Buffets Comemoram Retorno das Festas Infantis Presenciais

Buffets Comemoram Retorno das Festas Infantis Presenciais: Festas sociais ainda enfrentam gargalo com horário restrito de funcionamento

 

Retorno das Festas Infantis Presenciais

 

Com a flexibilização das medidas restritivas e a expectativa de retomada da economia, os buffets, que foram duramente atingidos pela pandemia, vivem a expectativa de recuperar os prejuízos acumulados nos últimos meses. A concretização das festas e eventos que foram adiados, a chegada de fim de ano somado à tradicional confraternização das empresas neste período, traz esperança para empresários do setor.

 

A categoria vibrou com a liberação para a produção dos eventos, no entanto, a situação não é igual para todos os setores. Aqueles que atuam com festas maiores encontram dificuldades. Algumas cidades, como Santo André, adotam medida restritiva com o horário de funcionamento até as 23h, com limite até meia noite.

 

“Ainda falta a permissão de pelo menos mais duas horas para o funcionamento dos buffets que trabalham com eventos sociais. Por enquanto, até meia noite, não dá. A liberação teria que ser estendida em mais duas horas. Do jeito que está não conseguimos vender festas maiores e só perdemos”, explica Adriana Faveri, dona do Buffet Brinca Piá e Brinca Pirata, em Santo André.

Ainda falta a permissão de pelo menos mais duas horas para o funcionamento dos buffets que trabalham com eventos sociais. Por enquanto, até meia noite, não dá. A liberação teria que ser estendida em mais duas horas. Do jeito que está não conseguimos vender festas maiores e só perdemos

 

Buffets Comemoram Retorno das Festas Infantis Presenciais

 

Apenas pequenas festas não é possível recuperar os prejuízos

 

De acordo com a empresária, se os buffets fizerem apenas pequenas festas não é possível recuperar os prejuízos. “Precisamos vender festas com seis horas de duração. Os clientes já começaram a confiar, querem celebrar e não podemos atender”, reclama.

Precisamos vender festas com seis horas de duração. Os clientes já começaram a confiar, querem celebrar e não podemos atender

No entanto, os empresários reconhecem o avanço em relação ao período que foram obrigados a permanecer fechados. “Já estou conseguindo pagar as contas”, acrescentou Eduardo Fernandes, dono do Fantastikids, de São Caetano.

Segundo Fernandes, em setembro, ele conseguiu realizar 18 festas. “Antes da pandemia eram de 25, 26 festas…A melhora tem sido gradativa, uma festa para 50 convidados, compareciam de 20 a 30 pessoas. Agora, para 60 vem umas 57”, comenta.

Antes da pandemia eram de 25, 26 festas…A melhora tem sido gradativa, uma festa para 50 convidados, compareciam de 20 a 30 pessoas. Agora, para 60 vem umas 57

 

Buffet Toca Kids

 

No Buffet Toca Kids, com unidades em Santo André e São Caetano, as consultas de orçamento cresceram, mas o fechamento dos pedidos está abaixo do esperado. “Estamos retomando e precisamos de mais união e conscientização. Temos concorrentes e não inimigos. Alguns estão oferecendo preços que não condizem com a realidade. Aqui eu tenho 31 anos de história e ofereço qualidade, e não abro mão disso e prezo por essa filosofia. Quase toda minha produção é interna, pouca coisa vem de fora”, disse a proprietária do Toca, Giovana Patriani.

Estamos retomando e precisamos de mais união e conscientização. Temos concorrentes e não inimigos. Alguns estão oferecendo preços que não condizem com a realidade. Aqui eu tenho 31 anos de história e ofereço qualidade, e não abro mão disso e prezo por essa filosofia. Quase toda minha produção é interna, pouca coisa vem de fora

Para o presidente do Sehal, Beto Moreira, a flexibilização atende o pleito da entidade. “Trabalhamos e lutamos junto com a mobilização da categoria, que também foi muito atingida e sentiu a necessidade de mostrar que precisava trabalhar. A união dos empresários foi fundamental durante esse período tão difícil, por isso, eles tiveram nosso apoio, fomos interlocutores em diversas ações e criamos protocolos junto com a nossa parceira Betel (especializada em Segurança dos Alimentos), entre outras iniciativas”, lembrou.

Trabalhamos e lutamos junto com a mobilização da categoria, que também foi muito atingida e sentiu a necessidade de mostrar que precisava trabalhar. A união dos empresários foi fundamental durante esse período tão difícil, por isso, eles tiveram nosso apoio, fomos interlocutores em diversas ações e criamos protocolos junto com a nossa parceira Betel (especializada em Segurança dos Alimentos), entre outras iniciativas

 

Sobre o Sehal

 

Fundado em 12 de julho de 1943, o sindicato é uma entidade sem fins lucrativos e tem como objetivo apoiar os empresários reciclando conhecimento em várias áreas. Representa cerca de oito mil estabelecimentos na Região do Grande ABC.

Fornece apoio com profissionais renomados nas áreas jurídicas, sanitária, organizacional, parceria com escolas e faculdades, além de lutar pela simplificação da burocracia nos âmbitos municipal, estadual e federal com redução dos impostos e ainda contribuir para a qualificação dos empresários e trabalhadores.

Oferece ainda cursos gratuitos ou com condições especiais para associados e ministrados por professores altamente qualificados, em salas de aula equipadas com datashow, cozinha completa com utensílios e insumos para as aulas práticas. É também considerado um dos sindicatos patronais mais atuantes do Brasil em razão das diversas conquistas e expansão no número de associados.

 

Mais Informações sobre o Sehal na Internet

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies