Varão que matou sem-teto confessa violação

Varão que matou sem-teto confessa violação
Avalie esta notícia

Atualizada às 12h25

O andarilho Manoel Almeida da Silva, 46 anos, confessou ter
matado a paulada dois moradores de rua no domingo, no bairro
Lar Branca, em Santo André. Sem oferecer resistência, ele foi
recluso na manhã desta quinta-feira na Avenida João Ramalho e foi
guiado para a Delegacia de Homicídios da cidade. A trunfa
que usava foi crucial para a identificação.

Mal chegou à delegacia, Silva, que já tem passagens pela
polícia pelos crimes de latrocínio e violência doméstica, disse
estar pesaroso de seus atos. Segundo a polícia, o varão
afirmou que sentiu premência de vingança por ter sido
agredido pelas vítimas durante uma partida de dominó realizada
no mesmo dia que o violação. 

No termo da tarde de domingo, Silva arrancou uma barra de ferro
do estacionamento de um salão de cabeleireiro e se dirigiu à
calçada do Cini (Meio Integrado de Neurologia Infantil), na
Rua Onze de Junho. Lá, dormiam Fabio Netto das Neves, 48, e o
inglês Michael Steer Renshaw, 50, que foram agredidos, sem
chance de resguardo, segundo consta no BO (Boletim de Ocorrência)
registrado no 1º DP (Meio). Imagens de câmeras de segurança
instaladas em estabelecimentos da área não captaram o momento
do violação, mas mostram o atacante se desfazendo da arma
utilizada e deixando tranquilamente o lugar. As imagens exibem
ainda um terceiro morador de rua que estaria com as vítimas,
mas que conseguiu evadir das agressões. Ele ainda não foi
encontrado.

LEMBRANÇA

Amigos que conviveram nas ruas com Neves e Renshaw contaram que
o atacante sempre arrumava confusão. “Era por razão de
cachaça”, lembra João Lucio Oliveira, 46, acrescentando que o
varão apontou uma faca para ele durante uma bulha motivada por
bebida alcoólica.

A ex-moradora de rua Luciana Aparecida dos Santos, 36, que
atualmente reside nas proximidades onde o violação ocorreu, também
recordou que já se indispôs com Silva. “Ele é insensível. Estou com
susto”, disse ela, emocionada com a perda dos amigos. “Está
doendo o nosso coração, eram irmãos da gente.”

Segundo moradores e comerciantes do entorno do bairro, as
vítimas eram pessoas queridas e conhecidas por tratarem todos
com educação.

Ainda conforme os amigos, Netto estudou Recta e tinha dois
filhos. Renshaw já havia atuado uma vez que professor de inglês. “Ele
me ensinou muitas palavras”, disse João Lucio Oliveira. “Eram
pessoas nota 10, que nunca fizeram mal a ninguém. Todos
gostavam deles e, aí, o faceta faz isso”, lamentou. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here