Alzheimer – Pensamentos Negativos Estão Ligados a Doença de Alzheimer

Alzheimer - Neurologista Para Alzheimer

Alzheimer – Pensamentos Negativos Estão Ligados a Doença de Alzheimer: Opiniões negativas sobre o envelhecimento ligadas ao aumento do risco de Alzheimer

A atitude negativa sobre o envelhecimento parece estar associada a uma maior probabilidade do mal de Alzheimer.

Um estudo na revista Psicologia e Envelhecimento examinou assuntos saudáveis e sem demência do Baltimore Longitudinal Study of Aging, o estudo científico mais antigo da nação sobre o envelhecimento.

Os participantes completaram uma pesquisa quando foram inscritos no estudo que destacou suas atitudes em relação ao envelhecimento. Foi-lhes perguntado se concordavam com afirmações negativas, tais como “Os idosos estão ausentes” e “Os idosos não podem aprender coisas novas”. Seus cérebros foram então examinados de duas maneiras: Os exames de ressonância magnética levaram mais de 10 anos e os estudos pós-morte dos 74 cérebros dos participantes que morreram em média 20 anos depois.

Os exames de ressonância magnética mostraram que aqueles que tinham crenças mais negativas sobre o envelhecimento mostraram um declínio maior no volume do hipocampo (uma parte do cérebro crucial para a memória), que é um indicador da doença de Alzheimer. Os estudos do cérebro pós-morte mostraram que aqueles com maiores atitudes negativas tinham mais placas beta-amilóides e emaranhados neurofibrilares, ambas marcas registradas da doença. Ainda não está claro se certos pensamentos podem induzir mudanças cerebrais, mas estes resultados sugerem um caminho para futuros tratamentos de prevenção.

O lado emocional do mal de Alzheimer

Em vez de tentar trazer as pessoas de volta à realidade, os cuidadores são aconselhados a empatizar e estabelecer uma conexão emocional.

A doença de Alzheimer é geralmente retratada como uma doença que afeta principalmente a memória e o pensamento, em parte porque os lapsos de memória são tão perceptíveis durante o início da doença. As pessoas nos estágios iniciais da doença começam a perder coisas, esquecem rostos outrora familiares, e lutam para se lembrar de eventos recentes. Outros problemas cognitivos logo se desenvolvem, incluindo uma menor capacidade de atenção, dificuldades com a linguagem e uma incapacidade de pensar logicamente. Nos estágios posteriores, as pessoas podem perder completamente a capacidade de falar. Eventualmente, muito do que consideramos pensamento consciente desaparece.

Mas os aspectos emocionais da doença podem ser igualmente importantes, especialmente para os amigos e familiares que servem como cuidadores. No lado negativo, os doentes de Alzheimer podem ter sentimentos de raiva, ansiedade, depressão, medo e solidão. No lado positivo, eles podem se sentir serenos e alegres, e são especialmente capazes de “viver o momento”. Joanne Koenig Coste, uma influente ativista do mal de Alzheimer – voltada para o aconselhamento, acredita que a perambulação, a agressão e outras mudanças comportamentais observadas nas pessoas com o mal de Alzheimer são a conseqüência direta de sentimentos que surgem por causa de suas dificuldades cognitivas. Em seu livro Aprendendo a Falar Alzheimer, ela o chama de “doença das emoções”.

É a infância ao contrário?

Nos anos 80, Barry Reisberg, neurologista da Universidade de Nova York, dividiu a progressão da doença de Alzheimer em estágios que correspondem ao desenvolvimento infantil, mas ao contrário. Assim, por exemplo, as pessoas no estágio “7e” que não podem mais sorrir estão no mesmo estágio de desenvolvimento que as crianças de 8″”16 semanas de idade. Um paciente “6b” que não pode mais tomar banho sem assistência é como uma criança de 4 anos. E assim por diante. Reisberg cunhou o termo “retrogênese” para descrever o fenômeno. Os exames cerebrais e outros estudos descobriram que o fenômeno tem uma base fisiológica.

Alguns especialistas em Alzheimer não gostam da analogia, temendo que isso leve à perda de dignidade e a um tratamento inadequado para adultos. Por outro lado, os pacientes com o Mal de Alzheimer parecem gostar de atividades simples como brincar com uma bola ou modelar a argila. Além disso, os conselhos para mostrar empatia e aumentar a auto-estima ecoam os conselhos dados aos pais e cuidadores de crianças pequenas.

Uma ênfase na vida emocional dos que sofrem é um tema importante no crescente número de livros dirigidos aos cuidadores. Estes livros de conselhos ainda têm dicas práticas sobre tudo, desde planejamento financeiro até apresentação de refeições (usar tigelas ao invés de pratos) e roupas (sem zíperes ou botões). Mas eles também têm dicas para melhorar a dinâmica interpessoal entre os cuidadores e as pessoas com a doença. Coste, por exemplo, refere-se muitas vezes à necessidade de proteger e reforçar a auto-estima. Freqüentemente isso significa não julgar e conceber maneiras de acomodar os déficits cognitivos sem chamar a atenção para eles. As pessoas com a doença parecem ter fortes memórias emocionais, mesmo de eventos recentes, muito depois de terem perdido a capacidade de formar outras menos carregadas emocionalmente. Como conseqüência, os cuidadores são instados a demonstrar afeto e se conectar a um nível emocional “” mesmo que a pessoa não consiga lembrar quem você é.

O apoio a esta abordagem vem principalmente de anedotas, da experiência pessoal e das memórias dos pacientes de Alzheimer nos estágios iniciais da doença (geralmente são escritas com a ajuda de um cuidador). Embora as intervenções comportamentais tenham sido testadas em ensaios clínicos, não há muito no caminho de provas científicas rigorosas a serem seguidas. No entanto Coste e outros autores e defensores são persuasivos quando argumentam que a navegação bem sucedida das necessidades emocionais dos pacientes de Alzheimer é essencial para um cuidado eficaz e humano. Como poderia ser de outra forma?

Aqui estão alguns dos conselhos que eles dão:

Entre no mundo deles. As pessoas com o mal de Alzheimer às vezes têm delírios; desafiar estes delírios pode apenas fazê-las se sentirem ameaçadas e inseguras. Em vez disso, você deve reconhecer a emoção subjacente e talvez redirecionar seu pensamento. Digamos que um paciente acusa falsamente alguém de roubar uma carteira ou uma carteira de bolso.

Paul Raia, diretor de atendimento ao paciente e apoio familiar do capítulo de Massachusetts da Associação Alzheimer, diz que você pode responder dizendo “Você deve se sentir terrível por falta de sua carteira de bolso. Se ela fala de sua mãe morta como se ainda estivesse viva, em vez de desabafar com ela, você pode dizer: “Sua mãe parece ser uma pessoa adorável”.

Fale-me sobre ela”. Às vezes, entrar neste mundo significa apenas brincar. Em seu livro, Coste conta uma história maravilhosa sobre seu marido, que desenvolveu Alzheimer em uma idade relativamente jovem, esfregando febrilmente o Teflon de uma frigideira. Ao invés de repreendê-lo por arruinar

  • Alzheimer’s Early Stages (Hunter House Inc., 1999, 2003) por Daniel Kuhn
  • Learning to Speak Alzheimer’s (Houghton Mifflin, 2003) por Joanne Koenig Coste
  • Talking to Alzheimer’s (New Harbinger Publications, 2001) por Claudia J. Strauss
    • Assumir um papel de liderança.
      • Este é um dos conselhos centrais na fase inicial do Alzheimer de Daniel Kuhn. Alguém tem que começar a tomar decisões e assumir a responsabilidade pela pessoa com o mal de Alzheimer. Especialmente se essa pessoa for seu pai, essa mudança pode envolver uma incômoda e volátil inversão de poder. É mais um ato de equilíbrio difícil: Você deve assumir o comando enquanto minimiza as deficiências das pessoas e maximiza seus pontos fortes.
    • Não os faça esperar.
      • Um tempo de atenção reduzido pode fazer esperar até mesmo alguns minutos para as pessoas com Alzheimer. Elas se tornam impacientes, agitadas, até mesmo agressivas. Às vezes, seus problemas com o banho, o asseio ou a alimentação são o resultado de esperar que um cuidador se organize, não a atividade em si.
    • Evite o excesso de estímulo.
      • Com a melhor das intenções, os cuidadores muitas vezes querem incluir entes queridos em reuniões familiares, especialmente durante as férias. Mas muitas pessoas com o mal de Alzheimer são sensíveis ao som, especialmente vários sons ao mesmo tempo. Um evento familiar raucoso pode ser esmagador. Em vez disso, pode-se considerar uma reunião menor com apenas uma ou duas pessoas. Outras estratégias incluem limitar as visitas a um par de horas e reservar tempo para uma soneca. Desligar a televisão e baixar o volume da música enquanto as pessoas estão conversando e comendo é outra gentileza.
    • Manter a pessoa fisicamente ativa.
      • Pessoas com doenças precoces têm dito que o exercício vigoroso parece afiar seu pensamento e assentá-los emocionalmente. Além disso, a doença de Alzheimer e a depressão muitas vezes andam de mãos dadas, e numerosos estudos têm demonstrado que o exercício é bom para a depressão. Em um estudo publicado em 2003 no Journal of the American Medical Association, pesquisadores da Universidade de Washington mostraram que o exercício, combinado com lições de gestão comportamental para cuidadores, melhorou a saúde física e aliviou a depressão em pessoas que sofrem de Alzheimer.
    • Cante uma canção.
      • As pessoas que sofrem do mal de Alzheimer geralmente permanecem capazes de desfrutar da música mesmo nos últimos estágios da doença. Estudos mostram que se você cantar para elas, elas respondem especialmente bem, tornando-se mais comunicativas, menos agressivas e menos propensas a gritar. Em um estudo publicado em 2003, pesquisadores do Instituto Karolinska na Suécia descobriram que tanto o canto do cuidador quanto a música de fundo tiveram efeitos positivos sobre os pacientes em estágio avançado. Eles se sentaram mais direitos, seus movimentos se tornaram mais fortes e regulares, e sua consciência melhorou. O canto dos cuidadores foi especialmente eficaz para atraí-los.

Dicas para falar com alguém com o mal de Alzheimer

Não grite!

Não grite. O problema não é a audição. Fale em um tom de voz calmo, uniforme e quente.

Não continue uma conversa com outra pessoa como se a pessoa não estivesse lá. É compreensível que isto aconteça quando a comunicação parece impossível, mas pessoas com experiência em cuidar de pacientes com Alzheimer dizem que os pacientes notam e se ressentem do fato de que estão sendo tratados como se não existissem. Uma queixa das pessoas nos estágios iniciais da doença é que os médicos falam com os familiares e não com eles, mesmo quando eles estão presentes.

Use palavras simples e comuns. Mas evite muitos pronomes. A pessoa pode ficar confusa sobre a quem “ele”, “ela” e “nós” estão se referindo.

Use declarações importantes em vez de perguntas abertas. “Você gostaria de um café?” é melhor que “O que você gostaria de beber?” Mas uma afirmação simples e convidativa como “Vamos tomar uma xícara de café” é ainda melhor.

Faça contato visual, toque a pessoa, seja consciente de sua linguagem corporal. Os sinais não verbais tornam-se cada vez mais importantes à medida que a doença corrói o pensamento voltado para a linguagem. Como estas indicações são tão importantes, falar ao telefone é muitas vezes um mau substituto para estar lá pessoalmente.

Diga coisas que expressem explicitamente emoções positivas. Em Talking to Alzheimer, Claudia J. Strauss sugere algumas coisas adoráveis que você pode dizer ao sair após uma visita: “Gostei tanto disto”, “Sempre me sinto bem depois de falar com você” e “Vê-lo é a melhor parte do meu dia”. Todas estas declarações enviam uma forte mensagem emocional.

Tire o máximo proveito da última palavra. Segundo a especialista em Alzheimer Joanne Koenig Coste, os doentes freqüentemente se agarram à última palavra em uma declaração, provavelmente porque é a mais fácil de ser lembrada. Se você perguntar: “Você gostaria de usar a camisa verde ou a azul?” apenas a palavra “camisa” pode ficar na mente da pessoa, e você não terá uma resposta. Mas Coste diz que “parceiros de cuidados” (um termo que ela prefere aos cuidadores) podem transformar esta tendência em vantagem para eles. Pergunte “Você gostaria de usar esta camisa verde hoje ou aquela que é azul?” e a pessoa dirá “azul”. Ela sente como se tivesse decidido por si mesma ao invés de ser informada do que vestir, mas a escolha foi feita tão facilmente que ela sente pouca ansiedade em relação a ela.

Consulte Com Um Especialista Agora (Online ou Presencial)

https://willianrezende.com.br/alzheimer

A Alzheimer é uma doença terrível, e todo nós sentimos receio dela fazer parte de nosso futuro ou das pessoas que amamos. Estudo recentes, afirmam que há a possibilidade de pensamentos negativos frequentes estarem relacionados ao Alzheimer precoce. Ou seja, nossos pensamentos negativos podem ser um fator importante para ocasionar essa doença.

Pesquisadores encontraram uma possível ligação entre pensamentos negativos recorrentes e o declínio cognitivo de pessoas acima dos 55 anos. Haveria também uma relação entre esse tipo de comportamento e a acumulação de proteína beta-amiloide no cérebro, associada à Doença de Alzheimer.

O pensamento negativo recorrente envolve contínuas projeções ruins em relação ao futuro e uma ruminação constante do passado, igualmente ligada a sentimentos desagradáveis. Todos sabemos que padrões de pensamentos negativos fazem um mal considerá-la a nós, e que eles são indicativos de doenças psicológicas como depressão. Se você possui esse tipo de pensamento, procure ajuda médica.

Nesse Vídeo, vou explicar mais sobre como os pensamentos negativos estão ligados a Alzheimer, o que os pensamentos negativos provocam, como anular pensamentos negativos, fique comigo nesse vídeo.

A doença de Alzheimer é uma doença neurodegenerativa que atinge o paciente e também aqueles que estão ao seu redor. Carinho neste momento é fundamental.

Neste Vídeo:
– Doença de Alzheimer
– Relação de Alzheimer e Pensamentos Negativos Repetitivos
– Cuidados Com Portadores de Alzheimer
– Dúvidas Sobre Doença de Alzheimer

Me acompanhe nos outros canais:

Site: http://willianrezende.com.br/
Facebook: http://facebook.com/neurologiahoje
LinkedIn: http://linkedin.com/in/willian-rezend…
E-mail: faleconosco@willianrezende.com.br

Inscreva-se no canal para saber tudo sobre neurologia, parkinson, insônia, dor miofacial, apneia do sono, alzheimer, esclerose múltipla, epilepsia, AVC, dor de cabeça e muito mais.

– Veja outros vídeos do canal:

Neurologista – Para Que Serve o Neurologista

Epilepsia – O Que é Epilepsia

Alzheimer – Quais São os Primeiros Sintomas do Alzheimer

Saliva – Porque Eu Tenho Muita Saliva – Sialorreia

Parkinson – O Que é Mal de Parkinson

Tremor no Olho – Porque Meu Olho Treme

Epilepsia – Como Curar Epilepsia

Sequelas do AVC – Como Tratar as Sequelas do AVC

Insônia – Como Acabar Com a Insônia

Pernas Inquietas – Como Aliviar Síndrome das Pernas Inquietas

Alzheimer – Pensamentos Negativos Estão Ligados a Doença de Alzheimer

🎯 Consulte Com Um Especialista Agora (Online ou Presencial)
https://willianrezende.com.br/alzheimer

Mais Informações sobre Alzheimer na Internet
Aguardando palavras...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais