feita em outras gestões e ajudam a amenizar as dívidas herdadas nos cofres públicos. “Nos últimos três anos, 84% das transferências imobiliárias foram pagas de acordo com valor de mercado, não com o valor cadastrado na Prefeitura. O IPTU de Santo André é um problema porque a legislação é ultrapassada. O valor do metro quadrado em Santo André está desatualizado, tanto o valor construtivo como o valor da terra. Os valores deveriam ter sido corrigidos quase que anualmente, não poderiam ter ficado tanto tempo sem um reajuste”DESCONTOSComo forma de facilitar o pagamento do IPTU, a Prefeitura estabeleceu três tipos de descontos no carnê. Moradores que não possuem débitos com o município terão descontos de 5% sobre o valor do IPTU devido a cada exercício. Munícipes que efetuarem o pagamento à vista terão 10% de desconto, enquanto os que pagarem em duas vezes, 5%.Aposentados ou moradores com 65 anos ou mais que tenham um único imóvel poderão receber descontos de até 50% no carnê, desde que o IPTU de sua propriedade seja limitado a R$ 3.758,40, ou 1000 FMPs no ano vigente.PAGAMENTOOs pagamentos dos carnês deverão ser feitos até dia 20 de janeiro para indústrias, 15 de fevereiro para aposentados, e 10 de fevereiro para os demais casos. O pagamento pode ser feito à vista ou parcelado em até 10 vezes.

Aguardando palavras...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais