Segundo dia do Festival de Inverno prega público em Paranapiacaba

195

Paranapiacaba recebeu 22 milénio pessoas
neste domingo ensolarado

Crédito: Alex Cavanha/PSA

O XVII Festival de Inverno de Paranapiacaba (FIP) teve o
segundo dia de atrações neste domingo (23) encerrando o
primeiro final de semana de atividades. Com aproximadamente 22
milénio visitas neste domingo, a marca de 10 milénio pessoas, atingida
no sábado, foi superada. Os destaques do evento foram os mais
diversos estilos musicais que se apresentaram em alguns dos
principais pontos da vila, agradando os mais diversos tipos de
público. Além disso, atrações de teatro, oficinas e as feiras
de artes e antiguidades também foram as opções de
entretenimento. O festival continua no próximo final de semana
(29 e 30), somando tapume de 170 atrações culturais.

De pacto com o secretário de Meio Envolvente, Donizeti Pereira,
o evento foi um sucesso no primeiro final de semana de
festival. “Estamos muito satisfeitos com a participação do
público. A questão da restauração dos imóveis, a presença em
peso das visitas e os shows ditaram o curso positivo do
evento. Além das inaugurações, as atividades artísticas também
foram um grande ponto cocuruto para a satisfação das pessoas, fora
que no sábado (22) tivemos um dia bonito e depois veio a
neblina, o que é muito a rosto da nossa vila e as pessoas puderam
ter um gostinho de uma vez que é Paranapiacaba”, comentou o
secretário.

Logo pela manhã deste domingo, o sol trouxe luz e calor junto
ao grupo Street Blues, que recebeu os passageiros que
desembarcaram na saída da Garagem das Locomotivas, vindos do
Expresso Turístico da CPTM (Companhia Paulista de Trens
Metropolitanos). A rua Fox foi tomada pelo jazz, com o Jazz de
Ville e Samba Jazz. No mesmo lugar, o “Você é Show”, convidou o
público presente para subir ao palco e mostrar seu talento. Na
esquina da avenida Antonio Francisco de Paula Souza, o Folk na
Kombi deu o som ao entardecer. No Vetusto Mercado, um dos
destaques do dia foram Anaí Rosa Quarteto e Max Gonzaga. Na
Vivenda Fox, aconteceu a Mostra de Arte NAIF Vernáculo, enquanto na
Livraria de Paranapiacaba – Vivenda da Cultura, o público
infantil se divertiu com curtas do Festival do Minuto e a
exposição ‘Traços de Paranapiacaba’, da artista Teresa Saraiva.

Frequentador do festival há 15 anos, o morador de Ribeirão
Pires, Ricardo Azevedo, elogiou a forma de distribuição das
diferentes atrações. “Gostei deste ano porque ficaram mais
espalhadas, o pessoal pôde passear mais. Consegui presenciar os
mais variados estilos de música”, disse Azevedo. Já o parelha
Rinaldo Estevão e Luzinete Gomes citaram a melhora da
solenidade em relação ao ano pretérito. “Em 2016, o festival
aconteceu de forma restrita e não vimos muita coisa. Desta vez,
uma vez que os palcos ficaram em diferentes espaços, pudemos saber
lugares da vila que não havíamos visto antes”, contou Estevão.

No próximo final de semana (29 e 30) a solenidade continua e
traz inúmeras atrações. No sábado, a Escola Estadual Senador
Lacerda Franco terá o espaço devotado para o rock, com bandas
de punk uma vez que o DZK, de hardcore uma vez que Statues On Fire e ainda de
metal, caso do Rhino. No Lyra Serrano, diversas oficinas
animarão os participantes a partir das 12h. Um pouco mais
tarde, às 17h, a música instrumental abrilhanta ainda mais o
Museu Forte com a apresentação “300 anos de Música para
Violão Solo”. Já no domingo, dia de fecho do Festival,
logo às 10h chega o Street Blues com saída marcada para a
Garagem das Locomotivas. No Coreto, às 13h, o Circo no Beco
traz o seu magia. Para fechar com chave de ouro, a OSSA
(Orquestra Sinfônica de Santo André), se apresenta às 18h, no
Clube União Lyra Serrano.

Estrutura e transporte – Para atender o público, possuirá
estacionamento com três milénio vagas disponíveis, graças a uma
parceria com a empresa Cesari, que fica próxima à Vila. Quem
for de coche, poderá estacionar no lugar e será levado de
ônibus até o chegada à segmento baixa da Vila, onde acontece o
Festival. O dispêndio é de R$ 40 para carros, R$ 20 para motos, R$
50 para vans e R$ 150 para ônibus de turismo.

 Quem preferir, poderá ir de ônibus, que sai do Tersa
(Terminal Rodoviário de Santo André, em Prefeito Saladino), ou
da estação de Rio Grande da Serra da CPTM. A traço que sai do
Tersa é a 040, operada pela Viação Ribeirão Pires e tem tarifa
de R$ 6,45. A traço que sai de Rio Grande da Serra, também
operada pela Viação Ribeirão Pires, é a 424, que tem tarifa de
R$ 4,20.

 A Vila conta ainda com 26 restaurantes e bares que
oferecem grande variedade de lanches e refeições, incluindo
cervejas artesanais, queijo e vinho. Para quem quer passar a
noite em Paranapiacaba, a Vila conta com 9 pousadas. O XVII
Festival de Inverno de Paranapiacaba é uma realização da
Prefeitura de Santo André em parceria com o Sesc, Anhanguera,
Bosch Serviços e RM serviços Automotivos. Mais informações
podem ser obtidas no hotsite: www.santoandre.sp.gov.br/fip/.

SERVIÇO:
XVII Festival de Inverno de Paranapiacaba
Dias: 29 e 30 de julho, das 10h às 20h
Atividades: Música, oficinas, intervenções de artes cênicas,
mostra de audiovisual, dança e circo, feiras de artes e
antiguidades e de vinil, mostra fotográfica, num totalidade de 170
atrações gratuitas
Locais: Clube União Lyra Serrano (Av. Antonio Olyntho, s/n,) o
Vetusto Mercado (Praça do Mercado), e a livraria da Vila (Av.
Rodrigues Alves, s/n), entre outros, além das principais ruas
da Segmento Baixa, uma vez que a Direita e a Fox.

Chegada: Nos dias do festival o chegada à vila é restrito a
veículos. Terá um estacionamento próximo à Vila, de onde
ônibus levarão os visitantes até a vila e o retorno ao
estacionamento.  O dispêndio será de R$ 40 para carros, R$ 20
para motos, R$ 50 para vans e R$ 150 para ônibus de turismo.
Quem preferir poderá ir de ônibus intermunicipal, que sai do
Terminal Tersa, ao lado da estação Prefeito Prefeito Saladino
da CPTM, ou da estação de Rio Grande da Serra da CPTM.

Segundo dia do Festival de Inverno prega público em Paranapiacaba
Avalie esta notícia