Teto de reajuste do IPTU vai até 80% em Sto.André

O governo do prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), protocolou proposta para estabelecer teto de até 80% de reajuste do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) para o exercício de 2018. Conforme antecipado pelo Diário, o projeto tem como objetivo minimizar o impacto da atualização da PGV (Planta Genérica de Valores), impondo índice de limitação ao aumento do tributo. O texto modifica justamente a lei número 9.968/17, de julho, norma responsável pela base de cálculo do valor do tributo, e já tramita nas comissões da Câmara.
A matéria dividirá as majorações em categorias. O percentual para residências, por exemplo, é de até 50%. Para apartamentos e comércios, há faixa limitadora de 60%. No que refere-se a indústrias e terrenos, o índice moderador fica em 70% e 80%, respectivamente. A ideia da proposta é evitar que eventual elevação ultrapasse a margem apontada, desta forma visando atenuar desgaste. A intenção do Paço é colocar o texto para apreciação do Legislativo até o fim de novembro, o que validaria a vigência para 2018.

“Objetivando minorar o impacto para o contribuinte da cidade, os lançamentos do IPTU serão realizados com a imposição de limitadores sobre sua variação real, decorrente da atualização da PGV, permitindo minimamente que o município aufira receita para a continuidade da prestação do serviço público”, cita o documento. Embora não haja menção no projeto, segundo informações, existe intenção da gestão tucana de fixar esse teto nos próximos três anos, vigorando, portanto, entre 2018 e 2020, para conscientizar os munícipes e ponderar distorções.
Considerando o teor da proposta, mesmo se a atualização apontar valorização de um imóvel hoje de R$ 100 mil para R$ 280 mil, não haverá majoração de 180%. Articulador do Paço, o secretário de Assuntos Institucionais, Carlos Bianchin, afirmou que diante de defasagem no período “não daria para acompanhar as cobranças das alíquotas”, destacando a última atualização do valor do terreno em 2002, e da área construída em 1993. Segundo ele, o percentual poderia incidir de forma abrupta. “Por isso, o governo entendeu que o teto seria forma mais justa.”
A matéria foi assinada pelo prefeito interino, Luiz Zacarias (PTB), por conta da viagem de Paulo Serra ao congresso mundial de Cidades Inteligentes em Barcelona, na Espanha. O documento reitera que essa legislação que efetua a correção do valor venal dos imóveis encontrava-se defasada. “O resultado prático da inação do município na edição de normatização que refletisse a realidade da valorização imobiliária dos últimos 14 anos (…) é a arrecadação inferior à que potencialmente, se a tributação fosse realizada com base nos reais valores dos imóveis, deveria ser auferida pela Prefeitura na cobrança do imposto de sua competência”, frisa o documento. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies