Síndrome de Burnout: O que é, Sintomas e Como Tratar: Conhecida como Síndrome de Burnout ou Síndrome do Esgotamento Profissional é um Distúrbio Emocional com Sintomas de Exaustão Extrema.

  • Estresse,
  • Esgotamento Físico

Tudo como resultado de muitas situações do dia à dia do nosso trabalho, que além de corrido é totalmente desgastante. Demandam muita competitividade ou responsabilidade.

Vamos falar também saber o caso mais famoso atualmente da Jornalista. Funcionaria a qual o Juiz mandou a Rede Globo de Televisão retornar após licença médica.

Motivo: Síndrome de Burnout ou Síndrome do Esgotamento Profissional

Síndrome de Burnout: O que é, Sintomas e Como Tratar

Cargas de trabalho a cada dia mais e mais exigentes. Pressões sobre o prazo de entrega. Esses são dois dos fatores da vida gerencial moderna de um profissional. Quem não se sente Sobrecarregado ou Forçado a dar além do limite, às vezes? Porém, quando o estresse no trabalho incansavelmente leva você ao estado debilitante. Esse é o que chamamos de Burnout (Síndrome de Burnout ou Síndrome do Esgotamento Profissional é um Distúrbio Emocional).

Problema grave e muito sério, afetando não apenas o seu próprio Desempenho e Bem-estar. Tanto no trabalho como fora dele. Pois em contra partida também leva junto o da sua equipe e da sua organização.

Dados Concretos são Ilusórios sobre o Burnout

Dados concretos sobre a prevalência de burnout são ilusórios, pois ainda não é um termo clínico especifico e totalmente separado do “estresse”. Alguns pesquisadores dizem que apenas 7% (sete) dos profissionais foram seriamente afetados pelo Burnout.

Mas outros têm taxas documentadas de até 50% (cinquenta) entre Médicos residentes e 85% (oitenta e cinco) entre profissionais do setor financeiro. Uma pesquisa de 2013 da ComPsych com mais de 5.100 trabalhadores norte-americanos descobriu que 62% (sessenta e dois) sentiram:

  • altos Níveis de Estresse,
  • Perda de Controle e
  • Fadiga Extrema.

A mesma pesquisa também vinculou esse esgotamento físico e psicológico a muitos Resultados Negativos de Saúde Física e Mental. Incluindo mas não se limitando à:

Além disso, demonstrou-se que o esgotamento produz sentimentos de Futilidade e Alienação, prejudica a qualidade dos relacionamentos e diminui as perspectivas de carreira a longo prazo.

Considere o caso de Ediomar (sobrenome confidencial), CEO, cargo com o qual sempre sonhou. Em uma empresa de relações públicas que atende a clientes do setor de tecnologia. Durante o colapso da bolha das pontocom em meados do inicio dos anos 2000 e 2001, o desafio de manter seus negócios à tona adicionou um estresse extra a uma carga de trabalho já intensa.

Focada nessa “agitação implacável”, ela negligenciou sua Saúde, perdeu a perspectiva e começou a duvidar de suas próprias habilidades. Ediomar (que não é seu nome verdadeiro), uma parceira no escritório de Filadélfia de um escritório de advocacia global, bateu o mesmo tipo de parede depois que concordou em assumir várias funções de liderança lá, além de gerenciar sua prática jurídica em tempo integral.

“Eu senti como se meu corpo estivesse correndo adrenalina – tentando fazer uma maratona em um ritmo acelerado – o tempo todo”, lembra ela.

E, no entanto, ela não podia voltar mentalmente do trabalho. Outro executivo que eu conheço – vamos chamá-lo de Ari – sentiu-se preso em seu papel de consultor em uma empresa de boutique. A dinâmica interna tóxica e as práticas de relacionamento com o cliente que se chocavam com seus valores haviam erodido seu senso de identidade a ponto de ele não saber como prosseguir – ou sair.

Nos últimos 15 (quinze) anos, atuando como Coach, Pesquisadora e também Educadora, ajudei milhares de Clientes, Estudantes e Participantes de programas de desenvolvimento executivo em situações semelhantes a aprender a gerenciar o estresse que pode causar desgaste e, finalmente, alcançar uma carreira mais sustentável sucesso.

O processo envolve perceber e reconhecer os sintomas, examinar as causas subjacentes e desenvolver estratégias preventivas para combater seu padrão específico de esgotamento.

Três Componentes – Síndrome de Burnout

Graças à pesquisa pioneira da psicóloga Christina Maslach e de vários colaboradores, sabemos que o burnout é uma síndrome de três componentes que surge em resposta a estressores crônicos no trabalho.

Vamos Examinar cada Sintoma

  • Exaustão,
  • Cinismo e
  • Ineficácia

cada um em sua vez.

Exaustão é o Sintoma Central do Burnout

Exaustão e o Burnout: Ela compreende um profundo cansaço físico, cognitivo e emocional que prejudica a capacidade das pessoas de trabalhar de forma eficaz e se sentirem positivas sobre o que estão fazendo. Isso pode resultar das demandas de uma cultura organizacional sempre ativa, 24 horas por dia, 7 dias por semana, intensa pressão de tempo ou simplesmente ter muito o que fazer, especialmente quando você não tem controle sobre seu trabalho, não gosta dele ou não possui as habilidades necessárias para conseguir isso.

Em um estado de exaustão, você descobre que não consegue se concentrar ou ver o quadro geral; mesmo as tarefas rotineiras e anteriormente agradáveis ​​parecem árduas e torna-se difícil arrastar-se para dentro e para fora do escritório. Foi assim que começou o esgotamento de Ediomar. O tanque de combustível estava baixo e não estava sendo reabastecido adequadamente.

Mudanças no nível do trabalho, equipe ou organização são frequentemente necessárias.

Cinismo e a Síndrome do Brunout

Cinismo: As vezes também é lembrando após ser chamado de Despersonalização, representa uma erosão do envolvimento. É essencialmente uma maneira de se distanciar psicologicamente do seu trabalho. Em vez de se sentir investido em suas tarefas, projetos, colegas, clientes e outros colaboradores, você se sente desapegado, negativo e até insensível. O cinismo pode ser o resultado da sobrecarga de trabalho, mas também é provável que ocorra na presença de alto conflito, injustiça e falta de participação na tomada de decisão. Por exemplo, depois de ignorar diretrizes repetidas para fornecer soluções que não solucionavam os problemas dos clientes, Ari percebeu que a batalha constante com seus chefes estava afetando seu próprio comportamento.

“Eu estava falando besteira e sombreando a verdade com mais frequência do que respeitoso e honesto”, explica ele. O cinismo persistente é um sinal ao qual você perdeu a conexão, o prazer e o orgulho de seu trabalho.

Ineficácia e o Burnout

Ineficácia: Refere-se a sentimentos de incompetência e falta de conquista e produtividade. As pessoas com esse sintoma de esgotamento sentem suas habilidades diminuindo e se preocupam com o fato de não conseguirem ter sucesso em determinadas situações ou realizarem determinadas tarefas. Geralmente, ela se desenvolve em conjunto com a exaustão e o cinismo, porque as pessoas não conseguem ter o desempenho máximo quando estão sem combustível e perdem a conexão com o trabalho.

Por exemplo, apesar de Ediomar ser uma profissional experiente em relações públicas, o estresse da crise das pontocom e o cansaço resultante a levaram a questionar sua capacidade de atender clientes e manter o negócio prosperando. Mas o esgotamento também pode começar com ineficácia se você não tiver os recursos e o suporte necessários para realizar bem o seu trabalho, incluindo tempo, informações, expectativas claras, autonomia e bons relacionamentos com aqueles cujo envolvimento você precisa para ter sucesso.

A ausência de feedback e reconhecimento significativo, o que faz você pensar sobre a qualidade do seu trabalho e sentir que não é apreciado, também pode ativar esse componente. Essa era a situação para Ari, que sentiu que era forçado a funcionar em um nível inferior, porque sua organização não se importava o suficiente para apoiar o bom desempenho.

Embora cada componente esteja correlacionado com os outros dois e um leve a outro, os indivíduos também têm perfis de burnout distintos. Michael Leiter, um colaborador de longa data de Maslach, está examinando isso em sua pesquisa atual. Ele descobriu, por exemplo, que algumas pessoas estão exausta, mas ainda não desenvolveram cinismo ou começaram a duvidar de seu desempenho. Outros são principalmente cínicos ou sofrem mais com sentimentos de eficácia reduzida.

As pessoas também podem ter alta em dois componentes e pouca em uma. Embora a maioria das estratégias de prevenção e recuperação que discutiremos sejam projetadas para abordar os três sintomas, é uma boa ideia diagnosticar seu perfil de burnout específico para que você saiba onde precisa de mais ajuda.

Recuperação e Prevenção do Bournout

Tratamento para a Síndrome de Bournout além dos fatores situacionais são os maiores contribuintes para o esgotamento; portanto, mudanças no nível do trabalho, equipe ou organização são frequentemente necessárias para resolver todos os problemas subjacentes.

No entanto, existem etapas que você pode executar por conta própria depois de conhecer os sintomas e o que pode estar causando esses sintomas. Aqui estão algumas estratégias que eu achei bem-sucedidas com meus clientes.

Priorize o Autocuidado

É essencial reabastecer sua energia física e emocional, juntamente com sua capacidade de concentração, priorizando bons hábitos de sono, nutrição, exercício, conexão social e práticas que promovam a equanimidade e o bem-estar, como meditar, registrar em diário e apreciar a natureza.

Se você preferir assistir ao Vídeo sobre Burnout direto do YouTube clique aqui

Se você está tendo dificuldades para incluir essas atividades em sua agenda lotada, reserve uma semana para avaliar exatamente como está gastando seu tempo. (Você pode fazer isso no papel, em uma planilha ou em um dos muitos aplicativos relevantes agora disponíveis.)

O artigo está tão grande, que você não deve lembrar o que está lendo né, mas é Síndrome de Burnout: O que é, Sintomas e Como Tratar – Vença!.

Para cada intervalo de tempo, registre o que está fazendo, com quem está, como se sente (por exemplo, em uma escala de 1 a 10, onde 0 é igual a raiva ou esgotado e 10 é alegre ou energizado) e quão valiosa é a atividade.

Isso ajudará você a encontrar oportunidades para limitar sua exposição a tarefas, pessoas e situações que não são essenciais e deixar você de mau humor; aumente seu investimento naqueles que aumentam sua energia; e abrir espaço para um tempo repousante e positivo longe do trabalho.

Ediomar diz que se recuperou de um ataque de cansaço ao “aprender a fazer coisas que me enchem”.

Atualmente, quando percebe que está se sentindo cansada demais ou começa a duvidar de si mesma, muda imediatamente seu comportamento, fazendo uso de opções flexíveis de trabalho , organizando reuniões a pé para sair do escritório e estabelecendo limites para a quantidade de tempo que ela passa lendo e-mails e recebendo ligações de colegas e clientes.

Após sua crise, Cheryl também se tornou muito mais intencional em relação ao seu tempo livre.

“Acho que ir embora, mudar de cenário e ‘reduzir um pouco’ permite que meu corpo e mente se rejuvenescam”, diz ela.

“E a minha criatividade se beneficia: tenho mais momentos felizes e sou mais capaz de conectar os pontos”.

Mude sua Perspectiva

Embora o descanso, o relaxamento e o reabastecimento possam aliviar a exaustão, reduzir o cinismo e aumentar a eficácia, eles não tratam completamente as causas do esgotamento. De volta ao escritório, você ainda pode enfrentar a mesma carga de trabalho impossível, conflitos insustentáveis ​​ou recursos insignificantes. Portanto, agora você deve examinar atentamente sua mentalidade e suposições.

Quais aspectos da sua situação são realmente fixos e quais você pode mudar?

Alterar sua perspectiva pode amortecer o impacto negativo mesmo dos aspectos inflexíveis. Se a exaustão for um problema-chave, pergunte-se quais tarefas – incluindo as críticas – você pode delegar para liberar tempo e energia significativos para outros trabalhos importantes.

Existem maneiras de remodelar seu trabalho para ganhar mais controle ou se concentrar nas tarefas mais gratificantes? Se o cinismo é uma questão importante, você pode se proteger das partes da organização que o frustram, enquanto se envolve novamente em seu papel específico e em toda a empresa?

Ou você poderia construir alguns relacionamentos positivos e de apoio para neutralizar aqueles que o drenam? E se você estiver se sentindo ineficaz, que assistência ou desenvolvimento poderá procurar?

Se o reconhecimento estiver ausente, você poderia se envolver em alguma marca pessoal para mostrar seu trabalho?

Cheryl trabalhou com um treinador executivo para avaliar e redefinir suas prioridades. “Trabalho em um campo competitivo e sou uma pessoa competitiva, que pode distorcer a maneira como você vê a realidade”, explica ela.

“No passado, eu não ousava dizer não a oportunidades de liderança porque tinha medo de que, se o fizesse, tudo desaparecesse”. Ela diz que agora substituiu essa mentalidade de “escassez” por uma que, em vez disso, pressupõe abundância.

“Agora, se eu me exceder, me perguntarei: existe uma maneira de injetar alegria de volta nesse papel ou é hora de desistir? E entendo que, quando quero assumir algo, preciso decidir o que desistir para ganhar espaço. ”

Ari fez o mesmo tipo de pensamento profundo. Embora ele já tivesse se sentido comprometido com seu trabalho – a empresa era prestigiada, o salário era bom -, ele percebeu que os valores e a ética significavam mais para ele do que qualquer benefício, então acabou desistindo e começou seu próprio negócio.

“Depois que recuei algumas vezes e disse que o que estávamos recomendando não era adequado para os clientes, meu chefe aumentou a pressão sobre mim e me designou apenas para os clientes mais difíceis. A certa altura, disse à minha esposa: might Pode ser bom se eu for atropelado por um ônibus. Não quero morrer, mas gostaria de me machucar o suficiente para ter que parar de trabalhar por um tempo.

Ela disse: ‘É isso; você está saindo de lá. ”Ele levou alguns meses para alinhar algumas tarefas de consultoria independentes e depois fez a mudança.

Reduza a Exposição a Estressores no Trabalho

Você também precisará segmentar atividades e relacionamentos de alto valor que ainda desencadeiam estresse prejudicial. Isso envolve redefinir as expectativas de colegas, clientes e até membros da família quanto ao quanto e quanto você deseja assumir, bem como regras básicas para trabalhar em conjunto. Você pode receber uma reação. Mas os que duvidam devem saber que você está fazendo essas alterações para melhorar sua produtividade a longo prazo e proteger sua saúde.

Barbara, por exemplo, está profundamente ciente dos aspectos do trabalho de relações públicas que colocam as pessoas em seu campo em risco de esgotamento, então agora ela as gerencia ativamente. “Existe pressão constante, tanto dos clientes quanto da mídia”, explica ela. “Mas, muitas vezes, o que os clientes chamam de crise não é realmente uma. Parte do trabalho é ajudá-los a colocar as coisas em perspectiva.

E ser um bom profissional de serviço não significa que você precisa ser um servo ou um Escravo do Trabalho. Você não deve enviar e-mails às 11 da noite regularmente “.

Cheryl também diz que aprendeu “a não se deixar levar pela corrente” de demandas esmagadoras.

Ela acrescenta: “Você precisa saber quando dizer não é a resposta certa. E é preciso coragem e convicção para manter suas armas e não se sentir culpado. ”Se você achar que há poucas ou nenhuma oportunidade de mudar as coisas em uma direção mais positiva, convém contemplar uma mudança maior, como Ari fez.

Procure Conexões

O melhor antídoto para o esgotamento, principalmente quando é motivado pelo cinismo e pela ineficácia, é buscar interações interpessoais ricas e desenvolvimento pessoal e profissional contínuo. Encontre treinadores e mentores que possam ajudá-lo a identificar e ativar relacionamentos positivos e oportunidades de aprendizado. O voluntariado para aconselhar outras pessoas é outra maneira particularmente eficaz de romper um ciclo negativo.

Dada a influência de fatores situacionais no esgotamento, é provável que outras pessoas em sua organização também estejam sofrendo. Se você se unir para oferecer apoio mútuo, identificar problemas, debater e advogar por soluções, todos aumentarão seu senso de controle e conexão. Barbara participa de um programa de aconselhamento e aconselhamento de executivos chamado Vistage.

“Somos um pequeno grupo de CEOs em negócios não competitivos, para que possamos compartilhar idéias”, explica ela. “Passamos um dia por mês juntos, temos ótimos oradores e atuamos como conselhos consultivos um para o outro.”

Ari, agora um empreendedor individual de sucesso, construiu uma rede de parceiros técnicos que compartilham a mesma visão, colaboram e canalizam o trabalho para um outro. Ele diz que administrar um negócio “centrado no cliente” em que ele acredita e trabalhar com pessoas que ele respeita aumentou enormemente seu envolvimento.

CONCLUSÃO

O esgotamento pode parecer insuperável. Mas a sensação de estar sobrecarregado é um sinal, não uma sentença de longo prazo. Compreendendo os sintomas e causas e implementando essas quatro estratégias, você pode recuperar e construir um roteiro para a prevenção. Sua experiência brutal pode servir como um ponto de virada que o leva a uma carreira mais sustentável e a uma vida mais feliz e saudável.

Justiça manda Globo Reintegrar Jornalista que foi Demitida após Retornar de Licença Médica

A Justiça do Trabalho determinou que a TV Globo reintegre a jornalista Izabella Camargo ao quadro de funcionários; ela foi demitida após retornar de uma licença médica em que foi diagnosticada com síndrome de burnout, uma doença relacionada ao trabalho

“Sofri muita incompreensão. Entre um sintoma e outro, levava laudos para meus chefes pedindo só uma mudança de horário. Voltei de uma licença médica e fui dispensada. Uma doença assim não é bem-vista nas empresas. Algumas preferem até dizer que o funcionário quebrou o pé a confirmar a síndrome”, relatou a jornalista em entrevista à revista Veja.

Para a jornalista, a decisão da Globo foi um castigo da emissora.

“Estou sendo punida por ter ficado doente, com uma doença funcional, e os laudos provam isso. Foi um susto. Esperava qualquer coisa, menos ser demitida”, desabafou ela em outra entrevista.

Pensa que o Estresse acabou por ai?

Izabella Camargo sobre volta à Globo:

“Fui recebida do lado de fora”

Izabella Camargo, que quando retornou à TV Globo, em São Paulo, após o Tribunal Regional do Trabalho exigir a reintegração da jornalista, disse estar com a consciência tranquila ao comentar o retorno à emissora onde trabalhou por seis anos antes de ser dispensada no ano passado.

Izabella Camargo Burnout Síndrome de Burnout: O que é, Sintomas e Como Tratar

No entanto, ela afirmou que não chegou a entrar nas instalações do canal e que ficou na calçada.

“Foi muito bom ser recebida pelas pessoas que saíram porque eu só fiquei do lado de fora, eu não entrei.  Como era troca de turno foi muito bom ser abraçada por pessoas que vibraram com a notícia [de sua reintegração por decisão judicial]”, disse.

A jornalista, agora, diz aguardar informações sobre como a emissora procederá:

“Essa é uma decisão judicial que está sob sigilo. Hoje foi oficialmente o dia da minha reintegração, porém a emissora ainda não deu nenhuma posição”.

Sobre o interesse em um eventual acordo com a emissora, para não precisar voltar a integrar o quadro de funcionários, a jornalista afirmou que não poderia comentar a respeito pois o processo corre em segredo de Justiça. Izabella estava acompanhada do marido, Thiago Godoy Nascimento, e de seu advogado.

“Nunca fiz nada de errado desde o princípio e por isso a minha sensação é muito boa porque exerci comigo o que sempre exerci na reportagem, de buscar a verdade e a lei”, declarou.

A demissão de Izabella Camargo aconteceu em novembro do ano passado, na sua volta da licença médica, recuperada da Síndrome de Burnout, mal provocado por esgotamento físico e mental.

Fontes de Informações Internacionais

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here