Doenças Comuns Em Mulheres
Doenças Comuns Em Mulheres
Doenças Comuns em Mulheres Adultas
5 100% 13 votos

Doenças Comuns!?!? – A maioria das pessoas já ouviu falar de mulheres que tiveram alguma doença considerada comum, mas poucas sabem como prevenir, como tratar e quais são as consequências dessas doenças.

Neste artigo, citaremos algumas doenças comuns em mulheres adultas.

Doenças Comuns em Mulheres – Doenças Ginecológicas

Antes de citar algumas das doenças comuns, é relevante frisar a importância de se consultar com um ginecologista, os exames de rotinas são cruciais para evitar um desenvolvimento sério de doenças.

Doencas Comuns Em Mulheres
Doenças Comuns Em Mulheres
  • Candidíase: A candidíase atinge cerca de 75% das mulheres, e não é categorizado como doença sexualmente transmissível, pois não é exclusivamente dessa maneira que se contrai candidíase. Esta infecção é causada pelo fungo Candida albicans (Monilia), e causa corrimento de característica espessa e esbranquiçada, podendo também incluir irritação ou coceiras intensas.

 

    • Prevenção: A higiene da vagina deve ser feita apenas com água, mas esse conceito ainda é estranhado pelas mulheres. Por isso, para aquelas que não conseguirem se adaptar a lavar apenas com água, deve-se lavar com sabonetes de pH neutro. Além disso, o uso da camisinha previne o contágio.
    • Tratamento: Ginecologistas prescrevem cremes para aplicar no local, dependendo da situação, podem até incluir antibióticos (como corticóide). Outra opção é tratar por antifúngicos em comprimido.

 

  • Corrimento ou Vaginite: Para uma vagina saudável, é normal expelir alguns tipos de corrimento, pois a vagina possui secreção de líquidos, isso é um fato fisiológico saudável e normal. No entanto, há casos em que a secreção tem alteração de cor, além de ser acompanhada de outros sintomas. Se seu corrimento está amarelado, amarelo-esverdeado ou cinza, pode significar infecção, inflamação, tricomoníase ou vaginose bacteriana.

 

No caso da vaginite, a secreção vem acompanhada de um odor desagradável que tem relação com infecções, vulvites, vulvovaginites, DSTs e infecções cervicais ou do colo do útero.

  • Prevenção: Não utilizar antibióticos sem necessidade, evitar uso constante roupas apertadas, manter a saúde íntima e alimentação saudável.
  • Tratamento: Pode ser realizado com alimentação enriquecida de lactobacilos, também podem ser usados géis de ácido acético e géis de ácido láctico. Cremes hormonais também são uma opção.

Na consulta, a médica me deu um espéculo – o aparelho que o ginecologista usa para abrir a vagina e examinar – e pediu que eu mesma abrisse. Depois, com um espelhinho me mostrou o interior da minha vagina e o colo do meu útero. É bem interessante essa experiência de encarar suas entranhas sexuais pela primeira vez.

Doenças Comuns em Mulheres – Doenças Psicológicas

Doencas Comuns Em Mulheres 2
Doenças Comuns Em Mulheres 2
  • Depressão: A depressão é uma doença psicológica comum, mas nas mulheres, as causas são um pouco mais variadas. Muitas vezes, as mulheres seguem dupla jornada (trabalhar fora de casa, voltar pra casa e continuar trabalhando – cozinhando, cuidando dos filhos, entre outros), o que pode ser desgastante.

“Eu sou mais legal comigo mesma agora, o que é uma grande coisa. Agora, eu me sinto menos boba por tirar um tempo egoísta para mim. Sou melhor em lutar contra o monstro da ansiedade. Eu sou melhor em vencer a depressão. Não sou perfeita, mas considerando o fato de que eu fui para metade das minhas aulas durante as três semanas em que eu estava depressiva no último semestre, acho que me saí bem. Se isso tivesse sido dois anos atrás, eu não teria ido para nenhuma. Eu teria apenas desaparecido do mapa.” – Emily Tang

 

Além desses fatores, as mulheres também lidam com exigências massacrantes sociais (como padrões de beleza), e quando não se encaixam no mesmo, podem se sentir inferiorizadas ou deprimidas.

  • Prevenção: Para prevenir a depressão, é muito importante cuidar da saúde mental, seguir uma rotina com psicólogo ou outro profissional que possa ajudar nesse quesito. Além disso, conversar com o(a) parceiro(a) sobre a divisão de tarefas pode ser uma solução para o estresse da dupla jornada.
  • Tratamento: O tratamento requer atendimento de um psicólogo, e em alguns casos de um psiquiatra, que dependendo do caso pode receitar remédios controlados.

 

  • Ansiedade: Fatores isolados como preocupar-se constantemente com as tarefas diárias, associados a outros motivos dependendo de cada caso, podem gerar uma ansiedade que com o tempo pode acarretar em um transtorno da ansiedade.

“Em pouco tempo eu estava dormindo entre 13 e 16 horas por dia. Quando penso naquele tempo, o mais doloroso é que eu conseguia ver que os meus amigos estavam tentando me ajudar. Eles vinham até o meu quarto, e eu ficava apenas olhando para o computador e não olhava ou falava com eles. Eu apenas não conseguia. Eles saíam e eu queria que eles ficassem. Mas por que eles ficariam se eu não estava interagindo nada com eles?” – Justin Bullock

    • Prevenção: Práticas naturais podem ser de grande ajuda, como yoga, pilates, meditação e o consumo de florais.
    • Tratamento: As práticas naturais citadas na prevenção podem ajudar no tratamento também, apesar da maioria dos casos ser necessário auxiliar a outros tratamentos terapêuticos.

Doenças Comuns em Mulheres – Doenças de Pele

“Porém, grande parte desses pacientes (senão a imensa maioria) reluta em aceitar um encaminhamento para o psiquiatra”

  • Câncer de Pele: Infelizmente, uma das doenças mais comuns de pele que atingem mulheres, é o câncer de pele. Ademais, o câncer de pele é o tipo mais comum de câncer no mundo. Isso ocorre pois ficamos muito tempo expostos a ambientes externos e ao sol. Os locais mais comuns de serem atingidos pelo câncer de pele são o rosto, braços, mãos e peito.

    • Prevenção: É muito importante utilizar protetor solar, todos os dias, principalmente se você está em constante exposição ao sol.
    • Tratamento: O tratamento depende do estágio do câncer e do tipo, mas poderá incluir cirurgia, quimioterapia e radioterapia, entre outros.

Doenças Comuns em Mulheres – Indicações

“Quando eu tinha 5 anos um tio veio morar na minha casa, e certa noite, ele tentou abusar de mim. A partir daí, eu passei a arrancar (fios de cabelo). Os meus pais estranharam as falhas cada vez maiores no cabelo e decidiram me levar ao pediatra, que nos direcionou a uma psicóloga. Já passei por quatro psicólogos e quatro psiquiatras.

Recebi o diagnóstico aos 7 anos, mas foi muito difícil. Já passei por vários tratamentos, mas o que mais vem dando resultado é a conciliação do psiquiatra e do psicólogo. No início foi superdifícil, o preconceito era enorme, eu não me aceitava, usava penteados para tampar, bonés, boinas, tiaras, cheguei até a usar peruca. Um ponto fundamental para essa doença é o apoio.

Minha família sempre foi muito presente. Na época dos meus 15 anos, meu cabelo estava até grandinho, mas alguns meses antes tive uma recaída. Todos os meninos da minha sala rasparam a cabeça em demonstração de carinho. Quando vi minha melhor amiga com o cabelo curto, percebi que eu não sou um diagnóstico.

Com auxílio psicológico eu aprendi que o maior preconceito é o que está na nossa mente. Aprendi a lidar comigo mesma e a me achar linda apesar de ser como uma montanha-russa. Foi maravilhoso me redescobrir e entender que eu sou a Kauany, eu não sou a tricotilomania!” – Kauany Stéfane Santos – 17 anos, estudante – Nova Serrana (MG)