Diferenças entre hepatite B e C

Diferenças entre hepatite B e C: Com cinco tipos diferentes de hepatite viral, pode ser difícil entender as diferenças entre eles. Algumas formas de hepatite recebem mais atenção do que outras, mas ainda é importante saber como são transmitidas, o que fazem e os passos que você pode dar para se proteger e ao seu fígado!

O que é Hepatite?

Hepatite significa “inflamação do fígado”. Um fígado pode inflamar-se por muitas razões, tais como muito álcool, lesões físicas, resposta auto-imune, ou uma reação a bactérias ou a um vírus. Os cinco vírus da hepatite mais comuns são A, B, C, D e E.

Alguns vírus da hepatite podem levar à fibrose, cirrose, falência hepática ou até mesmo ao câncer de fígado. Os danos ao fígado reduzem sua capacidade de funcionamento e dificultam a filtragem de toxinas pelo seu corpo.

Tanto a hepatite B quanto a C são patógenos transmitidos pelo sangue, o que significa que seu modo primário de transmissão é através do contato direto do sangue com o sangue de uma pessoa infectada. Além disso, tanto a hepatite B quanto a C podem causar infecções crônicas e permanentes que podem levar a doenças hepáticas graves.

Diferenças entre hepatite B e C

A hepatite B é mais comumente transmitida de mãe para filho durante o nascimento, enquanto a hepatite C é mais comumente transmitida através do uso de agulhas impuras usadas para injetar drogas.

Hepatite B vs. Hepatite C

Apesar de ter uma vacina eficaz, a hepatite B é a infecção hepática mais comum no mundo; estima-se que mais de 292 milhões de pessoas em todo o mundo vivem com hepatite B crônica.

Enquanto a hepatite C tende a receber mais atenção e financiamento para pesquisa, a hepatite B é consideravelmente mais comum e causa mais câncer hepático e morte em todo o mundo do que a hepatite C.

Combinadas, a hepatite B e C crônica representa aproximadamente 80% dos casos de câncer hepático no mundo. Entretanto, estudos mostram que aqueles com hepatite B crônica são mais propensos a morrer de complicações relacionadas ao fígado do que aqueles infectados pela hepatite C.

Com a hepatite C, a maioria das pessoas desenvolve cirrose, ou cicatrização do fígado, antes do câncer de fígado. Em certos casos de hepatite B, o câncer de fígado pode se desenvolver sem quaisquer sinais de cirrose, o que torna extremamente difícil prever o impacto do vírus sobre o corpo e torna a triagem do câncer de fígado mais complicada.

O vírus da hepatite B também é aproximadamente 5 a 10 vezes mais infeccioso que a hepatite C, e muito mais estável. Ele pode sobreviver – e permanecer altamente contagioso – em superfícies fora do corpo por até 7 dias se não for devidamente limpo com um desinfetante ou uma simples solução de alvejante.

Um novo estudo sugere que o vírus da hepatite B tem a capacidade de sobreviver em temperaturas extremas, enquanto o vírus da hepatite C tem sido conhecido por sobreviver fora do corpo por um curto período de tempo em superfícies com temperatura ambiente. Entretanto, será necessário fazer mais pesquisas sobre o assunto.

Outra grande diferença entre as duas formas de hepatite é como o vírus ataca uma célula.

O vírus da hepatite C opera como outros vírus; ele entra em uma célula saudável e produz cópias de si mesmo que continuam infectando outras células saudáveis. O vírus da hepatite B se reproduz de maneira semelhante, mas com uma grande diferença – o DNA circular covalentemente fechado.

O DNA circular covalentemente fechado (cccDNA) é uma estrutura que é exclusiva de apenas alguns vírus. Ao contrário de um vírus típico, o cccDNA da hepatite B se integra permanentemente ao DNA de uma célula saudável – um componente da célula que lhe permite funcionar adequadamente e produzir células mais saudáveis.

