Espasmos no Sono – O que é Espasmo no Sono – neurologista

Espasmos no Sono – O que é Espasmo no Sono: A perda do sono aumenta a sensibilidade à dor; descanso e cafeína podem funcionar melhor que os analgésicos

Mais Sono, Menos Dor?

A perda do sono aumenta a sensibilidade à dor; descanso e cafeína podem funcionar melhor que os analgésicos

A perda crônica do sono aumenta a sensibilidade à dor, de acordo com um novo estudo dos pesquisadores da Escola Médica de Harvard no Boston Children’s Hospital e Beth Israel Deaconess Medical Center.

O estudo sugere que as pessoas que sofrem de dor crônica podem obter alívio ao dormir mais, ou, abreviando, ao tomar medicamentos para promover a vigília, como a cafeína.

Ambas as abordagens foram melhores que os analgésicos padrão em um estudo rigoroso descrito na Nature Medicine em 8 de maio.

O fisiologista da dor Alban Latremoliere (Médico do Sono), pesquisador do HMS em neurologia na Boston Children’s, e a fisiologista do sono Chloe Alexandre, instrutora do HMS em neurologia na Beth Israel Deaconess, que foram co-autores do estudo, mediram com precisão os efeitos da perda aguda ou crônica do sono na sonolência e na sensibilidade a estímulos dolorosos e não dolorosos.

Em seguida, testaram medicamentos padrão para dor, como ibuprofeno e morfina, bem como agentes promotores de vigília, como a cafeína e o modafinil.

Suas descobertas revelam um papel inesperado de alerta no estabelecimento da sensibilidade à dor.

Espasmos no Sono - O que é Espasmo no Sono - neurologista

A pesquisa foi apoiada por um programa dos Institutos Nacionais de Saúde que exigiu que um cientista da dor se juntasse a um cientista não-dolor para abordar uma área de pesquisa completamente nova, disse Thomas Scammell, professor de neurologia do HMS em Beth Israel Deaconess e co-autor sênior do estudo.

“Esta colaboração interdisciplinar permitiu a nossos laboratórios descobrir ligações insuspeitas entre sono e dor, com implicações clínicas acionáveis para melhorar o manejo da dor”, disse Scammell.

Entretenimento personalizado

A equipe começou medindo os ciclos normais do sono, usando pequenos fones de ouvido que faziam leituras eletroencefalográficas (EEG) e eletromiográficas (EMG).

“Para cada rato, temos dados de base exatos sobre quanto dormem e qual é sua sensibilidade sensorial”, disse Latremoliere, que trabalha no laboratório de Clifford Woolf, professor de neurologia da HMS e Boston Children’s e co-autor sênior do estudo.

Em seguida, ao contrário de outros estudos sobre o sono que forçam os ratos a permanecer acordados caminhando por esteiras ou caindo de plataformas, Alexandre, Latremoliere e colegas privaram os ratos do sono de uma forma que imita o que acontece com as pessoas: Eles os entretinham.

“Desenvolvemos um protocolo para dormir cronicamente – privar os ratos do sono de uma maneira desestruturada, fornecendo-lhes brinquedos e atividades no momento em que deveriam dormir, prolongando assim o período de vigília”, disse Alexandre, que trabalha no laboratório Scammell.

“Isto é semelhante ao que a maioria de nós faz quando ficamos acordados um pouco demais assistindo TV tarde da noite todos os dias da semana”, disse Alexandre.

Para manter os ratos acordados, os pesquisadores também vigiaram, fornecendo os ratos com brinquedos feitos sob medida, como se fosse uma bandeira de interesse, tendo cuidado para não estimulá-los demais.

“Os ratos adoram fazer ninhos, então quando começavam a ficar sonolentos, como visto pelo padrão EEG/EMG, nós lhes dávamos materiais de nidificação como uma toalhita ou uma bola de algodão”, disse Latremoliere.

“Os roedores também gostam de mastigar, então introduzimos muitas atividades baseadas na mastigação; por exemplo, ter que mastigar através de algo para chegar a uma bola de algodão”.

Desta forma, eles mantiveram grupos de seis a 12 ratos acordados por até 12 horas em uma sessão, ou seis horas por cinco dias consecutivos, monitorando a sonolência e os hormônios do estresse (para garantir que não estivessem estressados) e testando a dor ao longo do caminho.

Espasmos no Sono - O que é Espasmo no Sono - neurologista
Espasmos no Sono – O que é Espasmo no Sono – neurologista

A sensibilidade à dor foi medida de forma cega, expondo os ratos a quantidades controladas de calor, frio, pressão ou capsaicina – o agente em pimentas quentes – e depois medindo quanto tempo o animal levou para se afastar ou lamber o desconforto causado pela capsaicina. Os pesquisadores também testaram respostas a estímulos não dolorosos, tais como pular quando assustado por um som alto e repentino.

“Descobrimos que cinco dias consecutivos de privação moderada do sono podem exacerbar significativamente a sensibilidade à dor ao longo do tempo em ratos que de outra forma seriam saudáveis”, disse Alexandre. “A resposta foi específica à dor, e não foi devido a um estado de hiperexcitabilidade geral a quaisquer estímulos”.

Analgésicos vs. agentes promotores de vigília

Os analgésicos comuns como o ibuprofeno não bloquearam a hipersensibilidade à dor induzida pela perda do sono. Mesmo a morfina perdeu a maior parte de sua eficácia em camundongos com privação de sono.

Se resultados semelhantes forem observados em pessoas, isso sugere que os pacientes que usam esses medicamentos para alívio da dor têm que aumentar sua dose para compensar a perda do sono, aumentando assim seu risco de efeitos colaterais.

Em contraste, a cafeína e o modafinil, drogas usadas para promover a vigília, bloquearam com sucesso a hipersensibilidade à dor causada tanto pela perda aguda quanto crônica do sono.

Em ratos sem privação de sono, a cafeína e o modafinil não tinham propriedades analgésicas.

“Isto representa um novo tipo de analgésico que não havia sido considerado antes, um analgésico que depende do estado biológico do animal”, disse Woolf, diretor do F.M. Kirby Neurobiology Center no Boston Children’s. “Tais drogas poderiam ajudar a interromper o ciclo da dor crônica, no qual a dor perturba o sono, o que depois promove a dor, o que perturba ainda mais o sono”.

  • Uma nova abordagem para a dor crônica?

Com base em suas descobertas em camundongos, os pesquisadores supõem que ao invés de apenas tomar analgésicos, os pacientes com dor crônica poderiam se beneficiar de melhores hábitos de sono ou tomar medicamentos promotores de sono à noite, juntamente com agentes promotores de alerta durante o dia para tentar quebrar o ciclo da dor.

Alguns analgésicos já incluem a cafeína como ingrediente, embora seu mecanismo de ação ainda não seja conhecido. Tanto a cafeína quanto o modafinil impulsionam os circuitos de dopamina no cérebro, o que pode fornecer uma pista.

“Muitos pacientes com dor crônica sofrem de sono deficiente e fadiga diurna, e alguns próprios medicamentos para a dor podem contribuir para essas co-morbidades”, disse Kiran Maski, especialista em distúrbios do sono na Boston Children’s. “Este estudo sugere uma nova abordagem para o controle da dor que seria relativamente fácil de implementar nos cuidados clínicos”.

“A pesquisa clínica é necessária para entender qual é a duração do sono necessária e para testar a eficácia dos medicamentos promotores do sono em pacientes com dor crônica”, acrescentou Maski.

Este trabalho foi apoiado por subsídios dos Institutos Nacionais de Saúde (R01DE022912, R01NS038253). O Neurodevelopmental Behavior and Pharmacokinetics Cores at Boston Children’s Hospital, o Metabolic Physiology Core at Beth Israel Deaconess (P30DK057521) e o P01HL09491 também apoiaram este estudo.

Adaptado de um comunicado à imprensa conjunto da Diaconisa da Criança de Boston/Beth Israel.

🎯 Consulte Com Um Especialista Agora (Online ou Presencial)!
Apneia do Sono – Neurologista SP

Um puxão hipnagógico é um espasmo muscular involuntário que ocorre quando uma pessoa está caindo no sono.
O fenômeno é assim chamado em referência ao estado hipnagógico – o período de transição entre a vigília e o sono . Golpes hipnagógicos, também são comumente conhecidos como empurrões hipnóticos ou inícios de sono.

Os espasmos musculares podem ocorrer espontaneamente ou podem ser induzidos por som, luz ou outros estímulos externos. Algumas pessoas relatam contrações hipnóticas acompanhadas de alucinações, sonhos, sensação de queda, luzes fortes ou ruídos vindos de dentro da cabeça.

O início do sono é bastante comum, com algumas pesquisas sugerindo que 60 a 70 por cento das pessoas as experimentam. Muitos indivíduos podem ser visitados por idiotas noturnos e hipnóticos, mesmo sem saber, já que as contrações musculares muitas vezes não são lembradas, particularmente se não causam o despertar de uma pessoa.

Alguns cientistas acreditam que certos fatores, como estresse, ansiedade, fadiga, cafeína e privação de sono , podem aumentar a freqüência ou a gravidade de contrações hipnóticas, mas faltam pesquisas conclusivas sobre o assunto. Atividades físicas intensas ou exercícios à noite também podem contribuir para o aumento de contrações hipnóticas, disse Michelle Drerup, psicóloga e especialista em medicina do sono comportamental do Centro de Distúrbios do Sono da Cleveland Clinic, em Ohio.

Os pesquisadores também não sabem ao certo por que surtos hipnóticos ocorrem, mas existem algumas teorias.

Uma hipótese diz que os empurrões hipnóticos são uma parte natural da transição do corpo do estado de alerta para o sono, e ocorrem quando os nervos “disparam” durante o processo.

Outra idéia popular adota uma abordagem mais evolucionária para sacudidelas hipnóticas, explicando que os espasmos são um antigo reflexo dos primatas no relaxamento dos músculos durante o início do sono – o cérebro essencialmente interpreta mal o relaxamento como um sinal de que o primata adormecido está caindo de um árvore, e faz com que os músculos reajam rapidamente.

Fonte para vídeo: https://www.ninds.nih.gov/Disorders/Patient-Caregiver-Education/Fact-Sheets/Myoclonus-Fact-Sheet

🎯 Consulte Com Um Especialista Agora (Online ou Presencial)!
https://willianrezende.com.br/apneiadosono

Me acompanhe nos outros canais:

Site: http://willianrezende.com.br/
Facebook: http://facebook.com/neurologiahoje
LinkedIn: http://linkedin.com/in/willian-rezend…
E-mail: faleconosco@willianrezende.com.br

Inscreva-se no canal para saber tudo sobre neurologia, parkinson, insônia, dor miofacial, apneia do sono, alzheimer, esclerose múltipla, epilepsia, AVC, dor de cabeça e muito mais.

– Veja outros vídeos do canal:

Neurologista – Para Que Serve o Neurologista

Epilepsia – O Que é Epilepsia

Alzheimer – Quais São os Primeiros Sintomas do Alzheimer

Saliva – Porque Eu Tenho Muita Saliva – Sialorreia

Parkinson – O Que é Mal de Parkinson

Tremor no Olho – Porque Meu Olho Treme

Epilepsia – Como Curar Epilepsia

Sequelas do AVC – Como Tratar as Sequelas do AVC

Insônia – Como Acabar Com a Insônia

Pernas Inquietas – Como Aliviar Síndrome das Pernas Inquietas

#Sono
#EspasmoNoSono
#DistúrbiosDoSono
#WillianRezende
#Neurologia
#Neurologista

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies