Vale-transporte em Santo André é mantido em R$ 4,40

Crédito: Reprodução
A prefeitura de Santo André, no ABC Paulista, foi derrotada mais uma vez na Justiça em relação à cobrança maior de tarifa de ônibus que fazia dos empregadores que pagam o vale-transporte para seus funcionários.O desembargador relator Pereira Calças, do Órgão Especial do TJ – Tribunal de Justiça de São Paulo, negou pedido de suspensão de liminar nesta quarta-feira, 16 de maio de 2018, elaborado pela prefeitura, que tentava suspender decisão de primeira instância, do juiz Genilson Rodrigues Carneiro, que atendeu ação movida pela ACISA – Associação Comercial e Industrial de Santo André contra a cobrança diferenciada.A decisão de primeira instância é de 25 de abril de 2018 e, desde então, impede o valor de R$ 5,50 da passagem pelo Vale-Transporte e R$ 4,40 para os demais passageiros pagantes.TODAS AS MODALIDADES PAGAS INTEGRALMENTE DEVEM SER DE R$ 4,40A justiça de primeira instância acatou o argumento da ACISA de que os valores diferentes ferem o princípio da isonomia. O entendimento da segunda instância foi no mesmo sentido.Segundo o despacho do Órgão Especial, não se mantém também o argumento da prefeitura de que a cobrança auxilia o financiamento das integrações gratuitas pelo Bilhete Único Andreense e que, com as integrações, os empregadores já teriam vantagens porque pagariam uma tarifa apenas. A prefeitura argumentou que para o empregador é mais vantajoso pagar R$ 5,50, que R$ 8,80, por exemplo (duas vezes R$ 4,40).Para a Justiça, o argumento não tem base legal, assim como a justificativa da prefeitura de que o vale-transporte pode ser deduzido do Imposto de Renda das empresas empregadoras. Entretanto, dependendo do porte da empresa e da forma de tributação, os empregadores não conseguem esta dedução.Nem socorre a Municipalidade o argumento de que os empregadores aderentes ao programa de vale-transporte já teriam sido beneficiados pela instituição do Bilhete Único, por benefícios tributários em matéria de imposto de renda e de contribuição social sobre o lucro líquido, etc. Essas supostas vantagens não têm o condão de afastar a incidência do dispositivo legal acima transcrito.A prefeitura de Santo André, no decreto da tarifa, quis fazer uma manobra para tentar legalizar a tarifa de R$ 5,50 do Vale-Transporte. A lei federal estabelece que o Vale-Transporte deva ter o mesmo valor da tarifa vigente.Assim, a prefeitura elevou a tarifa oficial para R$ 5,50 e, depois, concedeu um “desconto” de R$ 1,10 para o pagamento pelo Bilhete Único Comum ou em dinheiro, deixando a tarifa na prática em R$ 4,40. A justiça viu vício de iniciativa na manobra.A prefeitura de Santo André pode recorrer mais uma vez.

Aguardando palavras...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais