Usuários da CPTM pedem ampliação do Expresso ABC até Estação Mauá

1
113

O Expresso ABC – serviço implantado na Risco 10-Turquesa da
CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) há um mês –
tem sido claro de críticas por segmento de passageiros de Mauá. Os
usuários reivindicam que a cidade também seja atendida pela
risca, situação prevista no projeto inicial do padrão de viagem
rápida, anunciado há pelo menos 16 anos, mas abandonada pelo
Estado.

Atualmente, o Expresso ABC liga as estações Prefeito Celso
Daniel-Santo André e Tamanduateí, na Capital, com exclusivamente uma
paragem, em São Caetano, em trajeto que vagar em média nove
minutos. Já o projeto inicial previa viagem com seis pontos –
Mauá, Santo André, São Caetano, Tamanduateí, Brás e Luz – em
exclusivamente 12 minutos.

Outra diferença em relação à primeira proposta do Estado está
relacionada ao pausa entre um trem e outro, para embarque e
desembarque de passageiros. No Expresso ABC, os usuários têm de
esperar por 30 minutos para o início do trajeto em Santo
André. Já o vetusto projeto tinha meta de que as composições
demorassem exclusivamente seis minutos entre uma e outra.

O superior volume de usuários é citado por moradores da cidade porquê
um dos motivos para que Mauá seja atendida pelo serviço. “Eles
deveriam priorizar nós e não São Caetano, que nem tem tanta
gente. Somos esquecidos”, considera o facilitar de escritório
Rubens de Paiva, 32.

A demanda de passageiros em Mauá é a segunda maior da região,
com média de 51 milénio usuários por dia. Em Santo André, 58 milénio
pessoas usam o sistema de transporte público sobre trilhos. Já
em São Caetano, por exemplo, que é atendida pelo Expresso ABC,
circulam 31,2 milénio indivíduos todos os dias.

“Para mim, que pego em Mauá a lotação dos trens, não mudou zero
(com o Expresso ABC). Mesmo que em Santo André não entre tantas
pessoas porquê antes, os vagões permanecem cheios. Muita gente
usa o trem em Mauá. Continua sendo lata de sardinha”, desabafa
a facilitar de farmácia Ana Lucia Domingues, 27.

Ontem, por meio de nota, a CPTM justificou que o Expresso ABC
opera em via exclusiva, com paragem em plataformas próprias nas
estações Prefeito Celso Daniel-Santo André e São Caetano para
que possa funcionar ao mesmo tempo que a Risco 10-Turquesa.
Conforme a companhia, no trecho entre as estações Mauá e
Prefeito Celso Daniel-Santo André não há via exclusiva para
atender o Expresso, “porém os usuários da Estação Mauá também
estão sendo beneficiados com viagens em trens mais vazios nos
horários de pico”, informou.

BALANÇO
A equipe do Diário voltou ontem pela manhã à Estação Prefeito
Celso Daniel, em Santo André, para escoltar viagens de
passageiros no Expresso ABC, um mês após a implantação do
serviço, que beneficia, por dia, muro de 49 milénio usuários.
Embora passageiros ressaltassem a consolidação do sistema, a
maior segmento reforçou a urgência de que os intervalos sejam
menores entre as composições.

Com saídas a cada 30 minutos, o serviço, pioneiro em todo o
sistema da CPTM, realiza muro de 14 viagens diárias.
“Sinceramente, achei o expresso ótimo. Hoje consigo me
programar e transpor até mais tarde de lar, no entanto, poderia
ter saídas a cada 15 minutos. Aí ficaria supimpa”, afirma o
facilitar de logística Anderson de Mello, 37.

Em média, a cada partida de trens do Expresso ABC, outras cinco
composições convencionais deixam a Estação Prefeito Celso
Daniel-Santo André. “O tempo poderia ser melhor, mas a medida
tem sido muito boa. Não enfrento mais lotação e quando acontece
de o trem estar referto não é um pouco sufocante”, relata o técnico
de home care Augusto Aparecido da Silva, 51.

Segundo usuários, o Expresso ABC também equacionou a quantidade
de passageiros das composições que circulam na Risco
10-Turquesa. “Achei ótimo. Antes o trem que vinha de Mauá
chegava muito lotado em Santo André. Agora é muito mais
organizado e dá para pegar o vagão tranquilo”, afirma o
facilitar de TI Matheus Oliveira, 17.

Já as reclamações relacionadas à ausência de sinalização das
estações, citadas no primeiro dia do serviço, foram
solucionadas pela CPTM. “Agora tem placa por toda o lado. Acho
isso muito bom”, relata a atriz Camila Miranda, 47.

Os trens do Expresso ABC, que usam via exclusiva entre as
estações e, por isso, não interferem na circulação das
composições da Risco 10 – Turquesa, funcionam de segunda-feira
a sexta-feira em dois períodos: das 6h às 9h e das 16h às 19h.
No período da manhã, as composições prestam serviço a partir da
Estação Prefeito Celso Daniel-Santo André até a Tamanduateí, na
Capital. Já à tarde, os trens realizam o trajeto contrário. A
tarifa do serviço tem o mesmo valor do bilhete convencional: R$
3,80.

Conforme a CPTM, o serviço representa opção aos
passageiros que embarcam em Santo André e São Caetano, com
orientação direto a São Paulo e integração com o Metrô.

Ainda segundo a companhia, a avaliação de demanda e de
carregamento de usuários no trecho é contínua e a CPTM não
identificou a urgência de mudar o padrão do serviço, que
está tendo boa aceitação pelo público. “Inclusive muitos
usuários têm manifestado elogios nas estações, redes sociais e
na médio de atendimento 0800”, destaca.

Promessa de volta da Estação da Luz ao itinerário da região não
se concretiza

O possível retorno da Estação Luz ao itinerário da Risco
10-Turquesa da CPTM é outra promessa feita pelo governo
estadual que não retornou à taxa. Em 2011, quando a companhia
retirou a paragem do trajeto que atende a região, o governo
estadual cogitou, após protestos dos usuários, desfazer a
mudança logo que fosse inaugurado o Expresso ABC, o que não se
concretizou.

Questionada sobre o tópico, a CPTM disse que a mudança no
trajeto da Risco 10-Turquesa para operar entre Brás e Rio
Grande da Serra foi necessária devido ao desenvolvimento da demanda
de usuários, após o início da integração da Risco 4-Amarela do
Metrô na Estação Luz. Através de pesquisa, a CPTM coletou dados
sobre a movimentação de usuários com a novidade configuração e
adotou o padrão operacional para as Linhas 7-Rubi e 10-Turquesa
em 2011.

Conforme o expedido, a decisão levou em consideração aspectos
técnicos, já que intervenções na Estação Luz, patrimônio
histórico, são restritivas. 

Usuários da CPTM pedem ampliação do Expresso ABC até Estação Mauá
5 100% 5 votes
  • Olha utilizei o expresso esses dias e gostei muito. Mas minha mãe disse que não é nada inovadora a ideia. Inclusive, foi sim uma burrada! pois isso já existia e tiraram. Claro que não era para a estação de hoje.. mas para o brás ou luz ela não se recorda…