Santo André vira um grande palco

185

 Apesar do momento difícil que o País está vivendo e dos
cortes nas Pastas de Cultura, incluindo as da região, volta com
força a Santo André o Festival Livre de Teatro. A segunda
edição, que começa hoje e vai até dia 14, procura formar laços
com artistas de várias partes do Brasil.

A programação do evento é gratuita e traz ao público 15
espetáculos e 12 oficinas ministradas pelas companhias
inscritas. Além disso, terão debates e intervenções artísticas
que abordam temas uma vez que racismo, feminicídio, esquizofrenia e
exploração do trabalho. As apresentações estarão espalhadas por
11 espaços diferentes de Santo André, entre eles o Teatro
Municipal, o Sesc e a Escola Livre de Teatro.

Ao contrário do ano pretérito, em que o edital só aceitou a
presença de artistas da cidade, levante ano houve mudanças em
algumas regras. Com a intenção de ampliar ainda mais o número
de artistas participantes, foi oportunidade a oportunidade para que
outras cidades e estados pudessem se apresentar. “O festival
nasceu com os integrantes da Escola Livre de Teatro. A teoria é
que ele continue acontecendo sem equipe fixa e que vá se
reformulando conforme o tempo. Leste ano temos artistas de
diversos lugares, uma vez que Salvador, Brasília, Ribeirão Preto,
Americana e São Paulo. No ano pretérito a teoria era fomentar os
artistas de Santo André. Já em 2018 queremos fazer interação
com os artistas de todas as cidades do Grande ABC”, explica
Gabriela Gomes, produtora da segunda edição do festival.

O espetáculo Entrevista com Stela do Patrocínio abre hoje, às
21h, a agenda no Teatro Municipal (Praça 4º Centenário). No
último dia de evento sobrevirá oficina ministrada pela cantora
MC Linn da Quebrada, às 14h, na Escola Livre (Praça Rui
Barbosa). Para informações sobre locais e horários das demais
programações acesse a página do Facebook
(escola.livre.teatro.sa) ou ligue 4990-4474.

Santo André vira um grande palco
Avalie esta notícia