O cccDNA reside dentro de uma área essencial da célula chamada núcleo e pode permanecer lá mesmo que os níveis de antígeno de superfície da hepatite B (HBsAg) de uma pessoa infectada sejam indetectáveis. Sua presença significa que uma pessoa com hepatite B crônica pode ter um risco de reativação, mesmo que os níveis de HBsAg tenham sido indetectáveis por um longo período de tempo.

A natureza complexa e o processo de integração do cccDNA contribui para as dificuldades de encontrar uma cura para a hepatite B. A localização do cccDNA dentro do núcleo é especialmente problemática porque torna difícil isolar e destruir o cccDNA sem prejudicar o resto da célula.

A hepatite C, por outro lado, tem uma cura! Aprovada pela FDA em 2013, a cura é na forma de uma pílula antiviral que é tomada uma vez por dia ao longo de 8-12 semanas.

Para a hepatite C, a cura é definida como uma resposta virológica sustentada (SVR), o que significa que o vírus não é detectado no sangue de uma pessoa 3 meses após a conclusão do tratamento. Nos Estados Unidos, uma versão genérica e acessível da cura da hepatite C deverá ser lançada pela Gilead Sciences, Inc. em janeiro de 2019.

As pessoas que vivem com hepatite B crônica são suscetíveis à hepatite Delta. Somente as pessoas com hepatite B podem contrair também hepatite D. A hepatite Delta é considerada a forma mais grave de hepatite devido ao seu potencial de levar rapidamente a uma doença hepática mais grave do que apenas a hepatite B.

Dos 292 milhões de pessoas que vivem com hepatite B crônica, aproximadamente 15-20 milhões também vivem com hepatite D. Ao contrário das coinfecções por HIV e hepatite C, atualmente não há tratamentos aprovados pela FDA para a hepatite Delta. No entanto, há ensaios clínicos em andamento que estão pesquisando tratamentos potenciais!

Hepatite B/C Coinfecção

É possível ter ambas as hepatites B e C ao mesmo tempo. O vírus da hepatite C pode parecer mais dominante e reduzir a hepatite B a níveis baixos ou indetectáveis na corrente sanguínea. Antes do tratamento curativo da hepatite C, é importante que as pessoas façam o teste da hepatite B usando o teste de sangue em três partes (HBsAg, anti-HBc total e anti-HBs).

Pessoas atualmente infectadas com hepatite B (HBsAg positivo) ou aquelas que se recuperaram de infecções passadas (HBsAg negativo e anti-HBc positivo) devem ser cuidadosamente tratadas de acordo com as diretrizes de tratamento da Associação Americana para o Estudo de Doenças Hepáticas (AASLD), a fim de evitar a elevação perigosa das enzimas hepáticas, resultando em danos hepáticos.

Como se proteger

A vacina contra a hepatite B é a melhor maneira de se proteger e a sua família contra a hepatite B. Embora não exista vacina contra a hepatite C, você pode se proteger de ambas as infecções hepáticas seguindo precauções simples! Passos simples, como não compartilhar itens pessoais como lâminas ou escovas de dentes, lavar bem as mãos e desinfetar superfícies que tenham estado em contato com o sangue, podem manter seu fígado saudável!

 

Tanto a hepatite B quanto a C podem ficar crônicas e atacar o fígado levando a cirrose hepática.
Apesar da hepatite B estar mais relacionado ao desenvolvimento de Câncer no Fígado, ambas podem causar isso.
O tratamento sim é muito diferente, mas ambas existem tratamento para ambas se este estiver indicado.

Apesar da hepatite B estar mais relacionada a transmissão pela via sexual, a hepatite C Também pode ser transmitida por essa via.

A principal diferença entre as duas é a para a hepatite B existe vacina e para a hepatite C não.
Saiba mais aqui:

Fonte Hepatite C Hepatitis B Hepatitis A
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies