Xiiii Saúde… Educação ah mas só se a Previdência não passar

Muda o Governo mas a História…

A reforma da Previdência é o principal desafio do governo Bolsonaro, afirmou Paulo Guedes nesta quarta-feira (2), durante sua cerimônia de posse como ministro da Economia. Ele declarou que o segundo pilar do governo serão as privatizações e o terceiro será a simplificação tributária, com um único imposto.

Xiiii Saúde... Educação ah mas só se a Previdência não passar

Sempre a Mesma Ladainha…

Ele disse que, se a reforma da Previdência não for feita, terá de acabar com a vinculação orçamentária. Isso significa acabar com a garantia de um gasto mínimo para áreas como educação e saúde. A medida é uma mudança da Constituição e, se for adotada, precisará ser aprovada no Congresso.

“A Previdência é uma fábrica de desigualdades. Quem legisla tem maiores aposentadorias. Quem julga tem as maiores aposentadorias, e o povo brasileiro, as menores. Vamos ter que fazer uma reforma da Previdência”, disse.

A Saúde e a Educação… Conversa para boiboi dormir

Em seu discurso, o ministro da Economia fez um histórico sobre o problema fiscal brasileiro e disse que a mudança nas regras para concessão de pensões e aposentadorias garantirá dez anos de crescimento sustentável.

Acabar com vinculações Orçamentárias

Ele declarou que, se a reforma não for feita, será necessária a votação de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) para acabar com as vinculações orçamentárias.

“Ou desvincula tudo ou não tem solução. Se der errado a reforma da Previdência, a coisa [desvinculação] pode dar certo. É bastante provável que a classe política dê um passo à frente e assuma o comando do Orçamento. Vamos descentralizar a distribuição dos recursos públicos”, afirmou.

Controlar os Gastos é Essencial, diz Guedes

Guedes afirmou que o diagnóstico elaborado concluiu que é necessário controlar os gastos sem cortes drásticos.
Para ele, o ideal é reduzir o ritmo de crescimento das despesas, com crescimento econômico.

“O teto de gastos precisa de paredes de sustentação. Sem paredes, ele cai. Essas paredes são as reformas”, declarou.

O desequilíbrio fiscal, afirmou o ministro da Economia, é fruto de um pensamento que coloca o Estado como motor do crescimento. Para ele, o Brasil foi corrompido pelo excesso de gastos e parou de crescer.

“Esses governantes se perderam nos grandes programas em que piratas privados, burocratas corruptos e criaturas do pântano político se associaram contra o povo brasileiro. O Estado gasta muito e não faz isso bem”, disse.

Aguardando palavras...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais