Taxa de Rolha: É necessária? Está na Lei? Saiba como funciona esta técnica tão controversa

Taxa de Rolha: É necessária? Está na Lei? Saiba como funciona esta técnica tão controversa

Taxa de Rolha: É necessária? Está na Lei? Saiba como funciona: Para Enófilos e Sommeliers, o preço cobrado pelos restaurantes para degustar sua própria garrafa é tema delicado

Taxa de Rolha: É necessária? Está na Lei? Saiba como funciona

O que é Sommelier? A palavra Sommelier é francesa e originalmente designava o trabalhador responsável por transportar as pipas de vinhos para os grandes castelos e palácios na Idade Média, e que também acumulava a função de provar o conteúdo das pipas antes que ele fosse servido à realeza, para que estes se certificassem que não havia veneno em suas bebidas.

Para a maioria dos consumidores, já é algo Corriqueiro, mas para alguns outros, é um abuso! sem tamanho.

Legalidade da Cobrança da Taxa de Rolha

Alguns chegam até a questionar a legalidade da cobrança. A verdade é que a tal “taxa de rolha”, o preço cobrado pelos restaurantes para que você possa levar sua própria bebida, apesar de ser cada vez mais uma prática comum, ainda é um item controverso entre enófilos e sommeliers.

Tempos atrás, o enófilo que ligava para fazer sua reserva em restaurante e perguntava sobre a cobrança de taxa de rolha costumava ter de esperar plantado no telefone por uma “convenção” entre todo os garçons, também sommeliers, além dos chefs e não menos importante até os gerentes que, muitas vezes, sequer tinham ouvido falar daquilo.

Taxa de Rolha: É necessária? Está na Lei? Saiba como funciona esta técnica tão controversa
Taxa de Rolha: É necessária? Está na Lei? Saiba como funciona esta técnica tão controversa

Hoje, por mais simples que possa ser o estabelecimento, a resposta já está na ponta da língua.

Cobrança é comum e maioria dos restaurantes cobra taxa de rolha

A maioria dos restaurantes cobra taxa de rolha. Segundo levantamentos recentes, o valor médio cobrado nos principais estabelecimentos da capital paulistana assim como no Grande ABC Paulista, principalmente aqui na cidade de Santo André, está entre R$ 40 (quarenta) e R$ 60 (sessenta), por garrafa. No entanto, o valor pode chegar a mais de R$ 100 (cem). E ainda há lugares que barram a entrada de bebidas de fora. Outros, porém, liberam sem qualquer cobrança. Mais interessante é a forma da cobrança. Qual é a bebida? Como se por um acaso 1 litro de um excelente whisk 21 anos fosse mais que 1 litro de uma vodka simples. Ambas,  oras, contém 1 litro. Qual a diferença do litro do que?

Se preferir assista ao Vídeo sobre Sommelier diretamente no Youtube

Mas com tanta divergência e dúvidas em relação a essa hoje tão famosa taxa, por que ela é cobrada? Alguns restaurantes alegam que o valor cobre o serviço, o que inclui o uso de todos os

  • Acessórios,
  • Taças,
  • Decanter
  • etc.

Fora isso, um restaurante que mantém um sommelier está custeando um profissional qualificado e preparado para atendê-lo no quesito vinho. E isso tem valor. No mais, a taxa também serve para inibir o consumo de vinhos “baratos” em seus estabelecimentos com o intuito de diminuir a conta final. Ou seja, acabam precificando o “bom senso” do cliente, evitando que ele leve vinhos incompatíveis com os da carta do restaurante.

“Tem sido cada vez mais raros os casos em que a pessoa chega com um vinho ‘nada a ver’. Geralmente quem gosta de vinho traz uma garrafa bacana para ser degustada”, aponta João Paulo Gentile,

proprietário do restaurante Praça São Lourenço, em São Paulo. (Mostrando assim, uma seleção natural entre o gosto do cliente. Este, é obrigado a seguir os padrões impostos. Oras, novamente, onde está liberdade?)

Não Cobrar a Taxa da Rolha é um sonho

Ele cobra rolha, mas afirma sonhar em não precisar usar dessa prática, pois reconhece que há uma maior atração e um maior giro se o cliente puder trazer sua garrafa sem custo. E é por isso que já há vários restaurantes que não cobram taxa de rolha nas principais cidades do Brasil. Há casos, aliás, de enófilos que se tornam clientes assíduos de estabelecimentos que, além da boa comida, prestam um excelente serviço de vinho.

Então, não é preciso ter receio em levar seu vinho ao restaurante de sua preferência. É interessante telefonar antes fazendo sua reserva, avisar sobre a intenção de levar a garrafa e combinar as condições previamente. Se você levar um vinho realmente especial, há restaurantes que, mesmo tendo como política a cobrança de rolha, preferem não taxar.

O que diz o PROCON?

PROCON orienta consumidores sobre taxa de rolha nos restaurantes,

Se o local vende produtos alimentícios, como pipoca, balas e refrigerantes, não poderá proibir a entrada de pessoas portando alimentos adquiridos em outros locais.

De acordo com o Artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), este é um procedimento considerado como prática abusiva. O consumidor que tiver problemas com este tipo de situação deve reclamar no próprio estabelecimento e junto a um órgão de defesa do consumidor PROCON.

Baseado no CDC, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu em 2007 que a obrigatoriedade da compra do alimento dentro da sala de espera do próprio cinema é venda casada.

Lembrando que, para evitar acidentes, a entrada de alguns tipos de embalagens podem ser restritas (latas de alumínio e garrafas de vidro, por exemplo), desde que o estabelecimento não comercialize produtos desse tipo.

Se o estabelecimento não comercializar nenhuma espécie de alimento dentro de suas dependências, poderá restringir o acesso destes produtos, desde que o consumidor seja avisado previamente e de forma clara e precisa.

De acordo com a diretora do Procon/TL, Lilian Campos,

“os estabelecimentos podem fazer a cobrança, desde que isso seja previamente avisado ao consumidor, por meio de cartazes, anúncios no cardápio e até pelo próprio garçom”, disse.

Ela ainda explica que os estabelecimentos têm custos operacionais, como o uso de copos/taças, adegas climatizadas e mão de obra especializada, que precisam ser compensados de alguma forma.

 

Taxa de Rolha: É necessária? Está na Lei? Saiba como funciona esta técnica tão controversa
Taxa de Rolha: É necessária? Está na Lei? Saiba como funciona esta técnica tão controversa

Regras simples de “etiqueta da rolha”

  • Se for levar um vinho ao restaurante, ligue antes fazendo reserva e avisando que levará determinada garrafa.
  • Cheque os valores da rolha antecipadamente.
  • Não convém levar um vinho que exista na carta do estabelecimento.
  • Caso não exista cobrança de taxa de rolha, é comum dar uma gorjeta à parte pelo serviço de sommelier.

Se você for levar mais de um vinho, a boa educação aconselha que você consuma uma garrafa da casa, por exemplo, um espumante de entrada ou o vinho de sobremesa em taças.

O que é ser sommelier?
Sommelier é uma noção francesa que chegou à nossa língua como sumiller, embora seja habitual que se use diretamente o vocábulo galês. Trata-se do especialista em vinhos que, num restaurante, hotel ou outro tipo de estabelecimento, recomenda aos comensais que bebida escolher em função do prato em questão.

O que é preciso para ser um sommelier?
Além da educação formal, para ser um bom sommelier é preciso conhecer as principais regiões produtoras do mundo, como França, Itália, Chile e Vale Napa, na Califórnia. Sites e publicações especializadas também são importantes para que o profissional se mantenha sempre atualizado.\

Qual a diferença entre sommelier e enólogo?
Resumindo, o enólogo é um profissional que representa a produção de vinhos, enquanto o sommelier está ligado ao consumo de bebidas. Já o enófilo, é o consumidor final e apreciador de vinhos.

Quando é o Dia do sommelier?
O dia do sommelier é 03 de junho ou 29 de agosto? Essas datas tem criado um pouco de confusão.

O que é um enólogo de vinho?
Como foi dito ao longo de todo este post, o enólogo não é aquela pessoa que apenas conhece o mundo dos vinhos, mas também a que participa ativamente de todo o processo de produção. Ou seja, o enólogo é um profissional de vinhos, que comumente desempenha suas atividades em vinícolas e propriedades produtoras de uvas.

Gorjeta
O estabelecimento fica livre para sugerir uma taxa maior ou menor que 10%. Ou seja, o valor pode ser de 8%, 10%, 12%, etc. Alguns restaurantes na cidade de São Paulo cobram 13% como taxa de serviço, por exemplo. Mas vale lembrar que a gorjeta (ou taxa de serviço) SEMPRE é opcional ao cliente

Dica sobre a Gorjeta
Sempre pergunte ao garçom se a gorjeta vai para ele. Existem estabelecimentos que não entregam a gorjeta para o atendente. E esta é dele por direito.

Aguardando palavras...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais