Sto.André perde R$ 12,9 milhões da União para asfaltar Recreio

0
149

O governo federalista suspendeu convênio firmado com a Prefeitura
de Santo André para recapeamento asfáltico no Recreio da Borda
do Campo, assinado na gestão de Carlos Grana (PT). O contrato,
estipulado em 2015 por meio do PAC (Programa de Aceleração do
Propagação) 2, era no valor de R$ 12,9 milhões e previa
qualificação de 18 vias. O cancelamento do conciliação, que teria
financiamento da Caixa Econômica Federalista, se deu pela quebra de
prazo para início das obras. O governo petista alegava, à
época, a urgência de executar canalização de esgoto, além de
detido na liberação dos recursos.

A autorização da Câmara ao governo petista para contrair o
empréstimo ocorreu em março daquele ano, mesmo período do
ajuste fiscal implantado pelo Planalto, ainda governado na
ocasião por Dilma Rousseff (PT). A tramitação do projeto no
Legislativo demorou pouco mais de três meses, sendo confirmado em
plenário depois de série de adiamentos e questionamentos junto
ao Executivo, o que resultou em repercussão negativa do caso. A
situação provocou, inclusive, o surgimento de panfletos
apócrifos que acusavam os vereadores da oposição de sabotar o
projecto governista de pavimentação no bairro periférico do
município, localizado em área de manancial.

O atual prefeito Paulo Serra (PSDB) admitiu a interrupção do
conciliação. Segundo o tucano, o Paço tentará restabelecer o projeto de
recapeamento, encaminhando novidade documentação a Brasília.
“Teremos que ressuscitar essa proposta que a gestão anterior
praticamente abriu mão, não deu opções nem pediu prorrogação
(de prazo). Hoje formalmente está perdido. O problema era
começar as obras sem as ligações de água e esgoto. Teria
solução técnica para isso, independentemente da ligação”, disse
Paulo, ao referir agenda com a Dersa (Desenvolvimento Rodoviário
S/A) para cobrar contrapartida pelas obras do Rodoanel, que
custeariam as intervenções de saneamento no lugar.

Procurado, Grana justificou que o “golpe jurídico e
parlamentar” no País inviabilizou propostas elaboradas pelas
prefeituras. “Com o golpe, os projetos foram prejudicados e não
tiveram curso.” 

Sto.André perde R$ 12,9 milhões da União para asfaltar Recreio
Avalie esta notícia